40 comentários:
De Marilia Gonçalves a 28 de Abril de 2010 às 10:43
Com testemunhos como os vossos escreve-se História
seria interesante visitarem e comentarem o blogue Liberdade e Cidadania, criado por Capitães de Abril como o Andrade da Silva que foi o primeiro Oficial a vir para a rua com as suas tropas na madrugada do 25 de Abril
Blogue onde também escrevo e onde vossos sinceros testemunhos seriam de grande utilidade
Fico à vossa espera
Com meu Abraço de Abril
Marilia Gonçalves


De Selvagem Anónimo a 25 de Abril de 2005 às 12:19
Nunca esquecerei a maravilhosa gama de sentimentos e emoções que senti neste dia da minha juventude...feliz de mim por ter vivido esse dia:))) bejos a todosMajoca
</a>
(mailto:manejorge@mail.telepac.pt)


De Selvagem Anónimo a 25 de Abril de 2005 às 12:19
São estas cenas que me fazem acreditar mesmo que não passo de um fedelho ... Passo o dia em frente ao PC ou a fingir que estudo, quando há 31 anos havia jovens da minha idade a lutar pela minha liberdade ... Obrigado a todos eles!! Fica aqui tambem uma palavra em memória de Salgueiro Maia, por quem nutro uma admiração enorme. Até Sempre ...Fonz
</a>
(mailto:malcato@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 25 de Abril de 2005 às 12:50
Também eu, como o Fonz, ainda por cá não andava nesse histórico dia. Só tenho pena que as gerações seguintes, como a minha, não valorizem suficientemente a Liberdade, tal foi o esforço feito por todos aqueles que soferam na pele a opressão, durante décadas. Até eu, que prezo muitíssimo todo o tipo de liberdades (e libertinagem lololol), acho que não valorizo suficientemente. Mea culpa!WG
</a>
(mailto:a@a.com)


De Selvagem Anónimo a 25 de Abril de 2005 às 13:24
Para mim foi um dia de pânico,sem saber no que ia dar tudo o q estava a acontecer.Com um irmão no Ultramar,e outro em Tancos,foi um dia complicado...Apesar de pequena, e por razões familiares,já tinha a noção,e sentia o medo do q era a repressão...a P.I.D.E. e todo aquele regime.Acabou tudo em bem!!Felizmente.Obrigada Francisco.:)**marta
</a>
(mailto:martax_30@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 25 de Abril de 2005 às 15:25
Era míudo quando ocorreu o 25 de Abril.Mas desse dia recordo-me de uma imagem e de uma atitude. A imagem era a do francisco sousa tavares empoleirado numa árvore com um megafone no Largo do Carmo aquando do cerco, não sei porquê essa ficou-me cá. A atitude foi a da minha mãe que ao saber o que se estava a passar foi ao quarto buscar o livro do Spínola "Portugal e o Futuro", que tinha escondido lá no fundo de um armário e foi colocá-lo na estante do escritório.Disso, pelo menos, nunca mais me esqueci.Louis_Phere
</a>
(mailto:jmcfilipe@oninet.pt)


De Selvagem Anónimo a 25 de Abril de 2005 às 16:09
Andava na escola primária e nesse dia fomos mandados para casa, pouco depois de lá chegarmos. Percebi que qualquer coisa de muito importante se estaria a passar. Quando cheguei a casa e perguntei à minha mãe o que era aquilo, ela receosa, explicou-me que eram os militares que estavam a fazer uma revolução para acabar com o governo de Marcelo Caetano. Do alto da consciência política dos meus 8 anos disse que achava muito bem. Ela, assustada como nunca a tinha visto, mandou-me calar imediatamente... Recordo esse momento de uma forma muito viva. Foi o meu primeiro e único contacto com o "lápis azul" ou a mordaça da censura. Chocou-me, ficou na memória, ainda mais por não compreender que era uma atitude protectora. Estava-se a meio da manhã desse dia e nada estava definido... 31 anos passados, emerge para mim, sem qualquer dúvida, o grande herói da Revolução dos Cravos: o capitão Salgueiro Maia! A coragem deste Homem durante a acção, e depois a humildade, retirando-se de palco, sem guardar para si benefícios especiais, são para mim factores de uma absoluta admiração. São portugueses raros de uma elevação extraordinária, comoventes e inspiradores, até... São exemplos destes que deviam fazer parte dos programas educativos nas escolas primárias. Quanto ao espírito de Abril, cabe-nos a nós a responsabilidade que não se apague, e façamos com que o lápis azul escreva cada vez mais fininho, até parar de deixar marca. flyman
</a>
(mailto:flyman_pegasus@msn.com)


De Selvagem Anónimo a 25 de Abril de 2005 às 16:29
Outra coisa extraordinária neste post: O facto de o neto de outro grande português, a quem até agora, ainda não foi reconhecido o devido valor, com os mesmos princípios que no outro comentário reconheço ao cap. Salgueiro Maia, de não se desviar daquilo que achava certo e de uma enorme coragem, participar activamente, por força das circunstâncias, na acção que leva ao derrube de um regime que não soube honrar esse seu antepassado! A história a acertar coisas mal resolvidas do passado... Quase parece que o destino é o melhor corrector dos erros dos homens... assim por acaso...flyman
</a>
(mailto:flyman_pegasus@msn.com)


De Selvagem Anónimo a 25 de Abril de 2005 às 17:49
tem graça a recordação que me trazes com este post.Lembro-me, devia ter uns 6 anos mas lembro, que ainda não conhecia Portugal porque o m eu pai nao se atrevia a vir para cá, falava demais e havia cá um gajo da pide que já lhe andava no encalço e um primo dele já estava preso. Tudo o que eu sabia deste país e do marcelo era me contado por ele, e eu fazia tantas perguntas.. Nesse dia memorável, deu na rádio que algo se passava e o m eu mano pouco na altura com 10 ou 11 andava doido. O meu pai chegou mais cedo com a alegria estampada no rosto. Já sabia e o patrao mandara os portugueses para casa para festejarem. Conheci Portugal pela primeira vez em agosto. Era tão branco...morgaine
</a>
(mailto:lab_marta@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 25 de Abril de 2005 às 18:19
Não vou falar do 25 de Abril... vou sim falar do Francisco! Uma pessoa que admiro cada dia mais. Quando ele me falou deste acontecimento, do facto de ter feito parte dos militares sob o comando do capitão Salgueiro Maia, fiquei fascinada e pasma... como é possivel, uma pessoa, uma familia ter tal influência na história do nosso País.. e ser tão simples, humilde e prestável? O Francisco apareceu aqui por mero acaso... e deixou-nos textos fascinantes, encantou todos! Pessoalmente tenho uma rara admiração por ele... aflige-me não poder ajudar mais... muito mais, na reconstrução da casa que pertenceu ao avô em Cabanas de Viriato! Corta-me o coração saber que pessoas com a importância de ARS, continuem esquecidos, ou sejam meros desconhecidos do povo português.
E agora esta história... o que eu não diria para ter estado no teu lugar... Fizeste história! A vida de facto tem destas coisas... o salazar fez o que fez ao teu avô, e tu fizeste cair esse regime, logo sob as ordens de Salgueiro Maia... outro homem, que é quase um desconhecido para a maioria do povo portugues.
Estava hoje a ver televisão... e não vi uma unica imagem do Capitão de abril...É triste como os verdadeiros herois, ficam sempre na rectaguarda, ninguém se lembra realmente deles, ninguém parece se importar.
Francisco, eu admiro-te muito...a ti e aos teus... e quero agradecer os momentos fantásticos que tens dado a este blog, e a todos quanto o visitam! Já agora, há mais algum pedaço de história na tua familia, que não nos tenhas contado? É que daí eu já espero tudo!(eu acho que há... algo sobre o desembarque na Normandia, certo?)
Francisco um abraço do tamanho do mundo!
ps: desculpem mas tive de escrever isto á pressa!cereza
</a>
(mailto:lis_tv@hotmail.com)


Ah... Comenta-me