30 comentários:
De Selvagem Anónimo a 28 de Julho de 2005 às 01:15
O auto-controlo por vezes pode ser destruidor. Quando levado ao extremo é tão nefasto como o descontrolo total... e tocam-se... os extremos tocam-se sempre. É bom tirar o pipo e deixar saír a pressão. Gritar, barafustar, asneirar... sob pena de a capa do bom comportamento abafar o indivíduo. Este testemunho é mais uma forma de aprendermos a não julgar aquilo que está à vista... mais importante é o que o coração manda. E do coração dos outros nada sabemos. Não mandemos por isso, palpites sobre aquilo que desconhecemos. Olhamos para alguém incrivelmente magro. Conjeturamos que é bolímica, anoréxica, louca... não sabemos nada. Respeitemos e desejemos que essa pessoa fique melhor que descubra novamente o caminho.flyman
</a>
(mailto:flyman_pegasus@msn.com)


De maria a 21 de Abril de 2008 às 21:43
estou a preparar um debate sobre anorexia depois dos 40. Preciso, desesperadamente, de testemunhos de alguém. O meu e-mail, é o tinoni_tinoni@yahoo.com.
É sério


De Selvagem Anónimo a 28 de Julho de 2005 às 09:28
Lamento que tivesses que passar por isso...
Não tenho gente magra na familia e tão pouco gente doente. Não conheço casos de doença proximos. Não estou informado. Não sou rotulador.
Enfim...
Resta-me apenas desejar-te muitos anos de Limpeza e que sejas feliz... pk afinal é disso que se trata...Ruca
</a>
(mailto:ruca_79@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 28 de Julho de 2005 às 10:33
Opah, pensava que isto dos sem-nome era moda que já tinha passado... pelo menos devia, olhando às provas variadíssimas que foram sendo dadas, de compreensão e solidariedade, a pessoas com diversos tipos de problemas (a começar pelos tais 2 casos deste tipo). E não estou com este discurso por curiosidade, mas sim por acreditar piamente que sair do anonimato é uma boa ajuda para ultrapassar os problemas ou, no mínimo, para não ter complexos em relação a eles. Por esta razão não comento, pois nestes casos, se fosse dar uma palavra seria sempre adaptada àquilo que conheça da pessoa em causa. Mas também pelo que percebi nem sequer é ninguém que nós conheçamos, pelo que identificar-se perante um grupo de estranhos não vai de encontro à melhoria da situação que eu referi. Para finalizar, não se tome esta linha de raciocínio como uma ofensa: eu compreendo que as pessoas não se queiram identificar em vários dos relatos que por aqui vimos, apenas acho que isso não lhes traz (quase) nada positivo.WG
</a>
(mailto:a@a.com)


De Selvagem Anónimo a 28 de Julho de 2005 às 10:39
Admiro a coragem de partilhares connosco esta experiência tão dolorosa e admiro a coragem que tiveste para procurar ajuda - pois muitas vezes, quando passamos por algo semelhante nem sempre temos consciência que sozinhos podemos não ser capazes; muitas pessoas não o fazem pura e simplesmente por vergonha, timidez... enfim, um sem número de pretextos. Nem sempre a anorexia nervosa surge por uma questão de querer perder peso; ela pode surgir em momentos menos fáceis da nossa vida em que perdemos o gosto por tudo o que nos rodeia - inclusive, o nosso corpo, aquele que nos veste a alma e que nos serve de veículo todos os dias. Só me resta desejar-te tudo de bom :) beijinhos!!alexandra
</a>
(mailto:alexandrantunes20@gmail.com)


De Selvagem Anónimo a 28 de Julho de 2005 às 10:47
Não é um tema que eu domine, também eu, mas aproveito para enviar um abraço enorme a todas as pessoas que enfrentam situações terríveis, que as colocam nestas situações de tão grande fragilidade, psíquica e física e que sofrem horrores com estes distúrbios alimentares quase mortíferos, sempre mortais para o espírito. Hoje, é um dia funesto porque partilho a enorme dor de uma nossa companheira do bbb. Uma pessoa incrível, linda e mágica, a quem devoto enorme admiração, imensa ternura e um enorme desejo de partilha de emoções. Um beijo do tamanho do mundo para ela, Manuel AzevedoMaslow
</a>
(mailto:manuel_azevedo@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 28 de Julho de 2005 às 10:49
O flyman disse quase tudo. É certo que o excesso de auto-censura nos pode impedir de abrir a valvula de escape, mesmo quando sozinhos. Ou seja, nessa situação não estamos em confronto com nós próprios, mas po-nos do lado de fora e agimos como se estivessemos a observar uma outra pessoa. E nesses casos não se gosta do que se vê. Fomos educados, ou induzidos a assumir comportamentos socialmente correctos e pouco desviantes e transportamos isso para dentro das nossas 4 paredes. É preciso soltar as amarras, nem que seja de vez em quando, quanto mais não seja para não cairmos nestes extremos. formasdolhar
</a>
(mailto:formasdolhar@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 28 de Julho de 2005 às 10:50
Muitas vezes não queremos ouvir nada,nem conselho algum,porque melhor do que ninguém sabemos o que se passa dentro de nós.Relatamos por desabafo... para mostrar que há coisas que não acontecem só aos outros,damos o testemunho, e não queremos que sintam ´´pena``.Um beijo enorme para ti Sem-Nome,e força,muita força.marta
</a>
(mailto:martax_30@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 28 de Julho de 2005 às 10:58
concordo com a marta... só te quero desejar muita força! e és uma mulher de muita coragem em dividir isto conosco. um abraço bem forte sem-nome!*cereza
(http://bbb.blogs.sapo.pt/)
(mailto:lis_tv@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 28 de Julho de 2005 às 11:40
To be perfect is to accept ourselves as we are, and keep learning all the way through the life we live... ("I'm not perfect, no one is perfect!" is a start to achieve this...) :)flyman
</a>
(mailto:flyman_pegasus@msn.com)


De Selvagem Anónimo a 28 de Julho de 2005 às 12:17
Concordo com o que foi dito até aqui, quero deixar um beijo enorme para ti Sem-Nome... e dar-te força...mas muita força.
lua
</a>
(mailto:ermelinda_1955@hotmail.com)


Ah... Comenta-me