Segunda-feira, 27 de Dezembro de 2004

Comentário ao comentário

"O meu corpo gela à míngua dos teus dedos, o sol vai demorar-se a regressar. Há tempo para uma história que eu não saiba e eu juro que, se não adormeceres, serei tão leve que não hei-de pesar-te nunca na memória, como na minha pesará para sempre a pedra do teu sono se agora apenas me olhares de longe e adormeceres." Quantas vezes temos a ousadia de amar e, no final, acabamos sem nada. Ficamos mais fortes? É forte aquele que ama sem medo do que possa acontecer ou aquele que, de tão desiludido por tanto amar, simplesmente "gela à míngua dos dedos"?



Novae
@ dezembro 27, 2004 10:38 PM



000451FB-B120-115E-B1B080B151BA019A.jpg

Foi dos comentários mais bonitos que foram escritos neste blog... Refere-se ao ultimo texto que escrevi. "AGORA" Pergunto-me depois de ler estas palavras, é preferivel não arriscar o agora, arriscar a amar, é preferivel então não termos agora?



f539042 copy.jpg

O Novae teve a amabilidade de me dar a poesia completa. Vale a pena ler.



Não adormeças: o vento ainda assobia no meu quarto
e a luz é fraca e treme e eu tenho medo
das sombras que desfilam pelas paredes como fantasmas
da casa e de tudo aquilo com que sonhes.



Não adormeças já. Diz-me outra vez do rio que palpitava
no coração da aldeia onde nasceste, da roupa que vinha
a cheirar a sonho e a musgo e ao trevo que nunca foi
de quatro folhas; e das ervas húmidas e chãs
com que em casa se cozinham perfumes que ainda hoje
te mordem os gestos e as palavras.



O meu corpo gela à míngua dos teus dedos, o sol vai
demorar-se a regressar. Há tempo para uma história
que eu não saiba e eu juro que, se não adormeceres,
serei tão leve que não hei-de pesar-te nunca na memória,
como na minha pesará para sempre a pedra do teu sono
se agora apenas me olhares de longe e adormeceres.



Maria do Rosário Pedreira



"A Casa e o Cheiro dos Livros"




jml_10.gif


Impressão Digital Cereza às 23:23
link do post | Rugir | Adicionar aos Favoritos
|
5 comentários:
De Selvagem Anónimo a 27 de Dezembro de 2004 às 23:54
"Ler é sonhar pela mão de outrem....."( F. Pessoa ) Com o teu post Cereza e com o poema q o Novae teve a simpatia de nos dar a conhecer..., sonhei mais uma vez...sonhei com os AGORAS q perdi por medo e cobardia, por pensar nos outros e n me preocupar com as minhas vontades e os meus quereres...e arrependo-me....não dos AGORAS q escolhi, mas de todos os outros AGORAS q n tive coragem de assumir....e façam-me um favor pessoal, não estejam distraídos qdo os AGORAS passarem por vocês....aproveitem-nos....porque esses AGORAS perdidos, depressa se irão tranformar em SES...e os SES são os inpecilhos da vida!!!....Um Feliz 2005 cheio de AGORAS FABULÁSTICOS ;)



PataniscaLight
</a>
(mailto:sissacc@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 28 de Dezembro de 2004 às 11:09
Este blog excita-me, as fotos das gajas mexem comigo, LOL. Vou fazer "O AMOR" Cetus
(http://25-45.tuxsp.org)
(mailto:teixeirarui@msn.com)


De Selvagem Anónimo a 28 de Dezembro de 2004 às 20:07
Bem.. a pedido da Cereza, mas também com mto gosto.. vou deixar umas "divagações" como disse a (PataniscaLight) aqui no teu blog Cereza.. - PataniscaLight podias em vez de despertar o amor nos outros.. deixares despertar em ti.. assim n perdias amigos... :) - EngenheiroDevil n mistures amizade com amor... - PataniscaLight claro que não.. mas amizade mtas vezes se confunde com amor.. -EngenheiroDevil hummmmmmmm discordo... por vezes da amizade pode nascer amor...:) - PataniscaLight sim da amizade nasce o amor.. mas como tu disseste entre duas pessoas que têm uma grande amizade uma delas pode confundir com amor e a outra pessoa n sentir o mesmo.. e assim se perdem os amigos.. - EngenheiroDevil e pk é q uma delas n poderá mesmo sentir amor... n precisa de confundir, é possivel...o ideal seria esse amor ser bilateral... se n for a pessoa q o sente sofre..... mas a outra também de certo - PataniscaLight pode sentir! e pode confundir! se o amor que sentir for verdadeiro a outra pessoa tb o vai sentir apercebendo-se de sinais... se o confundir.. será um amor de ilusão que no fim n passou disso.. - EngenheiroDevil yep as duas hipoteses são possiveis....e o ideal...seria esse amor ser bilateral como disse :)) - PataniscaLight tens razao.. o ideal.. era que o amor verdadeiro nunca fosse confundido e fosse bilateral.. como dois polos contrarios de um iman que se atraiem para a formação de um só corpo.. um só coração.. :) - EngenheiroDevil , tava a "divagar" :D - PataniscaLight tavas a divagar? :D não estavas não.. senão estariamos os dois a divagar.. estavamos sim a trocar pontos d vista comuns.. - EngenheiroDevil enfim, axo q sobretudo n podemos é perder a capacidade de sonhar...nem de apreciar as coisas simples e boas da vida :) nem mesmo apezar das contrariedaes e das vicissitudes da vida por vezes nos fazerem ter vontade de o deixar-mos de o fazer - PataniscaLight para finalizar o blog e a nossa conversa.... o amor verdadeito n se procura ele encontra-te quando menos esperares.. e se é verdadeiro é para sempre.. e quem sonha vive na esperança de realizar os seus sonhos.. e quem não sonha n vive.. :) Espero que gostes Cereza.. Um Beijinho pra ti.. e outro para a minha colaboradora =P PataniscaLight...

EnGenheiroDevil
</a>
(mailto:pedro.le@clix.pt)


De Selvagem Anónimo a 29 de Dezembro de 2004 às 11:23
Numa palavra? LINDO
"... o sol vai demorar-se a regressar. Há tempo para uma história
que eu não saiba e eu juro que, se não adormeceres,
serei tão leve que não hei-de pesar-te nunca na memória..." :)^Erina^
</a>
(mailto:paula_m_sousa@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 11 de Janeiro de 2005 às 00:07
Cereza, ha muito que não lia algo que me faz pensar e reflectir sobre alguma coisa sobre a qual tanta gente pensa saber, e que da qual poucas pessoas sabem :)

Deixo-te algo de mim para ti, já que deixaste aqui algo de ti para todos nós que lemos.

"Anjos da Guarda"

Aos poetas e Anjos da Guarda
como que por milagre
nos velam
enchem-nos a alma
amparam-nos as quedas.
E esperam por nós
no crepitar de uma fogueira de inverno.
Com um calor
que nos invade a alma...
A esses que só ainda vi
no meu mundo...
Desses que só conheço
nos sonhos...
E enchem-me a alma
E amparam-me as quedas
São eles que me sentem
E só a eles eu sinto
E Ah! Como eu (os) sinto...
Aos poetas e Anjos da Guarda
que jamais esqueço...
E que ficam comigo
mesmo depois de amanhã.

Beijinhos.
Minhau
</a>
(mailto:minhau@sapo.pt)


Ah... Comenta-me