27 comentários:
De Selvagem Anónimo a 26 de Fevereiro de 2005 às 01:31
Tudo isto pq eu falei da industria cinematografica da pornografia indiano :PFonz
</a>
(mailto:malcato@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 26 de Fevereiro de 2005 às 01:36
Lolll fonz, minha coisa maiss lindaaaaaaaaa! muahCereza
</a>
(mailto:lis_tv@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 26 de Fevereiro de 2005 às 10:09
Adoro estas histórias! Ainda há pouco tinha aqui um emxerto semelhante sobre as orquídeas e de como elas se assemelham às mulheres, não foi Maslow? São tão verdadeiros estes textos, relatam a epopeia da evolução de tudo o que é vida, desde as primeiras células até ao maiis complexo dos seres, que somos nós. Ao ler o texto vemos ali os hábitos e comportamentos que nos pertencem, obedecendo a leis e princípios imutáveis que são os princípios da vida, e reconhecemos ali que há em qualquer ser vivo, uma parte de nós! Creio que há algo na bíblia que diz: "toda a carne é erva". E de facto, sem a erva não havia entrecosto para ninguém.. Um texto belissimo sem dúvida!! MorgaineLaFaye
</a>
(mailto:lab_marta@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 26 de Fevereiro de 2005 às 11:33
VIVA AS CELULAS!!!!nita_
</a>
(mailto:pulguina_9@msn.com)


De Selvagem Anónimo a 26 de Fevereiro de 2005 às 11:51
Ai que pena que os coacervados da sopa primordial não se tenham "coacervado" assim!... lolllllllllll Na conquista da multicelularidade, tinha de haver umas parvas de umas células snobs, com a mania que são superiores a ir para a cabeça ditar ordens e estragar a festa! grrrrrrrrrrrrrrrrr!!! Mas a gente lixa-as!! Ó se lixa!! lollllllllllllllllll Beijosssss Cereza, o texto está muito bem apanhado ;)alic
</a>
(mailto:mceciliabpm@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 26 de Fevereiro de 2005 às 12:11
´´Ele`` não acertou na fórmula!!!Dizemos as mesmas palavras,fazemos os mesmos gestos,quando se faz amor ou sexo.A Diferença sente-se depois,no vazio que se sente....O texto está magnífico.Gostei!!:))marta
</a>
(mailto:martax_30@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 26 de Fevereiro de 2005 às 12:30
Sexo na cabeça ou a cabeça no sexo? É que, para mim, não coexiste nenhuma dúvida de que, sendo duas coisas diferentes, uma não subsiste sem a outra. Eu sou bastante ignorante quanto ao que se passava nessa época distante em que amebas (para mim só teria servido se existissem amebas morenas, belíssimas) roçavam membranas e se entretinham indecentemente nesse caldo sexual de proporções bíblicas. Mas creio reconhecer similaridades com o actual panorama. Um pouco menos líquido, um pouco menos unicelular (não obstante a existência de alguns cérebros que enfim), mas quanto ao permanente roçar de membranas é praticamente um dejá vue em relação a esses tempos imemoriais. Eu próprio sou como que a recriação em tempo real do resultado da evolução. Como lhes disse, com o sexo na cabeça e com a cabeça no sexo. Um beijo, morenas belíssimas, deste V/ anjo (não ameba), MaslowMaslow
</a>
(mailto:manuel_azevedo@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 26 de Fevereiro de 2005 às 12:32
Marta, havendo sexo, há amor, por mais ténue e frágil que seja!Starry-Night
</a>
(mailto:martiniquex@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 26 de Fevereiro de 2005 às 12:49
Starry não concordo, pode haver sexo sem amor.... pode haver sexo apenas pela atracção e o desejo. agora o ideal é de facto é haver sexo com amor!cereza
</a>
(mailto:lis_tv@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 26 de Fevereiro de 2005 às 13:10
Cereza, chama o que quiseres aos sentimentos que de uma forma ou de outra podem levar duas pessoas a envolverem-se sexualmente. Eu prefiro chamar de amor, reconhecendo, claro, que amor tem um não mais acabar de vertentes.Starry-Night
</a>
(mailto:martiniquex@hotmail.com)


Ah... Comenta-me