22 comentários:
De Marco Neves a 31 de Maio de 2006 às 12:20
Por vezes qualquer coisa assim do género, sem saber realmente porquê, apenas porque só acontece às vezes. Uma vez por outra, conforme a importância que se dê de cada vez que se faça ou que aconteça. Que seja conveniente ou nem por isso. Sim, porque as vezes não formam um "às vezes". Afinal de contas... por vezes é mesmo só qualquer coisa assim do género, tá?


De Marafada a 30 de Maio de 2006 às 20:42
As vezes gostava .... comer gelados todos os dias e nao engordar!!!



De morgqaine a 30 de Maio de 2006 às 19:25
Nínguém gosta de ser surpreendido com o inevitável. Há quem reaja bem, e quem reaja mal. Mas entre todos, aquele que for sábio e aprender com o que tem ou com aquilo que o destino lhe deu será o mais feliz e o mais forte. O acaso não existe e tudo vem predestinado. O desafio consiste em saber até onde somos capazes de aguentar.


De Majoca/SaloiaLoira a 30 de Maio de 2006 às 15:56
Dona patroa já dê o telefone do coiso e tal à Lua...agora arremendem-se....
Maria !!!! bejos nessa bochecha....às vezes dá-me estas coisas:)


De PatanisKa a 30 de Maio de 2006 às 13:47
Maria!!!! É verdade!!!!! Não te esqueças!!!!
Ehehehehehe!!!! ;)))))


De Selvagem Anónimo a 30 de Maio de 2006 às 18:11
LOLLLLLLLLLLL !!! Claro que não vais ver :-PP
Beijossss


De PatanisKa a 30 de Maio de 2006 às 18:21
Ó anónimo!!!???? Era pra mim o teu coment???!!! É q para além de não saber quem és...tb não percebi nada!!!!!!


De Selvagem Anónimo a 30 de Maio de 2006 às 20:42
Mais logo ja te digo quem é o Anonimo :-PPP mas posso adiantar que já te disse o horario do expresso :-PPP LOLLLLLLLLLLLL


De PatanisKa a 30 de Maio de 2006 às 13:15
Às vezes.....toca o telefone qdo tou a comentar....porra!! Foi-se a inspiração!!! Mas já q tou aqui resmas de beijos para ti Maria :))))))


De veinha a 30 de Maio de 2006 às 13:11
o problema é quando ele nao existe, ou pior, quando o homem nao sabe sê-lo!!!


De veinha a 30 de Maio de 2006 às 13:10
as vezes ...
ainda sabe tao bem correr para a mae, tira-me este peso das costas, esta arma da mão, estas cartas do correio... sentir que estou a bater à porta do céu mesmo. esta música foi muito bem escolhida. é na linha limite, como eu me identifiquei. é tao bom quando ainda temos a maezinha à espera para nos acolher e resolver todos os problemazinhos.

mas as vezes...
tambem temos de ser nos a mae... aguentarmos o peso, minimizarmo-lo, tornar-lo uma pena... tratar da carta e esquecê-la... pegar na arma e desfazê-la... e não ter ninguém que nos tire o peso do ombro... ou ter... porque uma mulher precisa sempre do ombro forte de um homem que suporta sempre mais quando se trabalha em equipa :)


De constancinha-maria a 30 de Maio de 2006 às 18:10
Ás vezes sabia bem termos um par de braços que nos aconchegasse .. :-)


De veinha a 30 de Maio de 2006 às 20:27
é verdade... às vezes até o temos mas nao já nao chega =? a vida é uma escola e ainda bem :)


De Tex a 30 de Maio de 2006 às 10:46
Ás vezes sou tudo ainda que nada...


De marta a 30 de Maio de 2006 às 10:17
Às vezes penso que no intimo,somos todos iguais...Beijinho pa ti Maria (Foi bom,fez lembrar épocas antigas que aqui passámos)


De constancinha-maria a 30 de Maio de 2006 às 18:07
Ó Marta os tempos antigos não existem :-) eles não são antigos nem modernos , fazem parte do tempo e esse é intemporal. Estou cá , apesar de caladinha, que já um mais um vício que mau feito mas não há dia nemhum que não me lembre de todos. Não vou prometer que vou aparecer com mais frequência senão falto. Estou no tempo que o tempo tem ;-)
Beijinhos , bastantes :)


De marta a 30 de Maio de 2006 às 19:59
Outro para ti Maria,com saudade!!!Gaita que andei esta semana toda a lembrar-me de ti,volta que na volta pimba!! Vá-se lá saber porquê!!....mas ainda vou descobrir!! Só espero que nos traga qq coisa de bom!Por isso me tocou e as lembranças voltaram e essas merdices todas...:)P


Ah... Comenta-me