Sábado, 7 de Janeiro de 2006

Avós Lindos!

Recebi este mail há algum tempo da Safira, e achei uma ternura! Porque será que os avôs são personagens tão maravilhosas? Têm uma paciência para os netos, ( que na maioria das vezes ) nunca tiveram com os filhos. Pessoalmente ADORO os meus avozinhos.




seancon copy.jpg

Artigo ( supostamente) redigido por uma menina de 8 anos e publicado no Jornal do Cartaxo.
Uma delícia!




"Uma Avó é uma mulher que não tem filhos, por isso gosta dos filhos dos
outros.

As Avós nao têm nada para fazer, é só estarem ali.

Quando nos levam a passear, andam devagar e nao pisam as flores bonitas nem as lagartas.

Nunca dizem "Despacha-te!".

Normalmente são gordas, mas mesmo assim conseguem apertar-nos os sapatos.

Sabem sempre que a gente quer mais uma fatia de bolo ou uma fatia maior.

As Avós usam óculos e às vezes até conseguem tirar os dentes.

Quando nos contam historias, nunca saltam bocados e nunca se importam de contar a mesma história várias vezes.

As Avós são as únicas pessoas grandes que têm sempre tempo.

Não são tão fracas como dizem, apesar de morrerem mais vezes do que nós.

Toda a gente deve fazer o possível por ter uma Avó, sobretudo se não tiver televisão."


arena_09 copy.jpg



Impressão Digital Cereza às 00:04
link do post | Rugir | Adicionar aos Favoritos
|
17 comentários:
De Selvagem Anónimo a 7 de Janeiro de 2006 às 02:56
Os nossos avós são sem duvida o melhor que há.. São como se fossem os nossos compaheiros de brincadeira, depois da escola, aqueles com quem sabe bem estar ao anoitecer a ouvir as cavacas a arder no fogão de sala e ouvir histórias deles próprios quando novos, aqueles que nos ensinam a fazer a nossa primeira fisga, e que nos ensinam a fazer a nossa trotinete feita de madeira.. Ainda me lembro do primeiro balouço que o meu avô me fez com tanto carinho, amor e arte sabia de quem serra dois bocados a uma tábua e depois com uma corda faz funcionar um baloiço mesmo ali debaixo da sua alçada, n fosse eu cair e magoar me... Lembro-me como era uma alegria levantar-me com "as galinhas" e com a minha avó e ir dar de comer á bixarada toda, coelhos, porcos, galinhas..Á tarde já vindo das aulas, qual trabalhos de casa, o programa era outro, ir aos ninhos com o meu avô, equanto a minha avó me preparava as chamadas sopas de café (café, pão cortado aos bocadinhos embebido no café e muito açucar louro) hum... Que saudades.. Já só tenho uma avó, de ke Amo muito.. Deixo aqui esta homenagem sentida aos que já me deixaram, e claro que continuo a ama-los claro com muita saudade...P-U-D-I-M
</a>
(mailto:luistefe@msn.com)


De Selvagem Anónimo a 7 de Janeiro de 2006 às 10:58
As recordações são tantas....Desde o aconchego na cama com lençois de linho,ao pão com manteiga e açucar,os contos de fadas,os contos de vida,as brincadeiras na quinta,o subir arvores,os poços,os banhos nos tanques,o verão,as romãs,os pinhões,a lareira,o perú bebado,os fritos...o sotão,os baús,os trapos velhos,os teatros,os primos....ahhh e a valsa,dançada com o meu avô!!Que saudades....marta
</a>
(mailto:martax_30@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 7 de Janeiro de 2006 às 12:45
Realemnte o texto está uma ternura. Eu amo a minha avó... ela é gordinha, e grande, usa uns oculos maiores que o necessário e faz croché com muito amor. à noite, quando chego do trabalho prepara-me o jantar que eu mais gosto com todo o seu amor em cada preparo. Jantamos, fala-me do dia que passou e eu falo do meu. É tão bom ter uma avó e poder partilhar com ela tudo o que faço. Adoro beber a cevada que só ela sabe fazer, acompanhada com o pão com manteiga. A minha avó sem duvida que é a melhor avó do mundo :D é doce, ternurenta e tem um coração enorme, pronto para acolher quem quer que seja, um beijo grande para todas as avós!! devil_girl
(http://..)
(mailto:joana.patrici@sapo.pt)


De Selvagem Anónimo a 7 de Janeiro de 2006 às 13:34
Uma avó é como um livro,que conta muitas historias.Algumas com medo,outras que nos divertem.
Uma avó é como uma casa que abriga muita gente.
Uma avó é um anjo que nos guia dizendo o que esta certo ou errado ( nos as x é que não os ouvimos).
Enfim uma avó é tudo que podemos imaginar.É uma benção de deus nos quis dar :))felizes os que anida podem beijar os avos eu so posso beijar uma avo mas os outros tres estam presentes todos os dias meu coração bjss para todos os AVÓS leitora assidua do vosso bkog-DOXEDIABA
</a>
(mailto:doxediaba@sapo.pt)


De Selvagem Anónimo a 7 de Janeiro de 2006 às 14:02
E viva as avós! São as maiores heroinas que o tempo já conheceu!Suicidal_kota
</a>
(mailto:cromokamikaze@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 7 de Janeiro de 2006 às 15:09
Recordar as avós é viajar no tempo...é nostalgia das histórias contadas à lareira, é saudade da inocência perdida...Adorava passar as férias de verão no monte da minha avó materna. Era a matança do porco, o subir às ávores, o prazer da liberdade q não tinha no apartamento em q vivia em Lisboa. Era andar à vontade sem me preocupar em sujar a roupa.. Era aprender a fazer pão, fazer doce de tomate, e como gostava de ir à horta apanhar os legumes para a salada...Regar as flores junto ao poço, beber água da fonte...Nas noites de verão...era deitar-me na mó do moinho abandonada, à espera de ver uma estrela cadente para pedir um desejo...Que saudades...PatanisKa
</a>
(mailto:sissacc@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 7 de Janeiro de 2006 às 15:10
Poucas recordações tenho dos meus avós, encontrava-me em África e eles no Continente... aos 5 anos de idade lembro-me de vir ao Continente onde conheci minha avó materna... tudo o que tenho a dizer era uma ternura... mas vejo a minha mãe como avó dos meus filhos e sobrinhos... que ternura de avó e com 84 anos toma conta de minha sobrinha com 8 anos de idade.
E como muitos de vós sabem do problema (sobrinha)...Não há palavras para descrevêr... Um beijo para todos os Avós do Mundo...Eu quero ser avó e mainada!!!!!!!!!!!!lua_de_Avalon
</a>
(mailto:ermelinda_1955@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 7 de Janeiro de 2006 às 16:30
Eu tive as duas espécies de avós, a ternurenta de oculos e cores rosadas, que nos encobria tudo, e a mazinha que fazia queixas ao meu pai e ainda dizia p me bater pq eu riscava as paredes.
Mas relembro ambas com carinho e tenho muitas saudade dos 4. Sem duvida que este texto está um mimo.blocas
</a>
(mailto:blocas@blo.com)


De Selvagem Anónimo a 7 de Janeiro de 2006 às 16:54
Diz-se de Picasso que pintava como um miudo de 4 ou 5 anos. Apesar de nao ser o meu estilo de pintura, penso que a genialidade dos adultos passa por manter o espirito que esta menina de 8 anos demonstra ao escrever sobre os avos. Realmente sao as criancas na sua inocencia, que melhor falam, e transmitem da maneira mais pura, as ideias das coisas. Quem a partir de determinada fase consegue fazer descricoes desta simplicidade? ///// Tenho recordacoes fantasticas dos meus avos, que eram potenciadas no Verao por altura das ferias grandes, pelas duas ou tres semanas que de bom grado ia passar com os meus avos paternos ah Beira Baixa, seguidas de igual periodo na zona das Caldas da Rainha. Tinha sempre coisas a aprender com eles. Para mim era como um curso extra-curricular, e hoje considero que foi fundamental na minha formacao como pessoa, ajudando a descobrir novas mentalidades e realidades qe de outro modo nunca conheceria tao profundamente. Depois eram tambem as experiencias que soh com eles seriam possiveis, como conduzir uma carroca(ss), semear, plantar, regar, ver crescer, colher, debulhar, deitar abaixo muros dos vizinhos com a carroca(ss), ir passear as cabras, ver um ceu estrelado que soh os sitios sem luz electrica permitem, as noites de lua cheia que iluminavam tudo, os sons dos grilos e das cigarras, o cheiro dos colchoes de palha, as velas, os candeeiros a petroleo, as brincadeiras com os novos amigos, miudos de aldeia descalcos(ss) e de roupas rotas e felizes, para quem o mundo ficava-se pela vila menos distante, a poeirada da estrada de buracos de terra (e nao de terra batida), o chocalhar da carroca(ss), as viagens dentro dos cestos de verga do burro, as esfoladelas das brincadeiras, os jogos da malha (hoje impensaveis a menores de 15 ou 16 anos, pelo risco de levar com um disco de ferro na tola...)... Tive os meus avos todos ate ser pai. Consegui realizar o desejo de todos conhecerem a minha filha. Depois, quase de repente, foram saindo daqui. Gosto de pensar que ainda hoje estao comigo. Lembro-me muitas vezes deles. Com saudade e admiracao. Afinal foram eles que tambem me ajudaram a crescer. Uma flor para todos os avos que sabem cuidar e "estragar" os netos ate ah exaustao.flyman
</a>
(mailto:flyman_pegasus@msn.com)


De Selvagem Anónimo a 7 de Janeiro de 2006 às 16:59
Estes teclados dao cabo de mim!... Tulipas da Holanda para todos!flyman
</a>
(mailto:flyman_pegasus@msn.com)


Ah... Comenta-me