17 comentários:
De Selvagem Anónimo a 21 de Março de 2005 às 14:54
Também eu Cereza!!Ando demasiado ocupada, e todo o tempo livre que tenho apetece-me desbundar, viver, não me tem apetecido parar para pensar....São momentos!!! Mais um poema genial Sorgem!! Fantástico!!!:))***************para todossssssssssssssssmarta
</a>
(mailto:martax_30@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 21 de Março de 2005 às 15:44
Ao tempo que eu não sentia isso!!!
Esperem lá, foi ontem. Ups. Foi nada, foi hoje. :PPPformasdolhar
</a>
(mailto:formasdolhar@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 21 de Março de 2005 às 20:11
Lá tenho eu que meter mais um processo crime. Não é que esse gajo sou eu???
Quem me filmou sem eu ter notado??JATGO
</a>
(mailto:jatgo@sapo.pt)


De Selvagem Anónimo a 21 de Março de 2005 às 20:20
Vá lá que o Sorgen acedeu ao nosso
pedido de não parar de publicar os os seus belos poemas... Belissimo ...Até as paredes gemem...Um jinho muito grande da tua comadre eheheheheheh :)************luadourada--
</a>
(mailto:ermelinda_1955@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 21 de Março de 2005 às 21:21
AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAUAUAUAUAUAUUUUUUUUUUmorgaine
</a>
(mailto:lab_marta@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 21 de Março de 2005 às 21:23
De novo um poema lindo.
Este homem é um espanto.
Continua...e não te esquecas que olhos cor de mel são lindos....anasimplesmente
</a>
(mailto:ana.pcf@gmail.com)


De Selvagem Anónimo a 21 de Março de 2005 às 21:25
pahh biram aqueles dois ali em baixo no filmezito??? dasssssee!morgaine
</a>
(mailto:lab_marta@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 21 de Março de 2005 às 21:29
Participa no meu concurso "Honey Blog" e ganha um template personalizado! em http://miriamconcursos.blogs.sapo.pt (já so faltam ocupar 8 lugares)miriam
(http://miriamconcursos.blogs.sapo.pt)
(mailto:sol22lua@msn.com)


De Selvagem Anónimo a 21 de Março de 2005 às 21:59
sorgen a minha casa até tremeu! olha as minhas paredes!!! TENHO DE CHAMAR O ESTUCADOR OUTRA VEZ AIII!!!nX
</a>
(mailto:nx_u@sapo.pt)


De Selvagem Anónimo a 21 de Março de 2005 às 22:32
Hummmmmmmmmmmmmmm.... :) Sorgen. Mas já que hoje é o dia mundial da poesia, aqui deixo um poema de Jorge de Sena de que gosto muito.
Quanto de ti, amor, me possuiu no abraço/
em que de penetrar-te me senti perdido/
no ter-te para sempre -/
Quanto de ter-te me possui em tudo/
o que eu deseje ou veja não pensando em ti/
no abraço a que me entrego -/
Quanto de entrega é como um rosto aberto,/
sem olhos e sem boca, só expressão dorida/
de quem é como a morte -/
Quanto de morte recebi de ti,/
na pura perda de possuir-te em vão/
de amor que nos traiu -/
Quanta traição existe em possuir-se a gente/
sem conhecer que o corpo não conhece/
mais que o sentir-se noutro -/
Quanto sentir-te e me sentires não foi/
senão o encontro eterno que nenhuma imagem/
jamais separará -/
Quanto de separados viveremos noutros/
esse momento que nos mata para/
quem não nos seja e só -/
Quanto de solidão é este estar-se em tudo/
como na ausência indestrutível que/
nos faz ser um no outro -/
Quanto de ser-se ou se não ser o outro/
é para sempre a única certeza/
que nos confina em vida -/
Quanto de vida consumimos pura/
no horror e na miséria de, possuindo, sermos/
a terra que outros pisam -/
Oh meu amor, de ti, por ti, e para ti,/
recebo gratamente como se recebe/
não a morte ou a vida, mas a descoberta/
de nada haver onde um de nós não esteja. (Jorge de Sena, in Visão Perpétua) ;)alic
</a>
(mailto:mceciliabpm@hotmail.com)


Ah... Comenta-me