37 comentários:
De Selvagem Anónimo a 27 de Dezembro de 2005 às 08:37
Ora ai está uma coisa bonita, QUANDO.
Quando toda a gente entender que andamos todos ao mesmo, as coisas serão de certeza bem mais simples.
Quando toda a gente perceber que uma das coisas fundamentais na vida é amar e ser amado de certeza este mundo será bem melhor.
Quando toda a gente perceber que não interessa a cor da pele, o credo, o tamanho da conta bancária, o sermos mais ou menos inteligentes, etc etc talvez se acabe com a estupidez que grassa neste mundo.
Quando toda a gente perceber que a nossa liberdade acaba onde começa a dos outros, talvez nos respeitaremos mais uns aos outros.
Para cimentar-mos estes QUANDOS todos e mais uns quantos que aqui não disse o melhor é mesmo, tentar escreve-los aqui neste cantinho á beira mar plantado pode ser que alguem nos oiço e compreenda, basta um apenas um para que este mundo seja melhor.... Carlos Murat
</a>
(mailto:carlos.murat@clix.pt)


De Selvagem Anónimo a 27 de Dezembro de 2005 às 09:51
O texto está lindo mas este video prendeu toda a minha atenção, esta musica para mim, é assim algo que não sei explicar. A letra traz-me recordações e uma lagrima aos olhos. Muito bom o gosto de quem escolheu este video.blocas
</a>
(mailto:blocas@blo.com)


De Selvagem Anónimo a 27 de Dezembro de 2005 às 10:18
Quando acordo e leio um texto tão lindo como este....Quando ao mesmo tempo oiço esta musica....Quando depois veijo este video...Quando me comovo assim como agora...Quando fico assim sem palavas...//Simplesmente LINDO.
Há muito tempo q não lia uma coisa tão bonita. Deve ser tão bom conseguirmos por no papel aquilo q nos vais na alma...Parabéns Marco Neves e mais uma vez obrigada Cereza por este lindo momento "blografico".PatanisKa
</a>
(mailto:Sissacc@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 27 de Dezembro de 2005 às 10:43
.......LINDO!!!Simplesmente lindoooo.Um beijo pa ti Marcoooooooomarta
</a>
(mailto:martax_@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 27 de Dezembro de 2005 às 10:52
Quando...
Quando eu te apanhar a jeito Marco...aiiiiiiiiiiiiiiii :))Tex
</a>
(mailto:texazinha@iol.pt)


De Selvagem Anónimo a 27 de Dezembro de 2005 às 11:42
É um texto diferente, mas gostei... Marco, "Quando" puderes escreve mais... :)Criador_Sonhos
(http://criadorsonhos.blogspot.com)
(mailto:criadorsonhos@gmail.com)


De Selvagem Anónimo a 27 de Dezembro de 2005 às 11:49
Entrega-te…mas não me dês nada...
Inunda-me com uma necessidade infinita…de sentir-me tua, de sentir-te meu...
Dá-me um instante que dure para sempre.
Mata-me de paixão com um beijo!
Tex
</a>
(mailto:texazinha@iol.pt)


De Selvagem Anónimo a 27 de Dezembro de 2005 às 11:59
Sinto saudades do dia em que nunca nos encontramos.
Sim, daquele em que não nos vimos pela primeira vez.
Desse em que nunca te tive.
Daquele em que não falaste o que eu queria ouvir.
De nossa primeira noite que jamais houve, quando deixamos de
conhecer-nos biblicamente até o desmaio.
Tenho sede da noite em que nem começamos a beber-nos.
Sinto fome dos momentos em que não estávamos um no outro, devorando-nos
gota a gota.
Poderia desenhar nos mínimos detalhes tudo o que não aconteceu.
O amor que não explodiu; o desejo que não cristalizou; todo esse nada
que não vivemos tão intensamente separados.
É uma saudade tão grande!...
Uma saudade como se nunca tivesse acontecido.
Como este afago que não te mando, e que ainda assim, nunca o receberás.
Carlos
(http://vagueando.blogs.sapo.pt/)
(mailto:c_m_a_n_u_e_l@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 27 de Dezembro de 2005 às 12:50
Tão somente dizer-te que...Marco Neves
</a>
(mailto:megabife@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 27 de Dezembro de 2005 às 12:50
Tão somente dizer-te que...Marco Neves
</a>
(mailto:megabife@hotmail.com)


Ah... Comenta-me