Sábado, 29 de Abril de 2006

Há dias assim… I

 

Há dias assim...


Olhar para trás e nada ver…
Sonhar com o futuro por dizer…
Viver na sombra do querer…
Estar apenas para esquecer…
Sentir as lágrimas a correr…
Fugir de mim para te ter….

Pataniska


Impressão Digital Cereza às 00:01
link do post | Rugir | "Ouvir" Rugidos (10) | Adicionar aos Favoritos
|
Quinta-feira, 27 de Abril de 2006

Olhar...

Um fugaz olhar
«Olá…», respondes-me
Olhamos para o chão
Gestos comprometedores
Agarro-te na mão, fugimos
De nada, de ninguém
Fugimos porque nos apetece
Sorrindo com malícia
«Paixão» dizes, apertando-me a mão
Tens força..
«Paixão…», repetes
Alongas a palavra
Até não teres fôlego
Escondidos levantamos pó
Um beijo roubado
Assaltas-me a roupa
Rasgo-te
Superfície dura e fria
Nuca de encontro à parede
Revolves-me
Envolves-me
A tua saia desalinhada
Vergões, arrepios
Roupa húmida em corpo quente
Chove, faz frio
Sapatos com lama
Joelhos esfolados
Olhos nos olhos
«Não faças barulho..»
«Não sorrias assim... ai! Parvo!»
Atrevo-me..
E também quem sou
Pulso com pulso
Corpo no corpo
Queimamos..
Sofrendo de prazer
Acendemos cigarros
Ajeitas o cabelo
Continuamos viagem
«Perdi uma meia..»
Gozamos, sorrindo
 

 

 

Marco Neves – 12/01/06

 

 

"...Time I'm sure will bring
Disappointments in so many things
It seems to be the way
When your gambling cards on love you play
I'd rather be in Hell with you baby
Than in cool Heaven
It seems to be the way..."


Impressão Digital Cereza às 00:16
link do post | Rugir | "Ouvir" Rugidos (13) | Adicionar aos Favoritos
|
Terça-feira, 25 de Abril de 2006

Conto!

A Bonecarussa, mandou-me este texto para inserir no conto do UJ. Só que a menina não avisou nos comentários... e quando dei por ele já não fazia sentido metê-lo no blog do conto. De qualquer maneira achei tão engraçado que resolvi publicá-lo aqui... Serve de pub ao url http://contouj.blogspot.com/
   

 

- E diz-me a senhora que sonha com tudo isto que acabei de ler todas as noites?
- Sim doutor, por isso o procurei. Isto deve ter uma explicação. É tudo tão nítido… e além disso, porque invento nomes em sonhos? Nunca ouvi falar de semelhante coisa… é normal?
- Depende da perspectiva, disse o psicólogo sorrindo.  Bom mas ainda não me contou nada de si, apenas que sonha todas as noites com uma realidade estranha, supostamente escrita por pessoas suas conhecidas e cada capítulo é de autoria diferente… hum… já falou com essas pessoas?
- A questão é essa… elas pensam que estão a escrever um conto…
- Elas pensam…como assim? Mas afinal isto é um sonho seu, ou um pesadelo, ou é algo real com o que a senhora sonha de noite…? Desculpe, perdi-me…
- Doutor… eu… quando falo separadamente com cada uma das pessoas ‘envolvidas’, vamos chamar-lhe assim, eles têm conversas…normais. Mas quando estão juntos começam a dizer coisas estranhas e a falar do Sir e sei lá mais de quem… ou seja, falam do meu sonho. A bem da verdade confesso que os tenho evitado… ando muito confusa e até assustada.
- A senhora acredita em fenómenos paranormais?
- Eu acredito em tudo o que tenha uma explicação lógica… se esses fenómenos tiverem uma explicação, mesmo que rebuscada, sim, acredito neles.
- Mas já alguma vez teve alguma experiência nesse campo, algum…
- Não, nada… só coisas que ouvi falar ou que li, mas nada mais.
- Deve haver, de entre essas pessoas, alguém de quem se sente mais próxima… já tentou alguma abordagem mais aprofundada, quando está sozinha com essa pessoa?
-Tenho medo… tenho medo da resposta.
-Pensou na possibilidade de os seus amigos estarem a fazer uma qualquer partida consigo, uma brincadeira, algo assim?
-Doutor… como o poderiam fazer…? Estamos a falar dum sonho recorrente… de pormenores que, por vezes, se eles não falassem neles, eu própria não me lembraria de os ter sonhado… entende?
-A senhora dorme bem? Quantas horas de sono faz por noite? Alguma vez teve insónias?
- Cerca de sete, oito, talvez mais ao fim de semana e não, insónias nunca tive… posso ter mais dificuldade em adormecer uma noite ou outra, mas é esporádico e não podem ser consideradas insónias.
- Hum… isso é suficiente na sua idade. Está bem…
Trrriiiimmmmm…
-Desculpe-me… vou atender, aguardo um telefonema urgente.
Ela sorriu com ar de assentimento mas ficou interiormente aborrecida com a desfaçatez do médico… atender telefones a meio das consultas…?
- Sim fala, disse o psicólogo sem tirar os olhos dela.
- …
- Hum hum…, os olhos dele alegraram-se de tal forma que pareciam ir sair das órbitas.
- …
- Controladíssimo… nem sabes como… muito bem, vou abreviar a conversa com ela… quero dizer, com uma pessoa, e já vou lá ter. Os meus olhos estão cheios de fome…
Ela levantou-se furiosamnete e procurou a porta com o olhar. O médico dirigiu-se-lhe e disse:
- Tenha calma. Peço-lhe encarecidamente que me desculpe… continuemos.
- Doutor… ou eu estou louca ou então… porque me deu a sensação que estava a falar de mim com essa pessoas que lhe ligou?
O olhar dela estava aterrorizado e brilhante das lágrimas que segurava a custo.
- Minha senhora… está a fazer um equívoco só superável pelo que tem na sua cabeça com o tal conto… como médico afirmo que a senhora não está em condição de sair daqui sozinha. Se não quer continuar a consulta, muito bem, podemos fazê-lo mais tarde ou noutro dia, mas agora tem que me acompanhar
O chão parecia fugir-lhe debaixo dos pés. As paredes pareciam mover-se. As suas pernas pareciam estátuas. A sua respiração desaparecera. Inclinou-se para a frente como se fosse desmaiar e quando o médico ia socorrê-la, deu-lhe um enorme empurrão que o deixou caído no chão e correu, correu, correu. Correu tanto que não teve tempo de ver que o médico se abeirou do telefone e disse:
- Ela fugiu, a cabra magoou-me e fugiu.

Bonecarussa


Impressão Digital Cereza às 20:09
link do post | Rugir | "Ouvir" Rugidos (6) | Adicionar aos Favoritos
|
Domingo, 23 de Abril de 2006

Informa-se

Caras amigas e amigos...

                

Como devem saber, está em andamento o Conto do Urban Jungle. Já vai no OITAVO (novo) Capitulo, e está cada vez mais interessante. Queria informar que cada pessoa pode escrever mais que um capitulo, sempre que achar interessante.

 

Quanto ao Urban Jungle, devo informar que preciso de textos. Como devem calcular, "alimentar" dois blogs não é fácil. Fico á espera da vossa preciosa colaboração.

 

"..The things, you say
Your purple prose just gives you away
The things, you say
You're unbelievable


You burden me with your problems
By telling me more than mine
I'm always so concerned
With the way you say,
You've always go to stop
To think of us being one
Is more than I ever know
But this time, I realize
I'm going to shoot through
And leave you..

 

The things, you say
Your purple prose just gives you away
The things, you say
You're unbelievable"



Impressão Digital Cereza às 19:54
link do post | Rugir | "Ouvir" Rugidos (12) | Adicionar aos Favoritos
|
Sábado, 22 de Abril de 2006

Water

O Hugo Master, mandou-me este excerto de uma entrevista feita a Bruce Lee. Deixou-me a pensar... Peço desculpa por não traduzir, mas ando sem paciência.

                

 

"Empty your mind, be formless. Shapeless, like water. If you put water into a cup, it becomes the cup. You put water into a bottle and it becomes the bottle. You put it in a teapot it becomes the teapot. Now, water can flow or it can crash. Be water my friend."

 

Question: What are your thoughts when facing an opponent?

Bruce: There is no opponent.

                   

Question: Why is that?

Bruce: Because the word ''l'' does not exist. A good fight should be like a small play...but played seriously. When the opponent expands, l contract. When he contracts, l expand. And when there is an opportunity... l do not hit...it hits all by itself (shows his fist). Any technique, however worthy and desirable, becomes a disease when the mind is obsessed with it.

Bruce Lee


Impressão Digital Cereza às 00:05
link do post | Rugir | "Ouvir" Rugidos (2) | Adicionar aos Favoritos
|
Sexta-feira, 21 de Abril de 2006

Parabéns Tex

Para a nossa gatinha de olhos azuis...

PARABENS TEX pelos teus 24 ou 25 anos...

não sei ao certo!!!!

BEIJOSSSSS

Ai não resisti...hihihi

"Quando a cabeca nao tem juizo
Quando te esforcas
Mais do que é preciso
O corpo é que paga
O corpo é que paga
Deix'ó pagar, deix'o pagar
Se tu estas a gostar..."

PS. Já ninguém me avisa dos aniversários????

 AH é verdade, o Conto do Urban Jungle, já vai no sexto capitulo!

Esperam-se desenvolvimentos



Impressão Digital Cereza às 18:17
link do post | Rugir | "Ouvir" Rugidos (10) | Adicionar aos Favoritos
|
Quinta-feira, 20 de Abril de 2006

Verídico

Esta é infelizmente uma história verídica, enviada pela bonecarussa.

Numa certa exploração de animais no concelho de Coruche, com porcos, ovelhas, aves, cães e gatos, entre outros, tinham já sido detectadas várias entradas furtivas a meio da noite. Os aparentes amigos do alheio não levavam nada… danificavam as cercas, aterrorizavam os animais, espezinhavam tudo, deram cabo duma parte da horta, não por opção, mas numa das fugas com a precipitação da pressa. Nesse dia quase que um deles foi apanhado. A cena repetiu-se mais de dez vezes, até ontem, quando o ‘ladrão’ foi apanhado. É frequente roubarem porcos ou borregos, para comer. Mas este queria comer outra coisa…

O proprietário da exploração é avisado a meio da noite da presença dum intruso e dirige-se para lá acompanhado da polícia. O homem estava escondido no palheiro das ovelhas e tinha tentado partir a porta que dá acesso aos porcos com um tijolo, manobra que se revelou infrutífera. Foi este barulho que alertou quem deu o alarme.

Depois dumas chapadas e duns murros iniciais por parte do dono e dos agentes o homem confessou tudo: não queria roubar nada e agia sozinho e era precisamente essa solidão que ali o levava.

Já na esquadra contou como em tempos o pai e os tios lhe tinham ensinado a satisfazer desejos sexuais: com porcas, ovelhas e em abóboras. Já tinha estado com mulheres mas, segundo ele, adorava porcas. Ganhou o vício e manteve-o para o que contribuiu o facto de nunca ter casado ou sequer arranjado uma companheira. Falamos dum homem com 41 anos, que vive na periferia duma cidade do interior mas não é nenhum bicho-do-mato. Nunca tinha ouvido falar em desvios sexuais e só não praticava o acto com os seus próprios animais porque não os tinha… enquanto era questionado na esquadra mostrava espanto por todo aquele alarido e apenas achava que tinha incorrido em falta porque os animais não eram seus.

Isto passou-se dia 17 de Fevereiro de 2006.

 

Bonecarussa

 


Impressão Digital Cereza às 20:48
link do post | Rugir | "Ouvir" Rugidos (13) | Adicionar aos Favoritos
|
Quarta-feira, 19 de Abril de 2006

AROMAS DA MINHA TERRA (2)

O Abel brinda-nos com mais algumas pormenores sobre a sua terra:  Angola

 

Entretanto fiquem a saber que já está o Capitulo V, no nosso conto... E bem picante por sinal... by Tex.

1.Recanto bafejado pela corrente
Submarina de Benguela transparente
Fria, carrega nutriente riqueza
Alimentando a fauna de certeza
Perfuma de maresia a redondeza

 2 - À zona chegavam golfinhos e ruazes
Mergulhavam patolas e alcatrazes
Voavam pelicanos, gaivotas e garajaus
Nadavam pinguins focas e outros animais
Atacando gordas sardinhas e carapaus
Festins naturais que verei jamais

3 - Chuva! O Curoca escorria da Chela
Galgava solto atravessava a planura
Arrastava putrefactos da terra
Tubarões devoravam na embocadura

 4 - Submergia o tapete da via
Banhava margens que enriquecia
Desaparecia como por magia
Alentava o produto que florescia

5 - Mais p’ra longe lá p’ra Norte
Junto à escarpada Rochinha
O mar criava exemplares de morte
Para as patuscadas na terrinha

6 - Escondia a saborosa qualidade
Crescia morena a garoupinha
Que dava força à irmandade
Na hora da grande panelinha

7 - Rica etnografia pouco estudada
Vou tentar em linhas contar
Coisas gentílicas da morada
Por sentir perto aquele lugar

8 - No mar andavam Quimbares
Pobres de riqueza e de angolares
Origem nos Mucurocas a ligação
Assentando toda a sua tradição

 9 - Povo Cuanhama, vaidoso
De aroma intenso, cheiroso
Trajando semelhante a vermelho
No andarilho punha rádio e espelho

10 - Cavalgava em decorada bicicleta
Sua sociedade é matriarcal aberta
Vindos do Cunene e suas margens
Atléticos pastores dessas paragens

11 - Os Cuvales, altos espadaúdos Mucubais
Turbantes e elegantes peles de animais
Caçadores astutos pastoreio é paixão
Promiscuidade étnica, certeza de confusão

 

12 - Mucancala no deserto escaldando
Norteado, palmilhava confinado
Azagaia no magro dorso carregando
Flechando certeiro, bicho coitado!

13 - Baixos morenos despreocupados
Olhar atento, achinesados
Tubérculo por Deus plantado
Líquido precioso desenterrado

14 - Não paga impostos nem se rala
Comunica, dá sonsinhos na fala
Rica cultura e historiografia
Recolectores, pasmam Sociologia

 

1º e 2º poemas - A Corrente Submarina. Do Pólo Sul provém uma corrente submarina com sentido Sul/Norte, que banha a costa marítima Africana. Esta corrente descreve um semi-arco para a esquerda até à Zona da Guiné, flectindo em direcção a Oeste, onde surge uma corrente quente que vai banhar a costa Leste do continente Sul-americano (sentido Norte/Sul). A Corrente Fria de Benguela, na sua longa caminhada, tem um ponto de tangencia com o continente africano que é precisamente a costa do deserto do Namibe (ou Namíbia). Não entendo a razão pela qual tal fenómeno tem o nome de Benguela, que dista deste ponto mais de 1000 quilómetros para Norte. Sabemos que o Pólo Sul é muito rico em “Cril” (pequenos crustáceos que servem de alimento às baleias e não só) e outros microorganismos. Essa corrente (fria), na sua caminhada, carrega microorganismos, razão pela qual as suas águas são muito ricas em peixe, aparecendo também por lá muita bicharada (focas, pinguins, golfinhos, ruazes e outros animais). Porto Alexandre tem por isso um clima muito temperado no verão e no tempo frio. O texto diz respeito apenas a Porto Alexandre e nada tem a ver com cidade de Benguela. Garajau (ave migratória) é a ave marinha cujo nome a Europa conhece como andorinha-do-mar e é também o nome usado na América Latina.

 


3º e 4º - O Rio Curoca. Trata-se de um rio efémero que só existe quando chove. De rio, existe apenas o rasto da sua passagem nítida no terreno. Fica completamente seco durante grande parte do ano (“desaparece como que por magia”), excepto nos meses de Março, Abril e Maio quando chove no planalto da Huila. A chuva escorre pela serra (com mais de 1000 metros de altura) abaixo, forma grande caudal, atravessando uma planície extensa antes de chegar ao deserto do Namibe. Ao atravessar a planície, arrasta animais e outros objectos para a foz, já apodrecidos, na zona chamada Pinda. Os corpos apodrecidos são alimento para tubarões que predominam nessa zona. Aí (Pinda), existe uma faixa rodoviária (em alcatrão) que liga Moçâmedes (Namibe) a Porto Alexandre (Tômbua) que o caudal do rio a galga, fazendo desaparecer o tapete negro durante semanas. A passagem ficava intransitável. As soluções adoptadas pela engenharia nunca resultaram porque o rio é muito inconstante. Tanto desagua num determinado sítio como no ano seguinte pode desaguar 5 quilómetros mais para lá ou para cá, não fazendo sentido qualquer ponte por ser de orçamento muito elevado. É mais económico o transporte de barco. Mas nem isso é utilizado porque é preferível aguardar (alguns dias) que as águas baixem.

 


5º e 6º - A fauna na panela. Para norte, a cerca de 30 quilómetros de Porto Alexandre, existe uma área rochosa, muito elevada, a pique sobre o mar (idêntica ao da ponta de Sagres mas mais escarpada e elevada) onde se pescava a garoupa (castanha e a murianga), cherne, mero e outros peixes da pedra. Em frente a esse rochedo, com quilómetros de extensão, o mar está pejado de pedregulhos que a natureza espalhou, habitat das garoupas (pesqueiro). E esse peixe da pedra não desapareceu porque as traineiras partem lá as redes de certeza, caso as lancem. Esse peixe só pode ser pescado à linha o que faz preservar o fundo desse pesqueiro. A distância era grande, envolvia tempo e apetrechos o que fazia da garoupa o peixe mais procurado e desejado para as patuscadas. O carapau e a sardinha, embora muito apreciados, não eram os peixes mais desejados porque estes obtinha-mos com muita facilidade e gratuitamente. Por isso, o peixe com preço mais elevado (5$00/kg, nos anos 60) era a garoupa.


7º ao 14º - A Etnografia. Na região existem três etnias. Os Mucurocas, os Mucubais e os Mucancalas. O povo que habita as margens do rio Curoca é Mucuroca e foi ele que esteve sempre muito próximo dos primeiros colonos. Estes chamaram-lhes Quimbares e são eles que actualmente habitam e são os pescadores de Tômbua. Os Quanhamas, habitantes da fronteira com o Sudoeste Africano, chegavam a Porto Alexandre para trabalharem na indústria da pesca. São pastores de gado bovino e caprino (cavalar?). A sua sociedade é matriarcal. Todos os bens pertencem às mulheres. Este povo tem particularidades muito interessantes: Tem uma estatura idêntica à nossa, 1,6 m aproximadamente, moderado no comer e no beber, limpeza absoluta no corpo e no traje. Aprecia as cores garridas na roupa e na bicicleta. Usa perfume que normalmente é enjoativo ao nosso olfacto. O orgulho na bicicleta é primorosamente incomparável. Extremamente decorada, equipada com farolim e stop, retrovisor, campainha, buzina de fole, bandeirinhas e rádio. Quando termina o contracto da pesca é vê-los com a bicicleta em cima do machimbombo (autocarro) em direcção à sua terra natal. Os Mucubais são fortes e espadaúdos, altos e untam-se frequentemente com terra vermelha para se protegerem do sol. Apareciam por lá para se abastecerem ou por questões de saúde mas nunca se dedicaram à pesca. São de terras afastadas, vivem do pastoreio e da caça. Usam turbantes e peles de animais que lhes envolve o corpo. Os Mucubais ou também conhecidos por Cuvales têm a sua origem nos Hereros (muitas semelhanças com os Massai) que predominam a região meridional de África. Não admitem cruzamentos de raças pelo que punem severamente qualquer violação matrimonial. Os Mucancalas, são conhecidos no mundo inteiro pelos Bochímanes ou Kalahari San. São um povo ainda recolector vivendo em plena liberdade. Aparecem por lá esporadicamente, um, dois ou três elementos, sempre em trânsito. São caçadores astutos nunca se perdem no deserto, palmilham que se fartam, carregam a azagaia (com veneno) e pouco mais. Para sobreviver no deserto para eles não há segredo. São amulatados e de olhos (rasgados) achinesados. Para beberem no deserto desenterram tubérculos que eles bem conhecem. A cada conjunto de palavras emitem um estalinho com a língua. Embora apareçam no mercado cinematográfico algumas fitas a tentar retratá-los, existe apenas um “Os deuses devem estar loucos” que é fiel quanto ao indivíduo que apresentam como actor. Crê-se que (há milhões de anos) vieram do oriente (China provavelmente), entraram em África e ocuparam toda a faixa meridional. Entretanto os negros expandiram-se e empurraram-nos para os dois desertos que se encontram a sul de África (Deserto do Kalahari e o do Namibe). Os negros descansaram pensando que no deserto os bochímanes não sobreviveriam. Puro engano, ainda hoje parte deles lá sobrevive e, curiosamente, os negros continuam a detestá-los de morte. As autoridades portuguesas tiveram alguns problemas de justiça por não conseguirem lidar com esses problema.

 


14/Fevereiro/2006
Abel Marques


Impressão Digital Cereza às 00:34
link do post | Rugir | "Ouvir" Rugidos (8) | Adicionar aos Favoritos
|
Terça-feira, 18 de Abril de 2006

Crise - À beira rio

 

 

 

 Bem, antes de mais quero avisar que já temos o capitulo 4, do Conto UJ,

escrito pela Marta!

Espero agora alguém que siga com o quinto.

 

O texto que se segue é do Pudim, e nele está espelhado a crise tremenda

que estamos a atravessar

 

 

 

   

 

 

 

Fim de tarde, Cais do Sodré…

 

Terminei de jantar à pouco mais de cinco minutos, chego á esplanada, está frio, o Tejo está calmo, como se de um lago se trata-se, não há clientes.


As causas só penso em duas, o facto de estarmos no Inverno e a crise que se abate sobre todos nós, vá-se lá saber porque..? Em algumas conversas que tenho tido com alguns clientes, todos se queixam do mesmo, falta de Euros.


Uma hora e meia sem viva alma aparecer, que seca, bem vou olhando para os barcos e para os autocarros que chegam e partem, que rotina a dos pobres coitados que conduzem tamanhas “naves” lisboetas.


Ainda não apareceu ninguém, a não ser uma pobre coitada que me disse, “estou aflita” ao que eu respondi amavelmente indicando o caminho, “ó minha senhora a casa de banho é ali, faça favor”.


Vinte minutos depois disto, aparecem duas senhoras, dois cafés um é cheio, quando levo os cafés uma dá-me imediatamente os parabéns pela música, estava a ouvir a rádio Marginal FM, que para quem não sabe passa essencialmente jazz e blues.


Na meia hora seguinte mais duas senhoras chegaram ao meu local de trabalho, estas com gostos mais refinados, dois bayley’s com gelo, registo mesa oito dois licores importados.


Bem está na hora de ir espreitar o rio, está maré vazia, levanta se o vento, que frio brrrr, este é daquele tipo de frio que entra pelos ossos a dentro xissa!!


Bem vou começar a fechar o estaminé, que é como quem diz arrumar a esplanada, e não podia ter mais azar, começa a chover, ainda por cima está mais gelada que o costume a chuva, cada pingo que cai na minha fina camisa, mais parece uma golpe de uma faca muito bem afiada, mas as mesas e as cadeiras não se arrumam sozinhas, era tão bom não era..?

Mas a arrumação não fica por aqui, á que arrumar os bolos, lavar toda a maquinaria, e louça.


Depois de tudo isto faço a caixa, contos os poucos euros que se fez, confirmo se todas as portas e janelas estão fechadas, não vá o diabo tece-las, vou ás casas de banho ver se lá está algum larápio escondido, pego no envelope dos euros, desligo as luzes ligo o alarme e fecho a porta á chave com 2as voltas.


Olho mais uma vez para o rio Tejo como se me despedisse dele, até amanhã; afinal é o meu mais fiel amigo e companheiro..

Pudim


Impressão Digital Cereza às 00:01
link do post | Rugir | "Ouvir" Rugidos (7) | Adicionar aos Favoritos
|
Segunda-feira, 17 de Abril de 2006

Cerejas

Even the best fall down sometimes
Even the wrong words seem to rhyme
Out of the doubt that fills your mind
You finally find, you and I collide

You finally find
You and I collide
You finally find
You and I collide

Um texto deixado pelo Carlos,

que nos brinda frequentemente com poemas

nos comentários.

Cerejas

Bebo
o licor
na tua boca
Bebes
o licor
no meu umbigo


Mais que fantasia...
passamos horas
nessa brincadeira louca
Delírios do prazer
de estar contigo


Trilhas

de cerejas

em nossos corpos

Alimentos
degustados
pouco a pouco
Sinto
tua sede
e me alucino...


Somos cálice
iguarias
somos loucos
Bêbados
de paixão
e Maraschino

Carlos


Impressão Digital Cereza às 01:20
link do post | Rugir | "Ouvir" Rugidos (9) | Adicionar aos Favoritos
|
Sábado, 15 de Abril de 2006

Sem titulo

A  realidade é q não te amo com os meus olhos,

que descobrem em ti mil falhas.

Mas com o meu coração, que ama o que eles desprezam e,

apesar do que vê,

adora apaixonar-se."

 

William Shakespeare

 

Feliz Pascoa para todos!


Impressão Digital Cereza às 00:01
link do post | Rugir | "Ouvir" Rugidos (14) | Adicionar aos Favoritos
|
Sexta-feira, 14 de Abril de 2006

III

 

Já foi publicado o Capitulo III do Conto Urban Jungle


Impressão Digital Cereza às 00:55
link do post | Rugir | "Ouvir" Rugidos (1) | Adicionar aos Favoritos
|
Quinta-feira, 13 de Abril de 2006

Desilusão

I See The Fear In The Things We Don't Understand
I See The Fear In Another Blind Man
I Can't Hold Back This Fight That Stills Inside
I Can't Hold Back Who I Am



I Know You're Strong
I Know You Belong
I Know You Are Strong
My Beautiful One


          

 

Deito-me aqui no escuro, sozinha, em silencio, imovel, irrimediavelmente desamparada.
Apenas o meu pensamento corre, corre sem parar, rápido, demasiado rápido.
A desilusão tomou conta de mim, da minha alma, do meu corpo.
Petrificou-me, petrificou as minhas recordações.
Já não as quero, quero que fiquem longe, bem longe!


Ai desilusão, que amargo sabor,
mudas tudo,mudas as cores, as formas, o ar, as pessoas...
deixam de ter brilho, de ter coração, de ter sentimentos.
Violentam-nos a alma, sugam-nos o sangue e deliceram-nos o coração.
Usam palavras profundas, cheias de magoa e odio.
Sentimentos exaltados, pensamentos proibidos,
serenidade perdida.
O latejar do corpo.
Tarde demais.

Poison Ivy

 

 


Impressão Digital Cereza às 00:44
link do post | Rugir | "Ouvir" Rugidos (5) | Adicionar aos Favoritos
|
Quarta-feira, 12 de Abril de 2006

Conto

Já podem clicar aí na barra do lado direito, onde diz: Visite o nosso CONTO DO URBAN JUNGLE, que vão ter directamente ao blog, onde se está a escrever o romance... do qual já não se entende nada hihihiihih.

Quem é que vai conseguir pegar nas "pontas" soltas e dar um rumo á história?

 


Impressão Digital Cereza às 15:28
link do post | Rugir | "Ouvir" Rugidos (2) | Adicionar aos Favoritos
|
Terça-feira, 11 de Abril de 2006

Terrorismo

Numa altura que em que se fala na "vontade" dos Estados Unidos invadirem o Irão, acho que vale a pena recordar este tema do terrorismo, escrito pela Queen Akasha.
         

            
          
Terrorismo há muitos tipos. Há o de estado, há o de grupos, há o do solitário que ousa falar contra a politica do seu governo.
A definição de terrorista está extraordináriamente difusa, e começa a ser usada para justificar acções menos claras. O quadro legal está a ser alterado e dentro em breve será possível classificar um grevista como um terrorista, pois está a perturbar.
 
O de estado é disfarçado de muitas coisas, mas seja qual for a desculpa, não há que enganar: uma invasão militar em que se bombardeia a população civil, se explodem com todas as infraestruturas e se envenena a terra com tonelada após tonelada de urânio empobrecido (sim, pobres de quem levam com ele) não pode ser considerada uma acção humanitária, A MENOS que estivesse a ocorrer uma chacina em massa e isto fosse o menor de dois males. Como a que se deu no Ruanda e não foi evitada? Mas afinal, perdoem a expressão, não passavam de pretos.
 
Agora fala-se muito do esforço de reconstrução.
É um objectivo importante, e há uns malandros que se lhe opõem. É uma acção humanitária, afinal? Atentem na palavra, constituída por 2 partes:
RE
construção.
O "re" é o ponto importante. Pois se as pessoas têm falta de água, andam a beber de poços inquinados, têm fome, não têm hospitais nem centrais eléctricas é por uma razão apenas, porque os américas explodiram com tudo isso. Nada mais.
 
Eles não estão ali como construtores, mas sim a reparar uma pequena parte da porcaria que fizeram e a dizer que estão a ser uns humanitários incompreendidos.
 
O Saddam era um tipo tenebroso e merecia a morte. Tanto ele como os seus filhos, e de uma forma particularmente dolorosa que servisse de exemplo. Seria de incluir todos os asseclas e patifes que comiam do mesmo prato, e deu-me gozo saber que aquelas criaturas estavam mortas. Só espero que o pai não se escape - e dai, espera. Deixa-o sobreviver muitos anos, a lembrar-se de quando realmente vivia e vivia bem, e mandava num país. Deixa-o lembrar-se dos filhos que já não tem.
Mas que mal fizeram os desgraçados que por lá andavam a conduzir autocarros e a varrer ruas e que foram os alvos reais de bombas e balas?
 
Quanto ao dano nas infraestruturas, não sei quem aqui tem o mínimo conceito de táctica operacional, mas, para uma campanha rápida como aquela era suposto ser, rebentar com centrais e infraestruturas tem um efeito mínimo. Seria um passo a tomar numa guerra prolongada, para limitar a capacidade do inimigo de recuperar e de construir material de guerra, mas nunca - NUNCA - para uma guerra curta.
 
As infraestruturas seriam algo a preservar, para permitir limitar os gastos logisticos com o sustentar da população, e para permitir uma rápida instauração de um governo próprio. Deste modo, limitava-se a presença a um mínimo indispensável, e saía-se com o mínimo de danos à população e sem mais delongas.
 
Uma campanha rápida necessita apenas de um máximo de violência aplicada às forças do inimigo, interditação da sua capacidade aérea e de reconhecimento e eléctrónica, e de um avanço súbito com corte de ligações.
Mais ou menos o que na realidade ocorreu, embora tenham sido desajeitados. Viu-se que a logistica falhou. Mas afinal de contas, são apenas Americanos. Um exército Alemão dos tempos malfadados do Hitler ter-se-ia portado melhor, ou mesmo um daqueles exércitos russos que em 1944, quando os Americados levavam chumbo na Omaha beach, iniciaram uma campanha que cilindrou um grupo de exércitos inteiro e avançou 700 kilómetros de uma assentada.
Mas são Americanos, tem que se compreender.
 
Voltando ao tema, reparem nisto - 95%+ de todo o dano à população causado por essas medidas deu-se DEPOIS da vitória, não antes.
 
Também não foi uma coincidência ter-se permitido todo o dano cultural que se seguiu à conquista, quando protegeram o ministério encarregado do petróleo e na rua em frente se deixou pilhar o maior museu de história de todo o médio oriente, com peças que são uma herança da humanidade.
 
Também não estranhem a miséria da população, a fome e a falta de medicamentos, causada por um bloqueio feroz de uma década para cá. As mortes e deformações de crianças cujos genes foram envenenados por urânio de balas.
 
O Iraque foi o alvo de uma campanha sistemática de empobrecimento e miséria, e este ataque foi o toque de caixa.
Não se pretendia, de forma alguma, sacar o Saddam e deixar os Iraquianos sozinhos. Foi necessário criar dependência, razões para manter lá as tropas, a presença, e iniciar o negócio da reconstrução... dos poços. Não se lembram como mesmo durante o assalto se dava imensa importância – e temia-se – aos campos de petróleo?
 
O que se pretendia era apenas estabelecer um governo que apenas tomaria ordens de Washington, manter tropas no local que se pagariam a si mesmas – com lucro – à conta do petróleo e seriam uma faca apontada à barriga de todos os países da zona. Depois os Iraquianos passariam as próximas décadas de barriga no chão a cantar ossanas à democracia e escravizados a pagar as dívidas internacionais assumidas tanto pelo Saddam como pelos seus conquistadores.
E provavelmente não se safam disso; tenho a fantasia que um dia surja lá um governante que diga "metam as dividas no traseiro. Não as reconhecemos", mas isto é irrealista. Não o poderiam tolerar.
 
Para pagar juros, o Saddam não era um criminoso. Para fornecer petróleo também não. Para limpar curdos e lutar contra o Irão também não.
Mas já foi um criminoso – e burro – quando quis passar a negociar o petróleo usando o padrão Euro, não o dollar. Sabiam desta? Os américas ficaram lixados, porque outros países da zona ficaram interessados na ideia.
 
Reparem que a ideia básica – e falhada – era mostrar ao mundo um Saddam a ser expulso do seu palácio num dia, meter um consul americano durante uns meses e depois fazer com que uma população submetida aceitasse um governo fantoche. Este seria depois declarado como incapaz de tomar todas as funções e precisando ainda do auxílio. Isso daria para uns tempos, com muita televisão sobre a reconstrução.
Mas os malandros não colaboraram. Em vez de flores, deram granadas aos americanos. Que ripostaram recheando carros com famílias de chumbo de canhão. E a coisa descambou. E tem descambado desde então.
 
Detesto o Saddam. Não tenho respeito pelos países do médio oriente, governados por umas elites que se enchem deixando os seus súbditos na miséria quando, com os recursos da zona, podiam ter criado uma renascença. Mas tenho que respeitar uma população que, embora ignorante e carregada com uma religião que lhes enche a vida (como foi o caso da europa em tempos felizmente já passados), tem uma força de vontade ináudita.
 
E compreenderam que esse recurso é só deles, deles e dos israelitas. O mundo ocidental ganhou uma sensibilidade exacerbada e não tolera mortes. Os americanos berram e gritam por terem tido 600 mortos. 600? Uma batalha como a de Kursk teve perto de um milhão de mortos, quando todo o pó assentou.
 
E aqui vamos ao terrorismo de grupos.
Eles usam o terrorismo como recurso porque não têm outros. A opinião internacional está-se a borrifar para eles. Exércitos convencionais seriam como formigas ao pé de um lança chamas contra os américas ou mesmo contra a europa. Os israelitas fazem deles o que querem, tendo um dos exércitos mais duros do mundo (em oposição aos americanos, que são extremamente bem equipados, mas um bocado moles). Não têm força aérea nem marinha. Artigos no jornal? Não me façam rir. Votar? Em quem? No quê? Onde?
 
Partem então para a violência. E é verdade, são terroristas. Abater trabalhadores num comboio é totalmente repreensível. Infelizmente estes terroristas não sabem onde tomar acção, nem como, e por isso explodem indiscriminadamente, tentando com o terror e o meio ganhar... nem eles sabem bem o quê. Se for para la um Yasser Arafat, inaugurarão uma nova era de corrupção e nepotismo e nada, nada mudará.
 
Mas eles continuam, porque não sabem que mais fazer e querem magoar o mundo que os magoa.
 
Felizmente têm pouca imaginação.
Queen Akasha
 

Já está a andar o "Conto do Urhan Jungle" . A nossa história escrita a várias mãos, já tem prologo (Flyman) e o primeiro Capitulo escrito pela nossa Morgaine e o segundo pela SecretSmile! Agora quem se segue?

Para acederem ao Conto UJ, têm de ir ao seguinte endereço: http://contouj.blogspot.com/ . Adicionem-no já nos favoritos. Vou por este endereço na barra lateral aqui do UJ.

 

Quem quiser escrever o capitulo seguinte, é favor deixar nos comentários do blog Conto do Uj. Por falar em comentários... USEM-NOS!

 

 Espero que gostem!


Impressão Digital Cereza às 14:04
link do post | Rugir | "Ouvir" Rugidos (4) | Adicionar aos Favoritos
|

av_fever01.gif

.Urbanidades Recentes

. Aberto: Rui Pedro e Anoré...

. FIM

. Porque eu? porque isto? p...

. Mulher

. Hannibal - Rising

. ...

. Voltaste meu amor...

. Falling

. ...

. Uma brincadeira...

. SuGeStÕeS:

. Pedofilia ou Amor

. coragem!

. Feliz Natal

. Ainda Tango...

. Destaque no sapo: poema d...

. Sonho § Realidade

. Do Flyman

. (...)

. Parabens Lua

av_jml12.gif myarms-yourhearse.gif

.Selvas já Visitadas

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

10MM.gif

.Procura no UJ

 

.Posts Favoritos

. Falling

. Destak

. UJ no DN

. Putas, Prostitutas (os) e...

. Casos Reais: Putas, Prost...

. Maria Madalena: Prostitut...

. "Schindler português"?

. Dedicado ao meu Pai!

. Caso de Vida

. Os BrancosNegros ou Negro...