Segunda-feira, 4 de Julho de 2005

Eu Flyman me confesso!

Caros amigos, hoje temos algo de verdadeiramente inédito! Um declaração de amor “em directo” no UJ do nosso “paineleiro” Flyman, á nossa relacções publicas ^Erina^. Nunca tal tinha acontecido neste blog.... Nunca houve, digamos uma troca de afecto tão explicita! Nós desafiamos o Fly a fazer esta declaração, e ele mostrou-se um homem de coragem, sim senhor! É que não é para todos! Estou cansada de dizer que o nosso Fly nunca mais foi o mesmo desde que conheceu a nossa bela Erina.
Ei meninos, mas nada de abusos, ok?


esta copy.jpg


No post “Essas Belas Criaturas” fui desafiado a fazer uma declaração de amor à minha amada em frente desta gente toda, que frequenta a selva mais bonita da net. Apesar de na altura o ter feito de uma forma despachadamente brincalhona eu, emocionalmente desavergonhado me assumo, e aqui vai para a ^Erina^:



Meu Amor:
És o ar que respiro
O Sol do meu dia
A estrela da minha noite
E a Lua que ilumina
A beleza onde me inspiro
És a alegria do meu viver
A tranquilidade do adormecer
A cor dos meus sonhos
Permanência no meu pensamento
Que durará até eu morrer
És o consolo dos dias tristes
O remédio para a minha doença
A fonte que me acalma a sede
O pão que me alimenta
Na minha alma tu persistes
És o prado mais lindo
A montanha mais alta
A planície mais suave
O mar ameno onde mergulho
O regato que corre rindo
És tu quem me aquece
E a brisa que me refresca
A bússola que me orienta
A vela que empurra o meu barco
Ao destino que apetece
És tudo quanto preciso
A flor do meu jardim
O aroma delicado
Que desperta em mim
Sentimento tão conciso
És o cometa que rasga o meu universo
O arco-íris suspenso no meu céu
A estrela cadente
No meu desejo ascendente
Na imaginação em que me disperso
És toda a minha defesa
Quando me encontro frágil
E todo o meu ataque
Quando me encorajas
És a minha chama acesa
És o gosto que gosto de saborear
A suavidade que gosto de tocar
Na nudez que me excita
Furacão de sentimentos
De tudo o que tenho para amar
És a minha razão de ser
Sem ti estaria perdido
E todos os dias o sentido
Deste sentimento de prazer
Eu só sei que nada sei
Mas do pouco que sei
Sei que ainda muito tenho para aprender
Até te amar com todas as forças do meu saber
Que a chama nunca se apague
Amo-te



Flyman, 29.06.05



Impressão Digital Cereza às 22:47
link do post | Rugir | Adicionar aos Favoritos
|
70 comentários:
De Selvagem Anónimo a 4 de Julho de 2005 às 22:59
Bem palavras para q ? Eles sao demais... agora sei pq a ^Erina^tem akeles chapelinhos, vejam melhor... ñ sao chapelinhos, mas sim asas... as asas do seu amor Pegasus... :) Felicidades aos dois... Criador_Sonhos
(http://criadorsonhos.blogspot.com)
(mailto:miguel24lx@sapo.pt)


De Selvagem Anónimo a 4 de Julho de 2005 às 23:02
Ai, simplesmente adorei. Uma declaração muito bonita! Parabéns flyman :D Lindíssimo. Ter namorados destes dá gosto :X Sim, sim, eu gosto de declarações, sou muito romantica, e TIMIDA :P eheh. Quer dizer, se não houver declarações também não faz mal. Porque o que interessa não são os textos mas os sentimentos que levaram o autor a escreve-lo. E sinceramente, prefiro o sentimento ao texto em si. Más tá belo. :) Bjinhos pa todos! Estou generosa ainda :DBárbara (Narag)
(http://naragturg.blogspot.com)
(mailto:barbara10sofia@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 4 de Julho de 2005 às 23:11
O amor é lindo, mesmo depois de 23 anos. Parabéns aos dois! Alimentem bem esse sentimento e que ele vos acompanhe pela vida fora!Starry-Night
</a>
(mailto:martiniquex@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 4 de Julho de 2005 às 23:17
Realmente dá gosto um amor assim...Erina, deves-te estar a sentir uma princesa, um amor destes não se vê todos os dias. Além de uma declarção sincera, o afortunado Flyman também tem jeito para a escrita. Auguro-lhes um futuro muito feliz, metade já eles têem!
Beijos...frisco
</a>
(mailto:frisco@sapo.pt)


De Selvagem Anónimo a 4 de Julho de 2005 às 23:25
Eles ali estão, sentados sobre a areia e de olhos postos no além...
Sorriram ao mar, afinal eles eram seus naquela altura, eram seus como a aurora que banhava tudo, simples, transparente e pura.
De olhos perdidos nesse azul distância e ser, estátua da ânsia....
Construíram um castelo e lá guardaram sonhos, rodeou-os de esperança por isso os seus jardins eram verdes.
Deixaram-se passear pelas alas de lembrança daquele seu castelo em frente ao seu mar!
E com os olhos a boiar nas ondas mansas do mar,
Com o mar a baloiçar nas ondas dos seus olhares...
O espelho de água mostrou-lhe miragens o tal passado que andava a solta, eles sorriram e limparam as ondas que andavam pelas suas faces à solta!
Deram as mãos ao sonho, ao mar e ao seu castelo, guardaram num lugar seguro e juraram não mais esquece-los! Lindo o vosso amor… Parabéns…
luadourada--
</a>
(mailto:ermelinda_1955@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 4 de Julho de 2005 às 23:41
luadourada-- comentário lindíssimo! :D Bjinhos!Bárbara (Narag)
(http://naragturg.blogspot.com)
(mailto:barbara10sofia@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 5 de Julho de 2005 às 09:43
Já refeita do meu choque inicial, que foi muito grande :P, está realmente muito lindo, são palavras lindas as do flyman. Aproveitando as palavras desse poema, "Eu só sei que nada sei
Mas do pouco que sei
Sei que ainda muito tenho para aprender
Até te amar com todas as forças do meu saber
Que a chama nunca se apague
Amo-te" *
^Erina^
</a>
(mailto:paula_m_sousa@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 5 de Julho de 2005 às 10:01
Adorei! Flyman, provaste que és um Homem com "H" maiúsculo. ^Erina^, tens de ser fantástica para seres amada desta maneira. Vocês são os maiores, adoro-vos! Um beijo da sobrinha que se rendeu aos vossos encantos. Safira (Ana)
</a>
(mailto:saphireonearth@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 5 de Julho de 2005 às 10:18
Numa relação desta natureza entre duas pessoas, há momentos em que a chama arde com a força de uma erupção solar, noutras é um vulcão em actividade, depois pode ser um maçarico que faz derreter metal, um bico de fogão que faz ferver a água ou uma vela que se esforça por se manter acesa ante os ventos tempestivos que de vez em quando sopram... Importante é nunca a deixar apagar e nesses momentos menos bons, ter a esperança e a certeza de que a tempestade não vai durar sempre. Aliás, depois dela ter passado, a estrutura é reforçada e aguenta com outras ainda maiores... Atrevo-me a deixar aqui um desafio: aproveitem a onda e surfem em declarações aos vossos amores... Parece que nunca é demais... quando achamos que temos tudo por garantido, é quando pode vir um furacão, daqueles que arrasam tudo à sua passagem. luadourada-- agradeço o teu comentário que me faz voar sem sair do chão. Apesar de pouco ter falado convosco no almoço, também vos consigo ver nesse cenário... um beijo. :)flyman
</a>
(mailto:flyman_pegasus@msn.com)


De Selvagem Anónimo a 5 de Julho de 2005 às 10:23
Safira! Desde o teu primeiro comentário que eu disse à ^Erina^ que eras tu!!! Tô contenti!... LOLflyman
</a>
(mailto:flyman_pegasus@msn.com)


Ah... Comenta-me