Segunda-feira, 19 de Dezembro de 2005

Queremos a sua voz, não o seu dinheiro!

Estes homens e estas mulheres têm feito mais pela pobreza no mundo, que os todos os politicos mundiais metidos num saco!


bono.jpg Bob-Geldof-sm-7 copy.jpg


Sir Bob Geldof (mais conhecido pelo “homem que nasceu para mudar o mundo”) e Bono (vocalista dos U2) têm sido a face mais “distinta” da “Make Poverty History” (Faz com que a pobreza passe à história), uma organização que tem como objectivo obrigar os líderes do G-8 (G-7 mais Rússia) a tomar medidas drásticas para reduzir as diferenças de desenvolvimento no mundo – tendo o continente africano como alvo principal.


É deveras interessante perceber como estas caras ( que vemos nos videos, na tv, no cinema, nos palcos ) não precisam comandar nenhum país, nem nenhum lobby , para alertar a opinião publica de maneira tão energica para a miséria instalada em certos paises do mundo.


A credibilidade deles, tem gerado uma onda de solidariedade extraoridinaria e quase impensavel. Basta ver o sucesso que foi o Live 8! Os números mostram a grandeza do evento: 10 concertos, com cerca de 100 artistas... a que terão assistido nos locais ou pela telvisão e rádio ou pela Internet uns estimados 5,5 mil milhões de pessoas em 140 países, o que equivale a 85% da população mundial. O objectivo? Segundo Geldof : “Fazer com que esses oito homens, se reúnam numa sala para impedir que 30 mil crianças morram todos os dias vítimas da pobreza extrema”.


http://www.makepovertyhistory.org/video/


Aqui pode encontrar os videos do Make Poverty History... “click” foi o último a ser feito, e conta com a presença da Brad Pitt, Kate Moss, J.Timberlake, Bono... uma série de grandes estrelas.
Ou seja, um click no vosso PC pode ajudar a pressionar os lideres do mundo a ajudarem os mais desfavorecidos.Por isso aceitem a minha sugestão e vão ao site da organização humanitária MPH em www.makepovertyhistory.org


Leiam as noticias, vejam os videos e juntem-se ás estrelas no combate contra a pobreza!

Tal como eles dizem “Queremos a sua voz, não o seu dinheiro”



Impressão Digital Cereza às 00:13
link do post | Rugir | Adicionar aos Favoritos
|
18 comentários:
De reginaldo a 14 de Dezembro de 2014 às 22:44
me esqueci só de uma coisa, nunca seremos um país de verdade enquanto não formos uma nação de verdade


De reginaldo a 14 de Dezembro de 2014 às 22:31
bom!soou uma pessoa comum e vejo pessoas comentando atitudes de estrelas internacionais em favor do fim da pobreza na africa , acho legal esse tipo de atitude para ajudar a combater a fome, pelo que vi aqui são brasileiros comentando a atitude de pessoas e lugares que no momento nem me intereção , não porque não me importo, mas no meu país morrem crianças por desnutrição, por falta de saude , por falta de esgoto, fora nossos adolescentes que estão se perdendo para o crime, para as drogas, nosso país esta uma verdadeira zona, aqui nossos intelectuais, nossos artistas, nossa midia e nossa sociedade desorganizada e desunida, tinham que toma vergonha na cara e tomar uma atitude, vejam este caso da petrobras , o doleiro que lavou 50 bi , que ganhou mais ou menos 8 bi só para lavar sera condenado a no máximo 3 anos, 3 anos, como pode uma pessoa que ajudou a roubar 50 bi pode pega só isso de pena?agora pensem comigo...quanta pobreza esse tipo de bandido gera para uma nação, tem mais, me corrijam se eu estiver errado, pena de tres anos no brasil é trabalho comunitario ou cesta básica, vou confessar uma coisa, se fosse um juiz, teria vergonha de julgar esse tipo de processo, só para concluir, nós aqui no brasil temos que nos definir como nação, até quando vamos discutir o que fulano fez de bom, ou que ciclano deixou de fazer, temos que fazer por nós, temos que fazer leis que sirvam para por bandidos comuns e de colarinho branco acabem na cadeia e que quando forem condenados que a pena seja severa, sabe na minha humilde opinião é a maior mentira do brasil ?aquela estatua em brasilia na frente do STF , esta com uma venda, não preciso dizer o significado, voce concorda?acha que a justiça no brasil não faz distinção de classe social?de poder financeiro?como pode um cara como paulo maluf , que é considerado foragido da interpol , vive no brasil tranquilamente?o cara é condenado por lavagem de dinheiro, evasão de divisas e mais nem sei mais o que, se ele puser o pé fora do país é preso, esse dinheiro para piorar é nosso, foi o dinheiro que roubou de nós e a justiça brasileira ainda o protege, para concluir gostaria de temas nacionais, estou nem ai para artista global fazendo caridade, nossos atistas e nossa midia que tinha que toma vergonha na cara e fazer movimentos aqui no brasil para combatermos a corrupção, temos que mudar nossa constituição, temos que mudar como sociedade, té


De reginaldo a 14 de Dezembro de 2014 às 22:23
bom!soou uma pessoa comum e vejo pessoas comentando atitudes de estrelas internacionais em favor do fim da pobreza na africa, acho legal esse tipo de atitude para ajudar a combater a fome, pelo que vi aqui são brasileiros comentando a atitude de pessoas e lugares que no momento nem me intereção, não porque não me importo, mas no meu país morrem crianças por desnutrição, por falta de saude, por falta de esgoto, fora nossos adolescentes que estão se perdendo para o crime, para as drogas, nosso país esta uma verdadeira zona, aqui nossos intelectuais, nossos artistas, nossa midia e nossa sociedade desorganizada e desunida, tinham que toma vergonha na cara e tomar uma atitude, vejam este caso da petrobras, o doleiro que lavou 50 bi, que ganhou mais ou menos 8 bi só para lavar sera condenado a no máximo 3 anos, 3 anos, como pode uma pessoa que ajudou a roubar 50 bi pode pega só isso de pena?agora pensem comigo...quanta pobreza esse tipo de bandido gera para uma nação, tem mais, me corrijam se eu estiver errado, pena de tres anos no brasil é trabalho comunitario ou cesta básica, vou confessar uma coisa, se fosse um juiz, teria vergonha de julgar esse tipo de processo, só para concluir, nós aqui no brasil temos que nos definir como nação, até quando vamos discutir o que fulano fez de bom, ou que ciclano deixou de fazer, temos que fazer por nós, temos que fazer leis que sirvam para por bandidos comuns e de colarinho branco acabem na cadeia e que quando forem condenados que a pena seja severa, sabe na minha humilde opinião é a maior mentira do brasil?aquela estatua em brasilia na frente do STF, esta com uma venda, não preciso dizer o significado, voce concorda?acha que a justiça no brasil não faz distinção de classe social?de poder financeiro?como pode um cara como paulo maluf, que é considerado foragido da interpol, vive no brasil tranquilamente?o cara é condenado por lavagem de dinheiro, evasão de divisas e mais nem sei mais o que, se ele puser o pé fora do país é preso, esse dinheiro para piorar é nosso, foi o dinheiro que roubou de nós e a justiça brasileira ainda o protege, para concluir gostaria de temas nacionais, estou nem ai para artista global fazendo caridade, nossos atistas e nossa midia que tinha que toma vergonha na cara e fazer movimentos aqui no brasil para combatermos a corrupção, temos que mudar nossa constituição, temos que mudar como sociedade, té


De Selvagem Anónimo a 19 de Dezembro de 2005 às 07:57
Eu acho que são pessoas como Bob Geldof e Bono que mostram que nem sempre a fama e o dinheiro sobe à cabeça, preocupam-se em partilhar e ajudar todos aqueles que realmente necessitam. Acho que cada vez mais é preciso que estes artistas, cantores, actores, jogadores, etc, usem as suas fortunas para dar um pouco, que para nós é muito, aqueles que mais precisam. Talvez as coisas melhorem, já que os governantes, politicos e outros membros importantes do mundo nada fazem.devil_girl
(http://..)
(mailto:joana.patrici@sapo.pt)


De Selvagem Anónimo a 19 de Dezembro de 2005 às 10:59
"A 13 de Julho de 1985, simultaneamente em Londres e Filadélfia, Bob Geldolf, na companhia de uma impressionante e mediática tribuna de artistas, deu início ao maior espectáculo musical da época, o Live Aid, concerto que pretendeu centrar na agenda política internacional e na consciência da opinião pública mundial, preocupação maior, perante um dos principais flagelos do mundo, a fome, em particular no continente africano, tão escandalosas eram as assimetrias sociais contrastadas com os países desenvolvidos.
‘Feed the world’ foi o lema, a fraternidade e a solidariedade o denominador comum, imperativos tão afastados dos corredores do poder.
Eis que quase vinte anos volvidos, a mais emblemática canção “Do They Know It's Christmas?” voltou aos top’s internacionais, com acordes musicais de cara lavada por um Bob Geldof de rosto enrugado, acompanhado pelos mais mediáticos intérpretes musicais da altura e da actualidade, alguns dos quais, com fortunas pessoais maiores que os PIB’s de alguns países africanos...
A reedição à escala mundial do concerto pretendeu alcançar uma dupla finalidade: celebrar as duas décadas passadas sobre o primeiro trabalho e, continuar a promover, com os mais firmes propósitos humanitários, a sensibilização dos governos, das organizações humanitárias e das não governamentais, bem como dos interesses privados em geral.
Mas afinal, além da melodia, o que é que pode ser celebrado? Quais os avanços verificados na duas últimas décadas que nos permitam encarar os próximos anos com alguma confiança? Um único, mas mortífero dado estatístico põe a descoberto a situação: em cada ano morrem mais de quarenta milhões de pessoas de fome (sem contabilizar a mortalidade decorrente das doenças derivadas) e mais de metade são crianças, o que corresponde ao extermínio anual do quadruplo da população portuguesa e permite continuar a afirmar de forma tenebrosa que a fome mata mais do que a guerra!
Vivemos numa espécie de embuste social, com dupla realidade, escamoteamos problemas nucleares e cada vez mais nos deixamos inebriar pelo verdadeiro mito em que se transformou o maior ícone da modernização, a Sociedade da Informação que teima em não se transformar na “Sociedade da Alimentação” para um assustador número de habitantes do planeta." (In. Reinventar a Matrix, Reginaldo Almeida)
bonecarussa
</a>
(mailto:bonecarussa@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 19 de Dezembro de 2005 às 11:11
Desculpem... O texto abaixo é um excerto do artigo Reinventar a Matrix, incluido no livro O Voo da Borboleta: Crónicas da Sociedade da Informação (Reginaldo Almeida, Edição Média XXI). Não posso deixar de o recomendar principalmente num espaço como este, onde a atenção está sempre virada para problemas sociais. bonecarussa
</a>
(mailto:bonecarussa@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 19 de Dezembro de 2005 às 11:38
E para que deixar um comantario a concordar com tudo??? Vou mas é para www.makepovertyhistory.org ver se me torno numa pessoa um bocadinho mais util!!! Veijocas!nita_
(http://gaivotinha.blogspot.com)
(mailto:pulguina_9@msn.com)


De Selvagem Anónimo a 19 de Dezembro de 2005 às 14:12
Também nós podemos e devemos fazer algo!

:)Tex
</a>
(mailto:texazinha@iol.pt)


De Selvagem Anónimo a 19 de Dezembro de 2005 às 16:28
Sim senhor realmente dois "SENHORES" com uma atitude de louvar e até mesmo um exemplo a seguir por outras personalidades.. Pena serem poucas as celebridades que se lembram de problemas tão graves, como a pobresa, a fome, a violencia.. Estão de parabéns sim senhor.. Sempre tive uma grande ademiração plo senhor Bob Geldof desde ke entrou no filme dos pink floyd, e plo bono plos nossos conhecidos U2, mas mas atitudes como estas só me levam mais uma vez a tirar o chapeu...Aos dois um grande Bem Haja!!P-U-D-I-M
</a>
(mailto:luistefe@sn.com)


De Selvagem Anónimo a 19 de Dezembro de 2005 às 17:43
Pergunto eu: é preciso alertar contra a fome no mundo? O cenário de cegos criado por José Saramago afinal existe mesmo! Shakespeare escreveu isto há quase 500 anos:
"Depois de algum tempo você aprende a diferença entre dar a mão e acorrentar a alma. E você aprende que amar não significa apoiar - se, e que companhia nem sempre significa segurança. E começa aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas. E começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança. E aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem costume de cair em meio ao vão. E aprende que não importa o quanto você se importe, algumas pessoas não se importam. E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri - lo de vez em quando e você precisa perdoá-la por isso. Aprende que falar pode aliviar dores emocionais. Descobre que se leva anos para construir confiança e apenas segundos para destruí - la, e que você pode fazer coisas em um instante, das quais se arrependerá pelo resto da vida. Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo apesar de longas distâncias. E o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida. E que bons amigos são a família que nos permitem escolher. Aprende que não temos que mudar de amigos se compreendermos que os amigos mudam, percebe que seu melhor amigo e você podem fazer alguma coisa, ou nada, e ter bons momentos juntos. Começa a aprender que não deve se comparar aos outros, mas com o melhor que você pode ser. Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que se quer ser, e o tempo é curto. Aprende que não importa aonde já chegou, mas onde está indo, mas se você não sabe para onde está indo, qualquer lugar serve. Aprende que ou você controla seus atos ou eles o controlarão, e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter responsabilidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados. Aprende que maturidade tem mais haver com os tipos de experiência que se teve e o que você aprendeu com elas do que com quantos aniversários você celebrou. Aprende que há mais dos seus pais em você do que você supunha. Aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens, poucas coisas são tão humilhantes e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso. Aprende que quando está com raiva tem o direito de estar com raiva, mas isso não lhe dá o direito de ser cruel. Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame não significa que esse alguém não o ama com tudo que pode, pois existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem demonstrar ou viver isso. Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém, algumas vezes você tem que aprender a perdoar - se. Aprende que com a mesma severidade com que julga, você será em algum momento condenado. Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára para que você conserte. Aprende que o tempo não é algo que possa voltar para trás. E você aprende que realmente pode suportar, que realmente é forte e que pode ir muito mais longe depois de pensar que não se pode mais. E que realmente a vida tem valor e que você tem valor diante da vida. Nossas dádivas são traidoras e nos fazem perder o bem que poderíamos conquistar, se não fosse o medo de tentar."

SHAKESPEARE (1564 - 1616)
luadourada--
</a>
(mailto:ermelinda_1955@hotmail.com)


Ah... Comenta-me