14 comentários:
De flyman a 1 de Junho de 2006 às 00:02
Eh das coisa que mais gosto. Praia! Mas muito esquisito na escolha... praia tem de ser soh minha, 500 metros para cada lado por minha conta. Egoista?... Descobridor... Ha praias assim em Agosto... eh preciso eh saber onde... e o gozo que me dah ver o povao todo ah molhada lah bem ao fundo...


De marta a 31 de Maio de 2006 às 15:58
Posso apenas sonhar?Ok!!Beijos xinxa


De xinxa a 1 de Junho de 2006 às 10:41
faz favor, por quem sois...


De Marco Neves a 31 de Maio de 2006 às 15:28
A viagem que começava bem cedo...
As curvas pela estrada que serpenteava as serras...
O cheiro...
Os pães de leite...
A espectativa por ver o mar...
Carros...
Mais movimento...
Bolas! E o mar?
Impaciente, de olhos atentos...
A excitação por ver aquele majestoso azul...
A felicidade de chegar e...
Rebolar...
A boca amarga da àgua salgada...
Mergulhar...
Até ficar roxo...
Respirar...
Aquele doce cheiro da praia...
O aroma...

E os meus olhos brilhavam quando via que o azul do céu de todo o ano era o mesmo do mar...


De DevilGirl a 31 de Maio de 2006 às 14:11
Adoro o mar, mas o calor faz-me confusão, mais de 10 min ao sol e já me sinto sufocar, adoro ir para a praiae ficar o dia td na água.. mas fui proibida de me expor muito ao sol... por isso contemplo o mar ao longe ou quando o sol está a ir embora :) gostei muito do teu poema xinxa. beijinhos para todos


De xinxa a 31 de Maio de 2006 às 12:22
Foi ali, na rua da casa Rosa na Granja que desde criança aprendi a olhar o mar!
Ficavamos todas as férias de Verão.Era um frenesim de quem descobre o mundo todos os anos. A D. Isaura que tomava conta de nós, sempre com o sorriso nos olhos, olhava de soslaio para as manas mais velhas, quando algum atrevidote lançava um piropo. Nós os pequenas riamo-nos. Eramos 5 meninas na Praia da Granja.
O ritual fascinava-me. Logo de manhã e depois de algumas tropelias na saga de vestir e de um pequeno almoço em que as regras de comportamento, se relembravam mais uma vez, saíamos em fila indiana até à praia.
Os chapéus coloridos, os vestidos escolhidos e a lancheira ataviada, desciamos a rua larga, com árvores imponentes que adornavam os passeios. Cinco minutos de bom comportamento no trajecto mais azul que eu conhecia. O mar na Granja era mágico e por vezes ganhava contornos gigantescos, empolados nas Histórias da D. Isaura, quando nos contava a Epopeia dos homens valentes que o galgaram até ao outro lado do mundo.
Na praia era uma alegria, sempre com disciplina claro, hora para o banho, a constante vigia do tempo ao sol, as manas mais velhas a reclamar a areia que lhes estragavam a pele e se entranhavam nos livros. A nossa barraca, azul e branca, na 1ª fila, era o nosso quartel general. Lá tudo estava e tudo saía. Um rodopio sem fim, até à hora da sesta.
Depois era o regresso a casa, depois de uma hora na piscina da Granja, de saltos de prancha que molhavam as senhoras que deleitadas nas suas leituras, tisnavam a pele ao sol.
Foi ali na Granja que o mar começou para mim.


De veinha a 31 de Maio de 2006 às 14:11
Que giro... farto-me de ouvir contar histórias da praia da Granja... a minha minha avó também lá tinha a sua casa de Verão e a minha mãe e os meus tios íam lá passar as férias. Digamos que na altura era só para elites sem nenhuma ofensa...


De xinxa a 31 de Maio de 2006 às 20:54
E os amores que ali começaram e acabaram,,, Verões, enfim!


De lua_de_Avalon a 31 de Maio de 2006 às 10:36
O comentário anterior é meu :PPPPP


De Selvagem Anónimo a 31 de Maio de 2006 às 10:35

Pondo as associações de lado e relendo o teu poema, esquartejo:
chão / areia / sal / vento / sol / flores / dunas
com estes substantivos, só podias ter feito gerar vida... espero pela miragem...
Palavras que desenhei na areia e o mar as levou quando criança ... Tenho uma praia só minha ...Gostei xinxa



De Tex a 31 de Maio de 2006 às 10:28
De todos os cantos do mundo
Amo com um amor mais forte e mais profundo
Aquela praia extasiada e nua
Onde me uni ao mar, ao vento e à lua.

Há muito que deixei aquela praia
De grandes areais e grandes vagas
Mas sou eu ainda quem na brisa respira
E é por mim que espera cintilando a maré vasa

(Sophia de Mello Breyner)


De xinxa a 31 de Maio de 2006 às 15:17
Deve pensar que é a menina do mar... tah...tah bem...com uma peça de fruta que isso passa-lhe!


De castor a 31 de Maio de 2006 às 02:19
Vou revelar um segredo...a xinxa que me perdoe... mas eu sei qual é a praia dela. Ali em Castro Marim, Praia Verde! É lindaaaaaaaaa.


De xinxa a 31 de Maio de 2006 às 15:19
Pavão!


Ah... Comenta-me