Sexta-feira, 10 de Março de 2006

Huanted!

Ora aí está algo que faltava no blog... uma história fantasmagórica. A experiencia é da Queen





ring.gif




Estive a pensar se escreveria este texto ou não e se sim, como o fazer... e mesmo assim, corro o risco de ser considerada maluca. (Mais ainda!) :)
Vá, fora de brincadeiras... este é um assunto como muitos outros, sobre algo que é falado desde tempos remotos, com mais ou menos importância; isto, dependendo de quem leva a sério, ou não.
Então, cá vai...



No mês passado, uma grande amiga minha combinou comigo uma ida a Coimbra por 3 dias, não só com o intuíto de uma pequena mudança de ares, como fazendo também parte de um projecto para ganharmos um dinheirito extra. Consistia em irmos para uma casa antiga, desabitada há 9 anos, situada na zona histórica, para darmos uma limpeza, abrir janelas, dar um arzinho habitado.
A casa tem cinco pisos e estava, obviamente, coberta de pó e cheirava imenso a bafio. A dona da casa, uma pessoa já de idade avançada, tenciona pô-la à venda brevemente, daí querer que lhe déssemos uma “desempoeirada” geral. Até aqui tudo bem. A zona era gira, sossegada, com mais prédios antigos e recuperados à volta, um cafézinho simpático e uma vez descendo a rua e passando pelas arcadas, estavamos no meio de todo o tipo de comércio local e ruas simpáticas.



No 1º dia chegamos já ao anoitecer, estivemos a dar uma olhadela geral, não só para nos familiarizarmos com a casa e ver o que seria necessário em relação às limpezas, como para escolhermos um quarto onde “acampar”. Resolvemos ficar com o da dona da casa, por ser mais amplo e menos atravancado de móveis.
Já nessa altura, havia uma sensação de que talvez a casa não estivesse assim tão desabitada...



Começamos por limpar a casa de banho e a arrecadação ao lado e, a seguir, fomos dar uma voltinha e escolher um restaurante para jantar. A seguir, fomos para casa dormir, pois tínhamos muito que fazer no dia seguinte. A minha amiga adormeceu primeiro e eu mantive-me acordada bastante tempo, não só porque estranhava a cama, mas também tinha a sensação de que não estavamos sozinhas ali dentro. Acabei por conseguir adormecer, mas não foi propriamente um sono repousante.



No dia seguinte, pegamos na tralha e resolvemos começar pelo último andar, o sotão. Para a tarefa ser menos monótona, levei também o leitor de CD’s portátil, as colunas que havia comprado no fim-de-semana anterior e dois CD’s de Depeche Mode. Pousei aquilo em cima de um móvel, liguei e dei então início à limpeza. A primeira canção decorreu bem, mas a partir da segunda, aquilo começou a dar problemas, género encravar a meio, ou saltar faixas, até acabar por se silenciar. Fui ver o que se passava. O CD não estava riscado ou algo do género, as pilhas eram novas, o equipamento também e tinha funcionado tão bem durante a viagem, que não percebi o que se passava. Voltei a ligar aquilo e desta vez, desatou a dar problemas logo na primeira canção, outra vez a encravar, a dar sinais de ir avariar e acabou por se “calar” sozinho. Eu já resmungava, porque aparentemente, estava tudo bem e não entendia o que estava a acontecer. Acabei por desistir. Mais tarde, fiz a experiência de usar o leitor fora da casa e este funcionou bem... o que me fez pensar que a entidade não tinha os mesmos gostos musicais...!



Ao fim da tarde, entramos no quarto do 3º piso, acendemos a luz... e notamos variações de temperatura lá dentro, a luz a tremelicar e a faíscar de vez em quando e a nítida sensação de que não estavamos sós. Chegamos a considerar que era ali o foco principal. Era incómodo, ao ponto de começarmos a trocar impressões, coisa que havíamos evitado um pouco desde que tínhamos chegado à casa. A minha amiga, muito calma, disse: “Acho que este era o quarto dos sogros da dona da casa. Provavelmente, o que aqui anda deve ser a sogra dela, um tanto contrariada por estarmos a invadir o quarto. Coisa que acho natural, porque também eu me chatearia se visse pessoas no meu quarto a mexer nas minhas coisas...”



Ah, devo esclarecer que tanto a minha amiga e eu somos sensitivas, embora a percepção de cada uma seja diferente da outra.
A cena que mais me impressionou foi à noite, na altura em que estavamos a descansar no quarto por baixo desse. Estavamos a conversar e a aquecer os pés no aquecedor, quando de repente, ouvimos o som de passos no quarto de cima. Olhei para cima, num misto de espanto e impressão (senti os pêlos da nuca a arrepiar) e nisto, a minha amiga disse: “Ainda bem que estás aqui para comprovar isto. É que houve uma altura em que foste lá abaixo à cozinha e ouvi os passos lá em cima. Se não soubesse que estavas lá embaixo, pensaria que andarias por ali.”
Ao contrário do que se vê nos filmes, nenhuma mostrou interesse em ir lá acima ver o que se passava. Passou-me pela cabeça agarrar na máquina fotográfica e ir tentar a sorte, mas a coragem falhou-me. Ainda comentei: “Sabes, uma coisa é ver estas cenas nos filmes, outra, ao vivo... isto faz-me impressão. É a primeira vez que passo por uma destas...”



Nessa mesma noite, também me vi doida para adormecer, porque a sensação de uma presença a mais estava um pouco mais forte, embora, felizmente, não ficasse por muito tempo. No dia seguinte, ainda consegui dar um tom de brincadeira, ao dizer “Olha, tivemos uma visita aqui no quarto, já tu dormias...”
A resposta foi: “Pois, é natural que tenha vindo.”
Ao fim de um tempo, fui-me habituando àquilo, pois, das duas, uma: ou andaria impressionada os dias todos, ou passaria a encarar a sensação como se de algo normal se tratasse.



Como é meu costume fazer, por acaso.





ghost2 copy.jpg


Queen_Akasha









Impressão Digital Cereza às 01:08
link do post | Rugir | Adicionar aos Favoritos
|
16 comentários:
De Selvagem Anónimo a 10 de Março de 2006 às 09:27
AIIIIIIIIIIIIIIIIIII... Eu sinceramente tenho um medo tremendo destas coisas, acredito e respeito. Quando o meu avô faleceu (vivia comigo) tinha medo de estar em casa, sentia a presença dele assim como ouvias os seus passos no chão, esse medo foi passando mas ainda hoje receio todo o tipo de coisas que possam acontecer em relação a isso.DEvilGirl
(http://..)
(mailto:joana.patrici@sapo.pt)


De Selvagem Anónimo a 10 de Março de 2006 às 11:31
Queen, eu nao sei s acredito nisso ou nao (mas a verdade é k desde k a minha mae faleceu ja fez 2 anos eu kd tou sozinho em casa, acendo as luzes tds), em relacao à tua experiencia podias ter experimentado outro genero musical, para ver que genero de musica a entidade gostava (tinha curiosidade em saber isso)...
E klaro k devia ser a sogra (so as mulheres é k nao gostam de ver outras mulheres no seu quarto, PORQUE SERÁ??????)

beijinhos, pa ti e pa tds.....


P.S- É por estas e por outras k um homem faz falta :))) LOLSolDourado
</a>
(mailto:soldourado25@gmail.com)


De Selvagem Anónimo a 10 de Março de 2006 às 13:13
A respeito deste tipo de fenómenos, sou do tipo "eu cá e eles lá". Respeito e não me detenho a pensar muito no assunto, ou quando penso procuro uma explicação racional, que na maior parte das vezes até existe.
Já me interessei mais pelos ditos fenómenos paranormais, li algumas coisas acerca do assunto, principalmente na área da Telepatia, Telecinésia, Xenoglossia, Zoometarquia e Percepção extra-sensorial.
Esta ultima (PES) sobretudo, suscito-me mais interesse, isto porque na minha família sempre se constou que as mulheres do clã tinham faculdades extra-sensoriais acentuadas.
Por exemplo é certo e sabido que quando a mãe diz: "acordei com um nó na garganta algo de ruim vai acontecer", vem por aí noticia má e sempre em relação a familiares ou pessoas que nos são mto próximas.
Eu cá por mim prefiro aquilo que o racional pode explicar :))Tex
</a>
(mailto:texazinha@iol.pt)


De Selvagem Anónimo a 10 de Março de 2006 às 14:22
Pois, quanto à Percepção extra-sensorial eu acredito, mas o resto... Talvez tenha de apanhar um grande susto! Mas que experiência tu tiveste, Queen! A parte da sogra é que pronto... também podia ser o sogro!! ;)vanessa
</a>
(mailto:mina_aeternus@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 10 de Março de 2006 às 17:03
Esqueci de dizer que, em certas avantesmas (aliás abantesmas), eu acredito...vejo uma aqui no escritório todo os dias lolol
Cuidado qu'elas "andem" aí!lololTex
</a>
(mailto:texazinha@iol.pt)


De Selvagem Anónimo a 10 de Março de 2006 às 18:53
Este é sempre um assunto que impõe algum respeito, que nunca sei o que pensar. Tudo o que tem a ver com o "oculto" deixa-me com algum receio e respeito. Nunca seria capaz de fazer o que a Queen fez... até podia arranjar uma explicação logica/cientifica... mas fico sempre a pensar, mas haverá sempre explicação para tudo o que se passa, e não entendemos? E o mais engraçado, é que por 3 vezes, em alturas diferentes da minha vida, 3 pessoas diferentes, disseram-me que tinha "poderes mediunicos", seja lá o que isso for. Se os tenho não sei, nem quero saber... alias nem quero pensar no assunto, que me deixa nervosa. cereza
</a>
(mailto:lis_tv@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 11 de Março de 2006 às 00:19
Eu gosto de saber mais sobre estes assuntos, e como diz a minha querida avó: "deus destinou a noite para o que não pode andar de dia". E acredito em cada história que ela me conta sobre isso, gosto que ela me conte esse tipo de coisas, mas a verdade é que na hora de ir dormir tapo-me e deixo somente o nariz de fora para poder respirar :) Às vezes acontecem coisas estranhas cá em casa, coisas que por vezes gosto de pensar que são fruto da minha imaginação, mas na verdade não acho que sejam. DevilGirl
(http://..)
(mailto:joana.patrici@sapo.pt)


De Selvagem Anónimo a 11 de Março de 2006 às 06:21
Quando me enterram em cada sepultura, aquelas mãos que se agarram a mim num receio de não mais sentir. Tecem-me teias na boca cerrada, toldado pelo tempo, Espetando o corpo em qualquer beco, espezinhando canteiros, escavo com as mãos, Não me apetecia dizer que sim mas o Não sabe-me a pouco. Poucou a pouco desenterro-me. É tarde... não compreendo, nem sei o que escrevo, onde? Esgravato nas tábuas armado em caruncho , os nomes cravados a ferro quente. Embora me seja familiar, a madrugada acaba. Mudamos de música, sim? Torna-se dia num instante, voltemos para os armários, para sitios esquecidos. Estes que nos atormentam de dia, persistem em comprovar uma causa que lhes é alheia. Deixem-me dormir apenas...Marco Neves
</a>
(mailto:megabife@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 11 de Março de 2006 às 06:27
E enquanto não adormeço vou sentindo inúmeras mãos que me cercam, que me tocam... que inveja.Marco Neves
</a>
(mailto:megabife@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 11 de Março de 2006 às 12:04
"Yo no creo en brujas, pero que las hay, las hay!" Aceitação? Respeito? Ou puro medo?Dríade
</a>
(mailto:paulino_correia@hotmail.com)


Ah... Comenta-me