Terça-feira, 27 de Setembro de 2005

Ele voltou... vivo!

Bolas que aventura esta!!! ahhhhhhhh mas eles estão de volta... O fly e a Erina :) Sendo isto um blog generalista, aqui vai!


xf4.jpg


A História da Abdução(*) de Flyman


Hei! Estou de regresso... Muito tempo se passou... Querem saber o que aconteceu?... Cá vai:


Andava eu a voar com o meu Pegasus, já o Sol se tinha posto, quando um fortíssimo feixe de luz incidiu sobre nós... No susto, ele foi para um lado e eu para o outro! Vi-me despejado no abismo, certo de uma queda fatal. Só sei que na vertigem do desmaio, acordei como vim ao mundo, deitado numa mesa de metal brilhante, iluminado por luzes que talvez fossem de xénon.


xf1.jpg


Quando me tentei levantar, percebi que estava em estado semi-catatónico. Podia mover a cabeça, ver, ouvir... mais nada!... Nem falar, porque queria chamar a enfermeira e não conseguia... Então onde é que eu estava?!... Num hospital?... Não! Era demasiado limpo, asséptico, inodoro. Olhei para o meu corpinho todo até aos pés: Estava inteiro! Nem uma beliscadura! Estava tudo lá! Mas afinal que é que se tinha passado? Onde estaria eu?!



Achei piada ao poster que conseguia ver por detrás da minha cabeça: uma fotografia da Terra. Parecia que estava mesmo ali... e mexia-se?!... ah! Está bem era um plasma: estava a dar um programa do NGS ou do Discovery. Da penumbra da sala surgiram umas criaturas curvilíneas que me recordaram uns episódios dos X-Files mas que não vi nem com o Fox nem com a Scully... quem seriam?


xf2.jpg


Reparei que piscavam os olhos exageradamente.... estariam a meter-se comigo?... Não! Era tique mesmo... e colectivo!... eláááá!... ou era gravação ou falavam umas com as outras sem abrir a boca, numa língua desconhecida... estranho! Voltei a olhar para o plasma. Não era ecrã nenhum! Era uma janela, e a imagem da Terra, era a Terra! A própria!


Estava a caminho do espaço! Pouco tempo depois comecei a entender o que diziam. A minha capacidade sobredesenvolvida de perceber outras línguas, assim mo permitiu e quanto mais ouvia, mais sabia. Foi mesmo a tempo de compreender que tinha sido abduzido por ser o espécime da minha raça que melhor preenchia os requisitos necessários ao estudo que pretendiam levar a cabo. Ou seja, o espécime mais perfeitinho.



Claro que me senti lisonjeado... por outro lado eu não tinha pedido para estar ali e nada paga a perda da liberdade. De repente percebo-as falar em tubos e cânulas enfiadas em todos os meus orifícios naturais e mais alguns que iriam ser artificiais!... suas “aliens”, criaturas alucinadas degeneradas! Querem estudar o quê?! Eu dou-vos os orifícios!



Concentrei-me!... Concentrei-me!... e consegui criar um campo de força em meu redor!... (de alguma coisa serviu, ver os episódios todos do Dragon Ball Z). Elas bem se queriam chegar, as criaturas curvilíneas, mas cada vez que me iam tocar: zzzztttt! Apanhavam um choque! Fartaram-se! Boa!



É então que vejo surgir do nada por cima de mim e do meio das luzes uma gigante mão metálica que me agarra, campo de força e tudo, e me coloca dentro de um frasco de vidro cheio de liquido viscoso. Pensei que me ia afogar, mas afinal para meu espanto, conseguia respirar a mistela. Mesmo dentro do frasco conseguia seguir o pensamento telepático delas. Iam-me levar para o zoo lá da terra delas! Eu estava feito! Nunca mais iria ver a minha ^Erina^, o meu Pegasus nem voltar à selva dos paineleiros.



Triste destino o meu: acabar como atracção principal de um parque temático... impotente lá continuei dentro do frasco por umas semanas, até que um dia ao chegarem de novo junto a mim, espantadas, viram que eu já estava a ganhar verdete! Assim não podia ser! O meu prazo de validade não correspondia ao pretendido e lá tiveram de voltar atrás. Não podiam aparecer na terra delas com um artigo (eu) estragado e de validade expirada... tinha de vir à procura de outro... e foi assim que voltei ontem, despejado na atmosfera terrestre, liberto do frasco e da zurrapa em que estava banhado.


fx3.jpg


Na queda, o meu fiel Pegasus, aparou-me antes de tocar o chão, salvando-me de um fim atroz. Coitado, ficou com bocados da ranhoca por cima da sua negra pelagem... assim sobrevivi para contar esta experiência... o pior é que o verdete não há maneira de desaparecer... será fígado?... e fiquei com um alto atrás das orelhas... ter-me-ão implantado uns coisos?... elas andam para aí à procura de um substituto com um prazo de validade mais alargado... serás tu o próximo?.



(*)Abdução – do inglês “abduction”- raptado por extraterrestres.



Flyman
26/09/2005



Impressão Digital Cereza às 23:24
link do post | Rugir | Adicionar aos Favoritos
|
25 comentários:
De daniel a 28 de Novembro de 2010 às 01:32
eu sou um ET.kkkkkkkkkkkkkkk


De Selvagem Anónimo a 28 de Setembro de 2005 às 00:30
Acredito em vida extraterrestre... mas ora bolas!!! Acham mesmo que alguém quer saber deste planeta!? Se eu fosse Alien... ficava sentado à espera que o Homem autodestrui-se a humanidade!!! "olha que lindo... um planeta só para mim e nem tive de matar um só habitante terráqueo!" E sinceramente... preferia analizar um papagaio ou um cão... é capaz de ser mais emocionante e menos nojento!Suicidal_kota
</a>
(mailto:cromokamikaze@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 28 de Setembro de 2005 às 09:54
Flyman!!!!!!!!!!!!!!!!! Voltaste!!!!!!! Afinal foi isso que te aconteceu! Quase morri de preocupação ante a tua ausência. Sê bem-vindo no regresso à Terra. Para os prezados paineleiros fica o alerta... "eles andem aí"...Safira
</a>
(mailto:saphireonearth@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 28 de Setembro de 2005 às 10:25
Flyyyyyyyyyyyy!!!Até que enfim....Espero que não tenhas ficado com as orelhas á Dr.Spock ;)Voltaste é o que interessa. Oh pah,a única vez que eu vi, algo estranho no céu,foi num concerto do Rod Stwart,no Restelo...já lá vão mais de 20 anos,(não,não estava a alucinar)foi noticia nos jornais no outro dia, será que andavam á tua procura??!! Mas se forem todos como o E.T. do Steven Spielberg, são uma ternura...Agora por falar em céu, outro dia vi uma estrela cadente, com rasto em verde lindaaaaaaa....fiquei perplexa a olhar para aquilo. Tinha saudades tuas pah!!Beijooooooooo....marta
</a>
(mailto:marta_30@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 28 de Setembro de 2005 às 10:25
Flyyyyyyyyyyyy!!!Até que enfim....Espero que não tenhas ficado com as orelhas á Dr.Spock ;)Voltaste é o que interessa. Oh pah,a única vez que eu vi, algo estranho no céu,foi num concerto do Rod Stwart,no Restelo...já lá vão mais de 20 anos,(não,não estava a alucinar)foi noticia nos jornais no outro dia, será que andavam á tua procura??!! Mas se forem todos como o E.T. do Steven Spielberg, são uma ternura...Agora por falar em céu, outro dia vi uma estrela cadente, com rasto em verde lindaaaaaaa....fiquei perplexa a olhar para aquilo. Tinha saudades tuas pah!!Beijooooooooo....marta
</a>
(mailto:marta_30@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 28 de Setembro de 2005 às 10:53
Que regresso em grande... Só mesmo o Fly... bem voltado... fiugado ? ja lhe ouvi chamar muita coisa... looooooooooooolCriador_Sonhos
(http://criadorsonhos.blogspot.com)
(mailto:criadorsonhos@gmail.com)


De Selvagem Anónimo a 28 de Setembro de 2005 às 11:03
Nos idos duma certa década do século passado, era eu uma criança e apaixonei-me perdidamente. A paixão entrou pela adolescência e ainda hoje resistem uns resquícios daquele amor incondicional, platónico e total. Ele chamava-se Spock e era estrela duma série televisiva... tinha umas deliciosas orelhas em bico, uma inteligência muito acima da média (e os outros eram todos muito sabidos...), era dono duma lógica arrebatadora e construía raciocínios... do outro mundo! Eu vibrava com aquela franja e anunciei num almoço de família que os meus filhos iriam ser extraterrestres, divulgando de imediato quem seria o pai.
Passados todos estes anos mantenho a esperança dum encontro imediato de terceiro grau... e a esperança é sempre a última a morrer.
Lena
(http://jhasdkjshjd)
(mailto:lena@lena.pt)


De Selvagem Anónimo a 28 de Setembro de 2005 às 11:28
Começo por saudar o regresso do Flyman ao Urban. Um enorme bem haja para ti e para a Erina. Entretanto, depois de consultar o dicionário online, porque não fazia a minima ideia do que quer dizer abdução, lá fui abrindo caminho por entre a trama densa e cientificamente ficcionada que relatas e, digo-te já, eriçaram-se-me todos os cabelos do corpo ao perceber que quanto mais perfeitinhos somos, maior é o risco. Apenas respirei de alivio quando percebi que existe um prazo de validade, por sinal demasiado estreito e, concerteza, conferido por um alien de vistas curtas. Ainda bem que as morenas belíssimas são possuidoras de um senso comum bastante mais vincado e alargaram esse prazo até ao limite da nossa extraordinária condição, entende por nossa a minha condição e a tua condição. Termino com duas perguntas, se me permites: as curvilíneas criaturas eram morenas? Eram belíssimas? Parabéns, diverti-me imenso ao ler o relato da tua aventura. Um abraço, o AnjoMaslow
</a>
(mailto:manuel_Azevedo@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 28 de Setembro de 2005 às 13:04
Estou muito contente por ter o Fly e a Erina de volta. E o relato dele está o maximo... mas o que me trouxe agora aos comentarios foi a marta... TU ESTAVAS NESSE CONCERTO? EU TB! TB VI!!!!!!! uffa, é que eu conto isso ás pessoas e ninguem acredita.... de facto... ele andam aí!!!!cereza
(http://bbb.blogs.sapo.pt/)
(mailto:lis_tv@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 28 de Setembro de 2005 às 14:07
Flyman adorei!!
Haja imaginação e k nunca te falte :)))

P.S. bem voltados ***Tex
</a>
(mailto:texazinha@iol.pt)


Ah... Comenta-me