Quinta-feira, 6 de Julho de 2006

MEC: Que se lixe!

Terrivelmente deliciosa esta crónica do MEC!
Que se lixe
MIGUEL ESTEVES CARDOSO

Pronto. Que se lixe. Levem lá a taça, que a gente continua cá, se não se importam. Vamos ali fazer um piquenique com os alemães e voltamos já.
 
Poça, já se sabia que tinha de ser com o raio dos franceses e que Portugal jogar mal ou bem seria irrelevante. Mas tanto?! A ironia, muito francesa porque é daquelas pesadas e óbvias que não têm graça nenhuma, é que Portugal jogou muito bem e a França não jogou nada. Aliás, quanto melhor jogava Portugal, mais aumentava a probabilidade da França ganhar. É azar. É esse o termo técnico, exactamente.
 
Não foi só o árbitro, embora este tudo tenha feito para ser a estrela principal da partida. Não, é o azar que os franceses dão. Mesmo quando estão cabisbaixos e amedrontados, cheios de vontade que o tempo passasse e os poupasse, dão azar.
 
E porquê? Porque os portugueses também dão azar aos franceses, coitados. Dão-lhes o azar de pô-los a jogar mal. E o azar de fazerem figura de tontos e medricas. Os franceses também não mereciam tal azar. Tanto mais que cada jogo com eles traz uma vingança pré-fabricada: depois desta meia-final, já ninguém poderá dizer que Zidane e os "bleus" renasceram milagrosamente. Onde? Quem? Não, o milagre foi só um: o de não terem perdido.

Em contrapartida, os franceses dão aos portugueses o azar de perder. Bonito serviço. Assim não dá gosto; não se pode trabalhar; nem há condições para jogar; é escusado. E quando jogarmos outra vez com os franceses, vai acontecer a mesma coisa. O azar existe e o azar reincidente e metódico, no caso da França, existe mais ainda. Antes fosse ao contrário? Talvez não. Mais vale perder como perdemos, a jogar como campeões, do que ganhar a jogar como os franceses, como perdedores natos, receosos e trapalhões, sem saber o que se passa ou o que se vai passar. Fizeram má figura e ganharam. Que os italianos lhes sejam leves!

Dirão uns que não faz mal, que já foi muito bom chegarem às meias-finais. Mas não é verdade. Para chegarem às meias-finais foi preciso pensarem que podia ser campeões do mundo. E agora custa um bocadinho - um bocadinho nobre e bonito mas muito custoso - voltar atrás. Se a esplêndida selecção portuguesa tivesse pensado que bastaria chegar às meias-finais nem tinha ganho ao México e muito menos à Holanda e à Inglaterra.

Foi bonito saber, como ficou sabido e comprovado, que não é assim tão difícil Portugal ser campeão do mundo. O próximo Mundial, em 2010, parece muito mais apetecível por causa disso. É ganhável - como era este. Não se pode subestimar a segurança que o Mundial 2006 trouxe à selecção. Já não se pode falar em sonhos como se fossem delírios. Não: os sonhos agora passaram a objectivos, altamente práticos e alcançáveis. É obra.
Portugal já não é o "outsider" que era nos primeiros dias do mês passado. Por muito que isso custe aos detractores e inimigos (que utilizaram esse estatuto marginal para nos marginalizar ainda mais), a partir de agora Portugal é não só um campeão potencial como um campeão provável.

Tanto crescemos que finalmente ficámos crescidos, adultos, senhores. É bom que os outros senhores do futebol comecem a habituar-se à presença e à ameaça constantes dos novos senhores. Porque os antigos menininhos portugueses, que eram tão giros e que tanto jeitinho davam, desapareceram para sempre.
Este Mundial já está ganho. Que se lixe. Venha outro!
MEC
6/7/2006

Impressão Digital Cereza às 17:48
link do post | Rugir | Adicionar aos Favoritos
|
10 comentários:
De isabel a 7 de Julho de 2006 às 00:23
As palavras não são minhas (óbvio...duh), Mas como o futebol me encanta e as lágrimas me ocorrem de quando em vez (não desta vez), bem como a todos quantos vibram (muito e não foi só desta vez) e jogam no campo (muita vez, menos desta vez).
Desculpa lá Cereza, mas vou ocupar o quadro todo...

Hasta llorar
(...) El fútbol debería dar más que pensar. Pocas cosas hacen que millones de personas salten a la vez de alegría, en los estadios y en sus casas, por algo en lo que de hecho no han tenido participación – un gol – y que en modo alguno va a afectarles, para bien ni para mal, en sus vidas y problemas personales. Quien está en paro lo seguirá estando al día siguiente; a quien ha perdido a un ser querido no va a volverle ese ser; quien se pudre en una cárcel no saldrá de ella por eso; quien vive perseguido o amenazado continuará así; y, de la misma forma, el rico no se arruinará porque su equipo pierda, ni el que acaba de ganar unas elecciones se verá destituido, ni el feliz recién casado asistirá a la destrucción repentina de su matrimonio. Y sin embargo los desdichados se pondrán contentos si su equipo vence (qué digo, darán brincos de júbilo), y los afortunados se pondrán mohínos si es derrotado (qué digo, cuantas lágrimas no habrán visto resbalar los estadios). Es inexplicable, de acuerdo, luego algo misterioso, y respetable por tanto, tiene que haber en el fútbol. Algo que lo asemeja a la literatura, al cine, a la música, que también son capaces de hacer reír, exaltarse, apiadarse, lamentarse, y hasta llorar por historias y personajes y acordes que nada cambian de nuestra realidad, una vez que se cierra el libro o se encienden las luces o se hace el silencio. O quizás es que sí cambian algo, cuando tienen eco, lo mismo que en nuestra retina un inmenso gol sobrenatural.
[Javier Marías, «El misterioso alivio del fútbol», na revista do El País deste domingo]

É arte senhores... talvez!


De WG a 6 de Julho de 2006 às 21:48
Merda de crónica... só disparates de alto abaixo... são tantos que o trabalho de os dissecar a todos dava um comment que nem cabia em 5 vezes os 4300 caracteres de um comentário, pelo que fica para uma próxima...

PS - Sempre se pode dizer merda ou não? Se não puder, foram as últimas 2 vezes que disse. LOL


De cereza a 6 de Julho de 2006 às 23:00
bolas watergod, tu e a "merda"... irra! é a opinão dele, ponto :|

Sabes uma vez perguntei ao figo, (ainda ele estava no barça) se tinhamos alguma hipotese de ganhar algo com a selecção nacional... ele riu-se e disse-me... acha que temos força para isso? não falo no campo, falo fora dele? Pq Portugal não tem "força nenhuma" nas mais altas instancias do futebol mundial. Isto dito por um jogador.. que não diz as coisas á toa!

Quanto a mergulhar, adorei o "mergulho" do thiery que deu origem ao penalty. eu cá dava-lhe um 9.2 !


De [M]orcego a 7 de Julho de 2006 às 00:03
ao nivel das decisoes decisivas como penaltis e afins acho que o arbitro esteve bem.. o que já nao aconteceu ao nivel do jogo corrido...

em relaçao ao texto gostei bastante apesar de algumas opinioes nao coincidirem plenamente com as minhas, mas são "apenas" opinioes e todos temos direito às nossas


De WG a 7 de Julho de 2006 às 15:29
À semelhança do [M]orcego, eu também acho que o árbitro esteve bem nas grandes decisões, apesar de conseguir conceber que algumas pessoas assinalassem penalty no caso do Ronaldo (a minoria, diria), bem como alguns não assinalassem penalty no caso do Henry (também a minoria, ainda mais pequena do que os que assinalariam penalty no caso do Ronaldo).

Da mesma forma que respeito as maiorias, respeito também as minorias, independentemente de a minha opinião pessoal estar, em determinado caso concreto, alinhada pela maioria ou pela minoria.

Quanto ao jogo corrido, nem opino. Não me pareceu péssimo, e um erro ou outro qualquer árbitro comete sempre.


De veinha a 6 de Julho de 2006 às 21:32
nao vi o jogo mas todos dizem ke o arbitro nao marcou nenhuma falta aos franceses e marcou todas as faltas e penalties aos portugueses....

isto do futebol, tal como esta nas entrelinhas do miguel esteves cardoso, esta tudo pre planeado )entre-aspas) - os arbitros arbitram nao segundo o movimento ou o acto do jogador mas segundo um grande conjunto de valores, ideiaas e crenças (incluindo a selecção em que este jogador está incluido).

É por estas e outras razoes que odeio o futebol e so vejo futebol quando é para apoiar a nossa selecçao nos mundiais e nos europeus.

Infelizmente, nos portugueses , tal como o Scholari, jogamos sem estratagemas, sem joguinhos, jogamos justo, limpo, somos honestos. E é isso que nos leva longe mas que nos deixa também a meio....

Deixo aqui umprimentos a todos os membros da selecção e a quem está nos bastidores para a apoioar e claro ao Scholari. (De certeza que não vão ler istomas pronto)


De WG a 6 de Julho de 2006 às 21:54
"Infelizmente, nos portugueses , tal como o Scholari, jogamos sem estratagemas, sem joguinhos, jogamos justo, limpo, somos honestos." => Esta é tão hilariante que nem preciso de explicar porquê.

Se calhar é por causa dos nossos estratagemas habituais, de jogar sujo, de simular faltas e agressões, de fazer faltas e agressões, etc, que às vezes situações como a do pretenso penalty sobre o Cristiano Ronaldo não são assinaladas.
Veja-se o disparate do Postiga a atirar-se para a piscina na área francesa, como excelente exemplo.
Mesmo assim, em relação à situação do Ronaldo, aceito que um árbitro não assinale penalty.
Provavelmente na mesma situação 90% dos árbitros não interpretaria aquele contacto como passível de grande penalidade (e 99% deles se fosse Portugal vs França).


De Safira a 8 de Julho de 2006 às 20:57
WG: LLLOOOOOOOOOLLLLLLLL


De Pataniska a 6 de Julho de 2006 às 21:24
Gosto mto das crónicas do MEC, mas n consegui ler esta....Fiquei a ouvir a musica q me fez companhia mtos quilómetros da minha vida, numa fase menos boa da mesma....daqui a pouco leio...mas tenho q tirar o som a esta treta....


De http://shakermaker.blogs.sapo.pt a 6 de Julho de 2006 às 18:49
Ora viva Cara Cereza...

Bom, eu gosto bastante do MEC, mas nem por isso gostei desta crónica.
Que se lixe, venha outra!

Azar dos portugueses, ou porventura sorte dos franceses.
Mas, afinal, o azar e a sorte não fazem parte do jogo?
Pois, bem me parecia.

Um abraço...
SHAKERMAKER


Ah... Comenta-me

av_fever01.gif

.Urbanidades Recentes

. Aberto: Rui Pedro e Anoré...

. FIM

. Porque eu? porque isto? p...

. Mulher

. Hannibal - Rising

. ...

. Voltaste meu amor...

. Falling

. ...

. Uma brincadeira...

. SuGeStÕeS:

. Pedofilia ou Amor

. coragem!

. Feliz Natal

. Ainda Tango...

. Destaque no sapo: poema d...

. Sonho § Realidade

. Do Flyman

. (...)

. Parabens Lua

av_jml12.gif myarms-yourhearse.gif

.Selvas já Visitadas

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

10MM.gif

.Procura no UJ

 

.Posts Favoritos

. Falling

. Destak

. UJ no DN

. Putas, Prostitutas (os) e...

. Casos Reais: Putas, Prost...

. Maria Madalena: Prostitut...

. "Schindler português"?

. Dedicado ao meu Pai!

. Caso de Vida

. Os BrancosNegros ou Negro...