Quinta-feira, 14 de Julho de 2005

Astrologia Cármica

Pronto lá fizemos um ligiero intervalo na astrologia, com um debate sobre "jogos preversos"( alias este post continua com o video para receber mais comentarios) vamos ficar com um outro tipo de astrologia... a cármica. Parece-me muito semelhante á teoria Budista.Será de facto possivel reencarnar sempre em algo melhor?


buddha copy.jpg


Já que se falou em astrologia, lembrei-me de partilhar convosco um resumo do que andei a pesquisar sobre astrologia cármica (e não só), que é algo que, confesso, exerce sobre mim algum fascínio...
Não me perguntem se acredito nisto, porque a resposta é: NÃO SEI!


A Astrologia Cármica é um ramo da astrologia que se baseia em duas crenças fundamentais: por um lado, a crença de que a alma existe e, por outro, a crença na reencarnação. Nestas mesmas crenças assenta a técnica da regressão a vidas passadas, de que ultimamente muito se tem ouvido falar.


Partindo do princípio que estes dois pressupostos sejam aceites (e cada um acredita no que quiser), diz a Astrologia Cármica (e não apenas ela)que a alma escolhe o momento (dia, hora, local e situação) em que quer reencarnar consoante os aspectos do carma que queira “trabalhar” no sentido de progredir.


Muitos de nós por vezes usamos o termo “carma” para nos referirmos a aspectos negativos da nossa vida que se apresentam com um padrão relativamente constante e a que também chamamos destino. É assim que muitas vezes damos connosco, desalentados perante (mais uma vez!) uma determinada situação, a exclamar: “não há nada a fazer! É o meu carma!”


Mas não é desse carma que se trata aqui. Convém também referir que, embora seja um denominador comum a muitas religiões orientais, o conceito de carma de que a Astrologia Cármica faz uso insere-se numa lógica daquilo a que hoje se chama a espiritualidade moderna. Não é fácil definir o que é o carma; definem-no como o conjunto de acções e respectivas consequências, podendo ser negativo, quando a acção gera efeitos negativos para a pessoa e para as que a rodeiam (por exemplo, a dificuldade em perdoar, o sentimento de rejeição e tantos outros podem ser exemplos de carmas negativos), ou positivo, o que, por oposição, podemos considerar como as virtudes que possuímos, os talentos que herdámos de outras vidas pelo esforço de progressão que nelas fizemos.


Portanto, cada vez que uma alma reencarna ela procura progredir no sentido de se purificar. O que um astrólogo cármico faz ao ler o mapa astral da pessoa (e atenção que a Astrologia Cármica assume-se como um estudo que se baseia na observação e não em dotes de adivinhação) é desvendar o que essa pessoa trouxe de vidas passadas para a vida presente em termos de carma (negativo e positivo). Usando uma técnica diferente da regressão, o astrólogo cármico examina padrões surgidos no mapa astral da pessoa que revelam material herdado de vidas passadas, ou seja, o carma.


Uma questão que desde logo se levanta é a de saber se as pessoas nascidas no mesmo dia, ano, hora, minuto, segundo e local transportam o mesmo carma. Provavelmente terão carmas semelhantes sim, mas não esquecer que a alma escolhe também a situação envolvente da pessoa em quem encarna; pode, por exemplo, decidir encarnar no seio de uma família pobre ou rica, numa criança filha de mãe solteira ou não, numa criança com uma malformação ou noutra perfeitamente saudável, no seio de uma família em desavença ou noutra equilibrada. Tudo isto, como já disse, dependendo dos aspectos do carma em que ela quer progredir.


Isto pressupõe outra ideia interessante e que é a de que a alma que vai encarnar conhece não apenas o carma que transporta mas as situações por que terá de passar para progredir. Concretizando, a alma que encarna um determinado corpo “sabe” à partida que, por exemplo, essa pessoa poderá ficar órfã em tenra idade ou sofrer um divórcio dos pais, etc, etc... Essa escolha tem, pois, a ver com os aspectos do carma em que a alma quer progredir, que podem ser diferentes das de outra alma que nasça em tempo e local semelhantes.


Outro aspecto que é preciso não esquecer é que depois de encarnar, a pessoa que recebeu essa alma não conhece ou não se lembra das escolhas que ela fez, e daí o seu desalento perante os obstáculos que vai encontrar pela sua vida fora pelo quais a sua alma quis passar.


Cada vida é sempre uma oportunidade para melhorar, mas se o iremos conseguir ou não, depende do nosso livre arbítrio. O futuro depende das escolhas que fizermos no presente.


Se há aqui uma ideia que, de alguma forma, parece tranquilizante e que é a de que não temos apenas uma única oportunidade, também é verdade que se na nossa vida presente não conseguirmos evoluir em termos do nosso carma, na próxima oportunidade poderão as condições ser ainda mais difíceis para conseguirmos essa evolução. Isto porque uma lição não aprendida acumula a outras que ainda teremos de aprender ou, se quiserem, fazendo uso de um ditado popular, “quem semeia ventos colhe tempestades”. Talvez por isso, para nos criar essa intranquilidade, a Igreja mantenha os seus dogmas do paraíso, do purgatório, do inferno e do juízo final...



alic



Impressão Digital Cereza às 00:44
link do post | Rugir | Adicionar aos Favoritos
|
22 comentários:
De Selvagem Anónimo a 14 de Julho de 2005 às 01:58
"Karma- lei budista da causa e do efeito. O karma determina o destino do individuo pela retribuição dos seus actos, bons ou maus, e obriga o espírito que guarda a marca desses actos a assumir um corpo, vida após vida. Tudo o que acontece, individual ou colectivamente, é regido pela lei do karma"-Samsara.
Mas querem ver mais!?
"Há mais de 450.000 anos começam a formar-se Impérios Umbralinos, digamos assim. O Umbral da Terra e dos outros 36 planetas, têm sete dimensões para baixo, cada uma delas subdividida em 7 frequências, o que totaliza 49 níveis de Umbral ou 49 “infernos”, cada um deles com uma regência específica. Foi por estes diversos níveis que estes seres negativados se subdividiram. Desta forma, os Tronos dos Potentados da Luz controlam a nossa evolução e os Tronos Negativados do Umbral controlam a evolução umbralina. E nós estamos no meio! Portanto, nós subimos ou descemos consoante as nossas escolhas e manifestações. Podemos assim explicar as Religiões, o Ocultismo, o Espiritismo, tal como os Comandos Estelares e a verdadeira origem de Lúcifer dentro de todo este contexto."-http://clientes.netvisao.pt/agoraky/lucifer.htm (http://clientes.netvisao.pt/agoraky/lucifer.htm) para esclarecimentos mais vastos.
A minha opinião para isto é simples:
Karmas ou outros nomes vão dar ao irredutivel "Imortalidade"! Se temos almas, é algo que até os gregos discutiam e não estamos assim tão bem esclarecidos como eles. E se nós temos mesmo uma alma... será ela imortal!? E será ela indivisível!? Porque se o é... como explicar o "Boom natalício do século passado e como explicar o haver 6 mil milhões de almas a passear no mundo? voltando ao karma em si... n acredito nesse tipo de coisas pelo simples facto do Homem ser um perfeccionista e dar-se como "imortal espiritualmente" para reparar os seus erros ou por simplesmente ser imaginativo! Acredito antes na verdade cruel de nascermos, crescermos, multiplicamos, vivemos e morremos... sem haver nada dai para a frente!!! Se queremos ser bons, que o sejamos nesta vida porque não vai haver próxima! Suicidal_kota
</a>
(mailto:cromokamikaze@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 14 de Julho de 2005 às 02:36
suicidal, conheço mais ou menos a filosofia budista, e é muito interessante. agora tu....Acredito antes na verdade cruel de nascermos, crescermos, multiplicamos, vivemos e morremos... sem haver nada dai para a frente!!! Se queremos ser bons, que o sejamos nesta vida porque não vai haver próxima!
NÃO MATAS, MAS DESANIMAS :p bolas não quero morrer e acabar!!! :|cereza
(http://bbb.blogs.sapo.pt/)
(mailto:lis_tv@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 14 de Julho de 2005 às 02:44
Olá a TODOS, sem excepção ;) Não sei se será Karma ou Carma as batalhas que travo. Desta vez, foi com a Netcabo que decidiu bloquear o modem pura e simplesmente porque queriam ( eles queriam) que eu comprasse um novo. Claro, comprei logo a correr um novo e mandei-os ir roubar para a estrada. Ganhei. Continuo a ter o meu modem velhinho, que faz parte da mobília e é MEU. Karma versus destino porque de um modo ou de outro, seja nos astros, nas linhas da mão, seja por onde for, está traçado o caminho a percorrer. Com desvios, um cai e pôe-te em pé, um parar e um seguir em frente e um infinito numero de vivências, ele está lá. Depende de nós como o iremos percorrer. Depende de nós deixar que interfiram ou não. Depende de nós e só de nós ser felizes com o que nos é dado no dia a dia sem ambicionar em demasia. Acho imensa piada quando ouço alguém queixar-se .. logo a mim, mas que fiz eu para merecer isto? É karma .Mas porquê a mim? Porque .. porque, porque nem todos os porqûes se questionam. Karma seria se as pessoas parassem por, nem que fossem uns breves minutos e agradecessem algo tão simples, como o acordar de manhã, o tudo o que já tiveram e ainda têm e chegar ao fim do dia e agradecer mais um dia, por menos bom que tenha sido, porque mesmo assim algo de bom tiveram, acordaram. Já vai longo o meu discurso e não tarda está maior que o post mas a vontade que tenho é de continuar a escrever. Fica pra mais logo .
Beijinhos e Obrigada por estarem aí :-)constancinha
</a>
(mailto:ola_cuscas@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 14 de Julho de 2005 às 09:45
Aqueles que me conhecem sabem que sou céptica em relação às "ciências" ocultas. Não acredito em reencarnações e custa-me um pouco a compreender como é que alguém achas possível vir a ser uma formiga numa próxima vida?? Agora, reportando-me directamente ao texto em causa, consigo ncontrar-lhe algum sentido, partindo do conceito de karma. Tal como o Suicidal-kota afirmou, e bem, karma significa lei de causa e efeito. Ora aí está uma coisa simples, as grandes verdades são simples. Não me venham cá falar de destinos, vidas passadas, etc, mas se me disserem que quem faz o bem recebe o bem e quem faz o mal recebe o mal, aí concordo plenamente. A nossa felicidade constrói-se a partir da felicidade do outro e, se nos esforçarmos por fazer o outro feliz, acabaremos por ser também. Um beijo para todos!! (May the force be with you :P - apeteceu-me) Safira
</a>
(mailto:saphireonearth@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 14 de Julho de 2005 às 10:19
Desisti de tentar encontrar explicação para o inexplicavél.Acredito na minha verdade em que tudo isto não pode acabar aqui e ser apenas pó.(esta é outra faceta importante do blog,a pesquisa que por vezes fazemos,quando encontramos um tema,uma palavra...)Beijooooooooo Alic.marta
</a>
(mailto:martax_30@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 14 de Julho de 2005 às 10:36
Não sei se há reencarnação ou não, mas se houver, deem-me um tempinho de descanso sff. Esta não está nada facil de aguentar. Mas, se como foi dito a reencarnação é a hipotese de melhorar...que é feito daqueles que não tiveram tempo para o fazer? A teoria aí não funciona, acho eu. Funcionaria se fosse acrescentado que a reencarnação também serve para melhorar ou piorar a vida doutro reencarnado...e ditp isto, acho que me tornei mais céptico sobre esse tema.formasdolhar
</a>
(mailto:formasdolhar@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 14 de Julho de 2005 às 11:02
Há alguns anos li um livro que me abriu novos horizontes e perspectivas sobre este assunto: o da VIDA. "A Profecia Celestina" de James Redfield. Em determinada altura, abordava este tema da escolha da alma sobre o momento, o local e a família onde pretendia encarnar, para evoluir, ao deixar o seu grupo de almas. Para mim, nós somos acima de tudo, energia consciente. Lavoisier dizia que "Na natureza, nada se perde, tudo se transforma". Pode isto ser uma explicação científica para a morte? Quando morremos, essa energia consciente é libertada. Agora se passa a fazer parte de um todo ou se continua com uma individualidade própria, só quando lá estiver é que ficarei a saber. O que eu tenho consciência, acima de tudo, é da efemeridade do nosso momento. Quer isto dizer, que enquanto estou a escrever este comentário, não tenho a certeza de o conseguir acabar (ainda para mais porque me parece que vai ser longo eheheh). Como é que isto molda o meu pensamento? Exactamente da maneira como a constancinha comentou: "...as pessoas parassem por, nem que fossem uns breves minutos e agradecessem algo tão simples, como o acordar de manhã...", ou seja viver a esta vida, procurando estar permanentemente de bem comigo e com os outros... e como isso é difícil, por vezes!... Quando se é novo (e eu vou achar toda a vida que o sou lolol), não se pensa na morte a não ser quando se vai a funerais. Esquece-se no entanto, que a morte não é um exclusivo dos idosos. Ás vezes só se tem noção disso quando nos é posto directamente à frente dos olhos. Então é o choque: que não era chegado o momento, que é injusto e por aí fora... Não há dúvida que esse sentimento é bem real, o de uma missão interrompida... mas será que o foi?... Importante para mim, é que cada acção gera uma reacção, lei da física transportada para a nossa vivência bem patente no dia-a-dia. Todas as principais religiões tentam mostrar-nos o caminho do bem. Não há nenhuma que mande matar, torturar, esfolar. A interpretação que certos espíritos distorcidos, os tais que têm de cá voltar inumeras vezes, é que subverte o seu sentido... Já me disseram que faço parte de um grupo de almas muito antigo (leia-se sabedor... lol), por isso aproveitem-me enquanto cá ando... é que posso não voltar... :pp LLLLOOOLLLLflyman
</a>
(mailto:flyman_pegasus@msn.com)


De Selvagem Anónimo a 14 de Julho de 2005 às 11:11
Há tantas versões sobre o significado do karma (que escrito em português é mesmo Carma) mas todas convergem mais ou menos para as mesmas conclusões. No entanto por mais que se estude, pesquise ou tente comnprovar factos, é um tema que permanecerá sempre envolto em mistério. Por ser mistério é que nos atrai tanto? ou porque temos algum receio? é que de facto, não difere assim tanto das ideias da Igreja Católica: inferno, céu e purgatório- a alma irá para um destes consoante o caminho que o individuo escolheu em vida, mas será uma vida em "estado de alma". Mas no caso dos Hindus por ex, que acreditam na reencarnação num "estado de corpo", o individuo não escolheu por vontade própria fazer o mal ou o bem, ou seja ele é vítima do karma. Ou seja, nós somos marionetas cármicas e a vida pela terra representa o purgatório onde vamos aprender a lição para podermos evoluir. Por outro lado, sendo vitimas do karma, daquilo que a pessoa fez na vida anterior, será lógico entender que o bom será devolvido com o bom e o mau com o mau. Por isso tudo o que acontece ás pesoas é justificado: uma criança maltratada, um assassinio, o holocausto dos judeus, foi tudo merecido pelo que fizeram no passado! Esta ideia é um bocado horripilante para eu a aceitar..
De qualquer modo, prefiro pensar que estamos na Terra por alguma razão e que tudo não acaba quando acabar a Vida. Não. Tem de haver mais. Ou nada terá tido significado. Mas não duvido, tal como os hindus que "qualquer acto que cometemos, por mais insignificante que seja, voltará a nós com igual impacto". Tudo isto permanecerá um mistério, e para toda a eternidade.morgaine
</a>
(mailto:lab_marta@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 14 de Julho de 2005 às 11:11
Ás vezes quando se estou a escrever um comentário, deixo-me ir ao sabor da corrente do pensamento imediato. Depois ao lê-lo, verifico que o sentido que lhe queria dar, não é exactamente o que ficou escrito. Isto a propósito das "missões interrompidas"... Inquestionável é a imensa dor provocada por essas situações. E mais não digo.flyman
</a>
(mailto:flyman_pegasus@msn.com)


De Selvagem Anónimo a 14 de Julho de 2005 às 11:21
Agora está explicado, porque é que eu uso tanto a expressão: "devo ter feito mal a alguém na minha outra encarnação". Pelos vistos o meu carma tem tendência a não aprender nada, mas também se eu não aprendo, como há-de o meu carma evoluir? Um texto muito, mas mesmo muito, interessante. Apesar de não pensar muito nestas coisas de carmas, astrologia, magia,etc., é bastante interessante esta coisa de Astrologia Cármica. Por acaso da experiência que tive no Rio de Janeiro, foi-me "revelada" a minha anterior encarnação que por sinal foi até intrigante. Mas lá está....cada um acredita naquilo que quer acreditar. Não vou negar que não gostaria de ter uma leitura do meu carma, apenas por mera curiosidade. Mas tal como na outra experiência que tive, não iria viver em função disso. Digamos que respeito e gosto de conhecer. E concordo plenamente com o Suicidal_kota, quando diz: "Se queremos ser bons, que o sejamos nesta vida porque não vai haver próxima!". Eu juro que tento, não vá o diabo tecê-las :P jokinhas!
^Erina^
</a>
(mailto:paula_m_sousa@hotmail.com)


Ah... Comenta-me