Sábado, 19 de Novembro de 2005

"Schindler português"?

Este é um tema que me é muito querido! Por isso quando vi o url que a Vanessa deixou num comentário pensei logo em publicá-lo. Pouco a pouco vai-se fazendo algo pelo heroi português, o "esquecido" ASM.
A noticia foi escrita pelo jornalista Paulo Dâmaso.
Dedico este post ao nosso amigo Francisco, neto do consulo português.


konsul2.jpg


"Quando, em Agosto de 1938, Salazar, por teimosia, transferiu Aristides Sousa Mendes para Bordéus, França, estava longe de imaginar que o então decano do corpo diplomático português em Antuérpia iria proceder ao salvamento de um número incontável de vidas, durante a II Guerra Mundial.

Este e outros factos da vida de Aristides Sousa Mendes, rotulado de "Schindler português", vão ser perpetuados num museu virtual, em Português e Inglês, que "nascerá" na Internet até ao final do próximo ano, da responsabilidade do Instituto Português da Juventude (IPJ), em parceria com o Ministério da Cultura e o Ministério dos Negócios Estrangeiros.

O portal, dedicado a um dos maiores símbolos portugueses da II Guerra Mundial, conterá investigação inédita com base em testemunhos reais de 30 mil familiares de sobreviventes do Holocausto. "Será o "retrato" mais fiel possível do que aconteceu e da acção de Aristides Sousa Mendes", afirmou, ao JN, Luísa Marques, coordenadora do museu virtual, ontem, durante a apresentação do projecto, no Centro de Artes e Espectáculos, na Figueira da Foz.

Considerado um "exemplo" de tolerância e humanismo, Aristides Sousa Mendes terá salvo milhares de judeus, durante o Holocausto, ao emitir cerca de 30 mil vistos à revelia de Salazar. Contudo, os registos apontam somente para 1800 vistos devidamente passados. "Há milhares de pessoas cujos nomes não constam nas listas. Durante o acto de salvamento não houve tempo útil para efectuar esses registos devidamente", explicou Luísa Marques, considerando o museu um "acto de justiça" pelo feito do diplomata português."


casaASM.jpg



Paulo Dâmaso


Impressão Digital Cereza às 18:09
link do post | Rugir | Adicionar aos Favoritos
|
20 comentários:
De Selvagem Anónimo a 21 de Novembro de 2005 às 08:07
é de louvar esta pequena homenagem a este grande homem q salvou milhares de judeus e é de facto importante lembra-lo em cada canto do mundo. Foi um homem importantissimo que n pode de maneira alguma ser lembrado apenas num museu virtual.devil_girl
</a>
(mailto:joana.patrici@sapo.pt)


De Selvagem Anónimo a 21 de Novembro de 2005 às 09:24
Nunca é demais lembrar Aristides Sousa Mendes. Fiquei contente por saber novidades da casa de Cabanas de Viriato. Não quero ser pessimista, mas espero ainda ser viva, para a poder visitar como casa museu. Obrigado Francisco! Foi uma óptima ideia sugerir, essa de irmos todos fazer-lhe uma visita. Já devia ter sido ontem^Erina^
</a>
(mailto:paula_m_sousa@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 21 de Novembro de 2005 às 13:10
Subscrevo inteiramente a opinião de alguém que se assina como Jorge Afonto, em http://historiaeciencia.weblog.com.pt/arquivo/026240.html (http://historiaeciencia.weblog.com.pt/arquivo/026240.html) e que passo a transcrever: "Por várias vezes tenho verificado que Aristides de Sousa Mendes é denominado o "Schindler português". Não entendo porquê, a não ser que seja a memória cinéfila que funciona mais do a verdade histórica e científica. Se não fosse ter sido feito em 1993 um filme sobre Oskar Schindler quem mais se lembraria dele? Como as coisas não acontecem de trás para a frente, vamos a factos, porque a História é uma sucessão de factos no tempo e ninguém tem dúvida disso: 1 - Os factos relacionados com Aristides de Sousa Mendes ocorreram entre 1939 e 1940, quando milhares de judeus recorreram aos serviços do Consulado de Portugal em Bordéus para obter visto de entrada em Portugal. 2 - Os factos relacionados com Oskar Schindler ocorreram entre 1940 e 1944 e situam-se na Polónia ocupada pela Alemanha. Durante este período Oskar Schindler obteve dos ocupantes a permissão para ter uma fábrica com trabalhadores judeus seleccionados nos campos de concentração. 3 - Aristides de Sousa Mendes incorreu no seu acto em desobediência com as indicações dadas pelo Governo português. Por isso foi expulso do serviço diplomático e só foi reintegrado, postumamente, depois de 1974. Com o seu acto, embora não se conheça com rigor quantos vistos foram passados, calcula-se em cerca de 25000 o número de pessoas, completamente desconhecidas para ele, que escaparam aos campos de concentração devido à acção do «Cônsul injustiçado». 4 - Oskar Schindler usou na «sua» fábrica da Polónia, sem qualquer remuneração, judeus de várias nacionalidades durante cinco anos, se bem que não tenha havido queixas de exploração. Quando os Aliados se aproximavam do local onde se situava a fábrica, Schindler elaborou as tão celebradas listas (são duas e não uma) como forma de beneficiar da bondade dos Aliados. Nas listas constam 1200 nomes de pessoas com quem Schindler privou de perto. Como facilmente se observa, as diferenças são enormes e chamar a Aristides de Sousa Mendes o "Schindler português" é, na minha opinião, um erro crasso e até mesmo uma afronta. Em primeiro lugar, porque os factos passados com Aristides de Sousa Mendes ocorreram quando a II Guerra Mundial mal tinha começado, em condições absolutamente incríveis, logo muito anteriores aos de Schindler. E depois à questão dos números, que são abissais. Nestas coisas de apelidar as pessoas com atributos de outros, convém lembrar que antes de se saber da existência de Oskar Schindler, Aristides de Sousa Mendes era conhecido como o «Wallenberg português», cuja designação provinha da acção do sueco Raoul Wallenberg, em tudo muito semelhante à de Aristides de Sousa Mendes, na Legação Sueca em Budapeste em 1944. Sendo certo que o caso de Aristides de Sousa Mendes é muito mais antigo do que o dos outros, a nenhum deles vi ou ouvi chamar o "Aristides de Sousa Mendes alemão" ou o "Aristides de Sousa Mendes sueco". Porque será?"Dríade
</a>
(mailto:paulino_correia@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 21 de Novembro de 2005 às 15:28
Passo a explicar porque o titulo é "Schindler Português" .
1. porque é o titulo do artigo do jornalista Paulo Damaso.//
2. Tem um ? precisamente porque não entendi o titulo.//
3.Gostaria que fossem mais atras no blog, e ler um artigo escrito pelo neto de ASM, primo do Francisco... que explica as diferenças entre o Shindler e ASM. Quem conhece BEM a vida deste heroi português sabe bem que NÃO HÁ COMPARAÇÃO COM O SHINDLER!CEREZA
(http://bbb.blogs.sapo.pt/)
(mailto:lis_tv@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 21 de Novembro de 2005 às 16:07
Primeiro: Marta, Brigado pelo beijo! :) Segundo: voltei, tenham medo!! ;) Terceiro: Já antes de vir aqui ao UJ que conhecia a história e me interessei por ela. Sempre tive um "fascinio" por coisas da segunda grande guerra e isso culminou na minha visita à Russia. Quando coloquei o link no blog (e desculpa Miguel por ser descontextualizado do teu texto) confesso que fiquei triste porque ninguém fez nenhum comentário. Pensei que ninguém se tinha dado ao trabalho de ir ver. É um assunto que não gostaria de ver esquecido.Vanessa
</a>
(mailto:mina_aeternus@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 21 de Novembro de 2005 às 19:06
Vanessa eu fui ver o link e tal como eu, muitos o foram ver :) apenas não fizemos referência a esse pormenor e obrigado pela parte que me toca, pois é sempre bom termos conhecimento de assuntos através dos outros bloguistas :)^Erina^
</a>
(mailto:paula_m_sousa@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 21 de Novembro de 2005 às 23:59
Gostei muito de ler os comentários de todos. Vanessa desculpa por não ter referido o url que mandaste, tens razão, mas olha que fui ver de seguida e não sabia de nada; de resto tenho acompanhado o teu blog...gostei muito de estar na Finlândia, há uns anitos.
Driade gostei do teu comentário, apenas uma rectificação: o Wallenberg salvou cerca de 100.000 vidas de judeus, mas fê-lo com o apoio do seu governo, ao passo que o meu avô o fez à revelia do governo de Salazar, o que lhe custou a exoneração e a perseguição. De resto cada caso é um caso e para o povo judeu quem salva uma vida (um justo) é como se salvasse toda a humanidade. Não faz sentido comparar uns justos com os outros. Foi uma época muito conturbada em que cada um fez o que pôde ou a sua consciência lhe ditou.frisco
</a>
(mailto:frisco@sapo.pt)


De Selvagem Anónimo a 22 de Novembro de 2005 às 01:08
Vamos la dar os parabens á minha mana cereza que faz hoje aninhos!!!!!!!!!!steven
</a>
(mailto:stevenmartins@iol.pt)


De Selvagem Anónimo a 22 de Novembro de 2005 às 09:25
Oh, não é preciso pedir desculpa nem nada disso!! Eu é que não sabia que tinham ido ver e como vi que no inicio do blog há textos sobre este tema e muita gente na altura pareceu interessada, fiquei triste por pensar que ninguém tinha visto. Ainda bem que assim não foi!! Frisco, eu fiquei muito contente quando li o comentário que fizeste no meu blog e muitas vezes me lembro dele. Por vezes penso até que ponto as coisas podem estar diferentes.Vanessa
(http://triptofinland.blogspot.com)
(mailto:mina_aeternus@hotmail.com)


Ah... Comenta-me