Domingo, 1 de Maio de 2005

Para todas as mães...desta selva urbana

Resolvi publicar este texto da Morgaine, por uma razão muito especial... Não foi escrito por ela... mas recitou-o, penso que num teatrinho quando devia ter uns 7 aninhos... Se estiver errada ela corrige-me! Conseguem imaginar a Morgaine toda envergonhada a ler este poema. Ora aqui vai:







Quando a semente está escondida
É pequenina sem se ver
É a Mãe Terra que a sustenta
E lhe dá Vida
Até a flor nascer


Quando o pássaro quer sair do ninho
E viver e voar sozinho
E mergulhar no céu profundo
Mas não sabe o caminho
E tem medo do mal que há no mundo
É a mãe que o anima:
- Filho, não pares! Mais acima, não tenhas medo de cair
- Filho, não pares, mais acima! Subir, subir , subir...


Assim ó Mãe, és tu para mim
Deste-me o berço e a vida
E agora que sou mais crescida
Tu fazes como a mãe do passarinho
E é este o maior bem que o teu amor me deu
Ensina-me a voar, para alcançar o céu!


Morgaine




gravida copy.jpg

(Recebi esta foto por mail há uns meses... felizmente chegou o momento de a publicar...Linda!)


ENCONTREI ESTE TEXTO NA NET, E ACHEI MUITO INTERESSANTE...


Quando bebê me agarrei ao ventre,

Daquela que me fez gerar,
Comecei como uma pequena semente a germinar
Pois ali naquele leito não me faltava calor,
Nem tão pouco amor,
Que já no começo da vida sabia cativar, e respeitar...


Quando dormias sentia o seu coração a pulsar,
Era minha música preferida ,
Era a minha canção de ninar.


Um dia ao sentir Ela triste num canto,
Fiquei pensando no porque daquele pranto
Pois ali Eu estava para te amar e alegrar.


Foi quando o motivo vim saber,
Minha formosa Mamãe era sozinha
Tinha dias que nem o pão tinha,
Para naquele momento comer...


Ficava preocupada comigo, mas eu já era forte,
Já tinha até suporte, pra vida que fui escolher
Hoje em forma de poesia venho a lhe agradecer,
Pedindo sempre a Deus para lhe proteger,
Pois sem ti minha Mãe querida
Eu não teria a abençoada oportunidade de
Viver...



Autor: Denilson Ferreira da Silva



============================


Agora um aparte: quem vai ver os Reamonn?
ALMOÇO: SESIMBRA OU FIGUEIRA?


Impressão Digital Cereza às 00:54
link do post | Rugir | Adicionar aos Favoritos
|
25 comentários:
De Selvagem Anónimo a 1 de Maio de 2005 às 09:09
Embora a minha mae esteja longe, e me dê cabo da cabeça vezes sem conta lolll um enorme beijo. adoro.te
EU VOTO SESIMBRAcereza
</a>
(mailto:lis_tv@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 1 de Maio de 2005 às 10:03
Há muito que não tenho a minha Mãe...penso muito nela à distância, sofreu muito, no tempo da guerra ao ver o seu pai a afundar-se.
Quanto ao almoço voto Figueira, mas a outra opção também me serve. francisco
</a>
(mailto:frisco@sapo.pt)


De Selvagem Anónimo a 1 de Maio de 2005 às 10:07
Para mim, tanto faz... Sesimbra, ou Figueira. Desde que tenha boleia... eheheheh.
Os poemas estão lindos. :)
Hoje vou levar a minha mãe ao cinema. Meia volta, gramo os filmes lamechas que ela tanto gosta... hoje dedico-lhe a minha atenção, nisso.Queen_Akasha
</a>
(mailto:naomeapetece@dizer.pt)


De Selvagem Anónimo a 1 de Maio de 2005 às 12:40
Palavras para q ? mãe é mãe, por vezes tenho confusões e discussões com ela, mas adoro-a...

Almoço pode ser sesimbra :) / Reamonn não seiCriador_Sonhos
(http://criadorsonhos.blogspot.com)
(mailto:miguel24lx@sapo.pt)


De Selvagem Anónimo a 1 de Maio de 2005 às 13:06
Partilho com vocês aquilo que transmiti à minha mãe:
Mamã querida….

Os anos passam e imaginei-me,
Parecida contigo….

Ensinaste-me a ser eu,
Mesmo quando os outros não estão de acordo….

Ensinaste-me a ser generosa,
Quando sou egoísta.

Ensinaste-me a amar,
Sem medo de não ser amada.

Ensinaste-me a desejar envelhecer,
Tal como tu o fazes…

A não ter medo da solidão,
Quando temos tantos a quem amar.

Uma coisa eu sei,
Nunca terei a magia de tudo que te rodeia…
Mas ensina-me a não ter medos!

Amo-te mami querida
Majoca
</a>
(mailto:manejorge@mail.telepac.pt)


De Selvagem Anónimo a 1 de Maio de 2005 às 13:07
Os espaços ficaram mal...mas paxenxaaaaaa...BejosssssssMajoca
</a>
(mailto:manejorge@mail.telepac.pt)


De Selvagem Anónimo a 1 de Maio de 2005 às 13:09
Um obrigada à minha mãe por se ter engalfinhado com o meu pai e, juntos através dos tempos difíceis que se viviam há 45 anos atrás, me ter concebido, transportado no ventre e dado à luz, trazendo-me a esta selva a que chamamos de mundo, onde, encaminhada pelas suas mãos calejadas pelo trabalho árduo, aprendi primeiro a andar e depois a correr através dos caminhos da vida. Ora sorrindo, ora chorando, mas sempre grata por ter nascido! Chegou a minha vez de ser mãe e tenho-o sido o melhor que posso e sei, trabalhando e investindo no sentido de fazer dos tesouros que trouxe a este mundo, pessoas felizes, lindas, generosas e possuidoras de algo de positivo para darem de si ao mundo. Se o vou conseguir ou não, não o posso de todo prever, mas contará o esforço e a dedicação à única causa que nunca consideramos perdida, nomeadamente a defesa do bem estar, a todos os níveis, dos nossos filhos! À minha mãe, aos meus filhos e aos anjos que têm contribuído para o sucesso desta minha espinhosa de ser mãe portuguesa (no estrangeiro), um obrigada do tamanho do mundo. I love you all!Starry-Night
</a>
(mailto:martiniquex@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 1 de Maio de 2005 às 13:14
Um obrigada à minha mãe por se ter engalfinhado com o meu pai e, juntos através dos tempos difíceis que se viviam há 45 anos atrás, me ter concebido, transportado no ventre e dado à luz, trazendo-me a esta selva a que chamamos de mundo, onde, encaminhada pelas suas mãos calejadas pelo trabalho árduo, aprendi primeiro a andar e depois a correr através dos caminhos da vida. Ora sorrindo, ora chorando, mas sempre grata por ter nascido! Chegou a minha vez de ser mãe e tenho-o sido o melhor que posso e sei, trabalhando e investindo no sentido de fazer dos tesouros que trouxe a este mundo, pessoas felizes, lindas, generosas e possuidoras de algo de positivo para darem de si ao mundo. Se o vou conseguir ou não, não o posso de todo prever, mas contará o esforço e a dedicação à única causa que nunca consideramos perdida, nomeadamente a defesa do bem estar, a todos os níveis, dos nossos filhos! À minha mãe, aos meus filhos e aos anjos que têm contribuído para o sucesso desta minha espinhosa missão de ser mãe portuguesa (no estrangeiro), um obrigada do tamanho do mundo. I love you all!

Starry-Night
</a>
(mailto:martiniquex@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 1 de Maio de 2005 às 16:11
Obrigada mãe....

Ser mãe é dar doçura/
È sofrer sempre a sorrir/
È ofertar só ternura/
É dar, sam nada pedir


Quanto ao almoço VOTO Sesimbraluadourada--
</a>
(mailto:ermelinda@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 1 de Maio de 2005 às 18:53
a minha momi é na mesma a melhor do mundo!!!!morgaine
</a>
(mailto:lab_marta@hotmail.com)


Ah... Comenta-me