21 comentários:
De Selvagem Anónimo a 22 de Abril de 2005 às 08:59
A musica tudo devo penso eu...dela fiz profissão....dela tirei inspiração...a ela devo os meus amparos....as minhas alegrias....por vezes tento imaginar como seria se ela não existisse..."grande vazio não?"...bom vou me mas e despachar que hoje ainda quero bailar mas bem longe daqui ehehehehe...bom fim de semana a todos [][] & * * *heaven-hell
(http://heavenhell72.blogspot.com)
(mailto:heavenhell72@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 22 de Abril de 2005 às 09:30
Cada situação tem a sua música particular, mas há situações particulares que marcam particularmente. Hoje estou redundante. Mas Cereza, neste momento estou-me a lembrar da voz da Tina Turner a cantar ao longe... "who needs a heart when a heart can be broken?"Louis_Phere
</a>
(mailto:jmcfilipe@oninet.pt)


De Selvagem Anónimo a 22 de Abril de 2005 às 09:37
Louis de que vale a vida, se não corrermos esse risco.:)
Esta musica pra mim é daquelas que me transporta para bem longe daqui...momentos muito muito felizes que ainda perduram!!! Ainda por cima nessa altura conheci o Alejandro Sanz...conversei com ele, falamos desta música, de Espanha, de futebol (que ele não liga muito, apesar de ser do Real), e clarooo do FIGO! lol muito simpático o rapaz...até fui ao concerto dele...mas preferia ter conhecido o Cortéz!!! ehehehe Já há anos que quero ver um espectáculo dele e ainda não consegui, e JÁ tive um bilhete na mão, mas não deu para ir! Bolas, morro se não vejo um espectáculo deste homem! OLÉ!cereza
</a>
(mailto:lis_tv@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 22 de Abril de 2005 às 10:04
Musica... A musica pode ser uma arma, q transporta mensagens destrutivas, pode ser um meio de transporte pela paz, pode unir ou separar pessoas e mesmo povos... é um "veiculo de transporte" muito forte... Ha musicas q me fazem lembrar muitos bons momentos, mas devo dizer q a q mais me marcou muito, é claro tem a ver com a minha sobrinha e devo agradecer a Cereza, por me fazer conhecer essa bela musica do David Bowie, aquando do meu artigo aqui postado sobre o meu anjo, devo dizer como ja sabem q a minha sobrinha é tudo para mim, desculpem ser repetitivo, mas é assim mesmo... escrevi aquele texto com muito amor por ela e qd o li aqui e com akela musica, devo dizer q fikei apaixonado pela musica e todos os dias a ouço... Cereza, obgd por tudo ... e a todas as outras pessoas q me aturam, o meu muito obgd... Criador_Sonhos
(http://criadorsonhos.blogspot.com)
(mailto:miguel24lx@sapo.pt)


De Selvagem Anónimo a 22 de Abril de 2005 às 10:13
A música é qualquer coisa que nos move, que mexe connosco. Em todos os géneros musicais, sempre alguém encontra a sua. Há aquelas que nos fazem recordar coisas boas, outras más, a musica tem um poder fantástico sobre nós. Trabalhamos, viajamos e fazemos as nossas vidas do quotidiano muito melhor ao som da música. aiiiiiiiiii!!! "She will be loved!!!" (lá teria de me sair :P)^Erina^
</a>
(mailto:paula_m_sousa@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 22 de Abril de 2005 às 10:18
Não sou das pessoas que mais importância dá à música. Daí que normalmente não associo músicas a situações ou pequenas temporadas. Aliás, 90% da música que oiço é rádio, no carro, o que diz praticamente tudo. No entanto, e pode parecer paradoxal, gosto de música, não me dá é para estar a ouvir a toda a hora. Apesar de ter uma razoável colecção de uns 2.000 mp3, raramente oiço, mas até é mais porque me desconcentra o trabalho. Ultimamente estou irreconhecível porque para o novo PC só copiei os mp3 de música clássica, quem diria?!?! Lol Se alguém tivesse vaticinado isso há uns anos ter-me-ia rido bastante, sem dúvida :). Para salvar a situação desta decadência, devo agradecer a generosa oferta de uma música dos Gift, “I’m doing for...” que me deixou quase como o Alejandro Sanz ;)WG
</a>
(mailto:a@a.com)


De Selvagem Anónimo a 22 de Abril de 2005 às 10:18
Para mim a musica é facilmente associada a situações e tenho vários exemplos de musicas que vou deixar aí, não vou é descrever as situções. Cusquice sim, mas nem tanto :PPP
Aí vai:
- I want to be adored (Stone Roses)
-Atmosphere (Joy Division)
-She (Elvis Costello)
-Marlene Dietrich's Favourite Poem (Peter Murphy)
-A Strange Kind of Love (Peter Murphy)
-Blister In The Sun (Violent Femmes)
-Love Will Tear Us Apart (Joy Division)
-Love Song (The Cure)~
-This Monkey Goes To Heaven (Pixies)
Há mais, muitas mais, mas não quero ser demasiado exaustivo. Por falar nisso, vou reviver o passado e ouvir algumas delas. ********* [[[[[]]]]]formasdolhar
</a>
(mailto:formasdolhar@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 22 de Abril de 2005 às 12:48
Para mim a musica é talvez a paixão das paixões nesta aventura dos sentidos. Além de todo o prazer acústico (físico), alimento a alma com horas de musica todos os dias. Depois, há aquelas musicas que eu adoro dançar nú da cintura para cima. Apresentem-me uma morena belíssima que eu a farei dançar, também ela nua da cintura para cima, obviamente, toda esta musica que trago na alma...Um beijo deste V/ Anjo, MaslowMaslow
</a>
(mailto:manuel_azevedo@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 22 de Abril de 2005 às 13:21
Ai as músicas da minha vida...
"This One's From the Heart"-Tom Waits;
"Another day"-Cocteau Twins
"Life on Mars"-David Bowie;
"A Song for Europe" - Roxy Music;
"She brings the rain"- Can
Tex
</a>
(mailto:texazinha@iol.pt)


De Selvagem Anónimo a 22 de Abril de 2005 às 13:27
Inventar uma nova música, na qual as notas ouvidas contrastem vivamente com as palavras ditas,
alterando-as, rejuvenescendo-as,
preenchendo-as com um novo significado. Retirar o perigo das palavras com a música.
Adicionar-lhe novos perigos
com a música.
Fazer as palavras odiosas
Fazê-las famosas com a música.
Esmigalhar palavras. Unir palavras com a música.
Se fossemos melhores não precisaríamos de música.
É toda a nossa maldade humana
que de música nos faz gostar.
Que pensaríamos de nós mesmos,
se a música nos faltasse?
Até um assassino condenado
se conseguirá sentir injustiçado
se aos seus ouvidos culpados
a música certa fizermos chegar.
Durante a música e seus encantamentos, todos os nossos valores e julgamentos são alterados, apagados, erguidos,
reenchidos, preenchidos,
e tudo o que possamos pensar
pode ter mais ou menos significado, mas além de tudo o mais, são possíveis novas ligações
e debaixo de influências tais,
as mesmas apresentam-se eternas.
Starry-Night
</a>
(mailto:martiniquex@hotmail.com)


Ah... Comenta-me