Domingo, 29 de Janeiro de 2006

Insatiable

Depois de um fim se semana agitado com o futebol, a neve, e a viviane... ou direi ante os DURACELL... voltamos á calma de um lindo texto!





salma_hayek_4 copy.jpg


Ás vezes sinto a tua alegria a arrefecer. Sabes , é fácil habituarmo-nos ao silêncio quando nao existe ninguem que faça barulho. Tentamos "afogar-nos" nas recordações, nos dias de:" Era uma vez..." ou nos amores e desamores vividos.

A ilusão de que até somos capazes, não passa disso mesmo, uma ilusão. Mas acabamos por nos habituar. É como o Amor, tentamos arrumá-lo de uma vez., mas surge sempre um novo para quebrar este silêncio.

E, de repente entra uma pessoa na nossa vida, sem pedir licença, instala-se e vive connosco. Apercebemo-nos que acorda e adormece ao nosso lado. Faz-nos chorar e rir. Desperta em nós o que pensávamos adormecido e damo-nos conta da nossa possevidade.

Passamos a dizer : És meu! Encenamos respostas inocentes, quando nos apetece é dizer: Quero estar contigo, sentir-te dentro de mim! Cuidamos que somos suficientemente fortes para não o dizer. Apenas o pensamos, porque nos falta a coragem de dizer: Fode-me!

Mas a intensidade do acto conduz-nos, por vezes, que nao nos basta apenas o sermos possuidas ou possuirmos. Não se conta com o depois. Existe uma escolha? Não existe nada! dir-me-ão. Não há retorno porque existe a escolha. Escolhi-te! Desejei-te e tu a mim ! Mas pode não haver retorno... Como pode não existir a escolha?

Olho para ti e não sorris. Tentas mas não sorris e como é bom ouvir e ver-te rir. Tento não me viciar em ti. Sou uma pretensiosa incurável . Já nao sou capaz de acreditar em ti só como amigo. Porque te escolhi? Porque quero estar ao teu lado ? Simples, porque existe um sem numero de vozes que já não sou capaz de ouvir.

Até já ...



Constancinha





girl_salma_hayek007 copy.jpg


( Esta é uma das musicas que mais mexe comigo, é linda. Chama-se "Insatiable" )


Turn the lights down low
Take it off
Let me show
My love for you
Insatiable
Turn me on
Never stop
Wanna taste every drop
My love for you
Insatiable



Impressão Digital Cereza às 23:14
link do post | Rugir | Adicionar aos Favoritos
|
20 comentários:
De Selvagem Anónimo a 30 de Janeiro de 2006 às 01:17
"Passamos a dizer : És meu! Encenamos respostas inocentes, quando nos apetece é dizer: Quero estar contigo, sentir-te dentro de mim! Cuidamos que somos suficientemente fortes para não o dizer. Apenas o pensamos, porque nos falta a coragem de dizer: Fode-me!" E....qdo "o fode-me" até é secundário? PORQUE: Quando as saudades são tantas, q só um "olhar abraçado ...no intenso apertado" (sei q reparavam... mas é mais forte que: ..."um olhar intenso...num abraço apertado...)Sim, hoje tenho consciência plena do q sinto e escrevo. AMO-TE Intensamente......PatanisKa
</a>
(mailto:sissacc@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 30 de Janeiro de 2006 às 09:44
Eu, daqui que vejo todo o mundo, tanto alcanço que por vezes vejo as proprias costas. Por vezes teimo em ser cego, escolho. Eu, aqui onde me encontro, tão reconfortante neste meu trono, consigo sentir-te enrolada em mim.. pele com pele. Nú, por vezes com frio, nesta ausencia. E quando as palavras nada significam.. que faço a todo este aperto? É.. por vezes esqueço-me como dói.. e como é bom que doa..Marco Neves
</a>
(mailto:megabife@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 30 de Janeiro de 2006 às 09:59
Vejo-te ao longe, perdida sem mim...
Estendo-te a mão e sorris com um sim e a vida é tão feitas de nadas
de tudos e de falsas fadas
no fim, é tudo um sofrimento sem fim...
Mas então descobri-te e nunca mais te esqueci
Queria poder tocar-te e talvez amar-te...
dizer que é em ti que penso... Muito interessantes as tuas palavras intensas, constancinha gostei :)))))
Mina
</a>
(mailto:Mina_@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 30 de Janeiro de 2006 às 10:06
"És meu"... O grande erro que se faz quando se ama alguem. Ninguem é de ninguem...
O texto está lindissimo, parabens Constancinha pelo teu monólogo.blocas
</a>
(mailto:blocas@blo.com)


De Selvagem Anónimo a 30 de Janeiro de 2006 às 10:20
Olá nascente da minha sede. Há tempos que não me atrevia a deixar a ponta dos dedos mandarem-te qualquer mensagem… tenho esse atrevimento agora.
Sei que muita coisa mudou, tudo mudou… até o que sinto por ti… mudou porque cresceu. Desconheço se usas um segundo do teu atarefado tempo a pensar nisso, mas eu lembro-me constantemente… e mesmo que não o fizesse, o Rui Reininho mete-se pelos fios do meu carro, entra pelo rádio e sai pelos altifalantes a anunciar… eu que vendi o verbo amar, que menti sem hesitar… e a tua imagem ganha forma… e eu… sintonizo outro posto… até porque tenho as frases decoradas na memória…
Apesar destes sentimentos dignos dum best seller romanceado, digo-te que tenho saudades dum amigo que há muito não vejo… e, aparentemente, faz tudo para não me ver a mim…
Quanto tempo sem o olhar, sem o ouvir, sem o observar, sem lhe falar, sem lhe… quanto tempo…
Divago entre mil coisas, obrigo-me a cantarolar, baixinho, mil melodias, escrevo palavras sem fim… e sem sentido… e ele está sempre presente, por mais que eu o afaste, que o empurre, que o imagine como algo do passado… ele está presente em mim. Fenómeno digno de ser estudado… quase como se não existisse, mas de quem se aguarda a vinda durante uma vida inteira, como um D. Sebastião, …não! Como um deus, em quem acreditamos, mas nunca vimos. E embora não seja visível, existe em nós e por esse deus, em nome dele, está a nossa existência justificada. Como os antigos eremitas, que se isolavam em cavernas, assim faço, esperando eternamente uma manifestação divina que, como acontece com os mesmos eremitas, pode nunca chegar. O que os moveria para se manterem firmemente na solidão, na dor, na fome e na sede? A fé? A loucura? O amor? Eu digo que só conseguiam se tivessem uma enorme dose de cada um destes elementos… e sei do que falo.

bonecarussa
</a>
(mailto:bonecarussa@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 30 de Janeiro de 2006 às 11:57
Escolhe-se!!!Escolhemos afastando o que não se quer....E quando optamos por um amor doce,calmo e sereno,é no silêncio que se mostra o quanto se quer,e nas gargalhadas,o quanto se está bem.......aaaaiiiiiii*suspiro.Um beijinho pa ti constancinha,o texto está lindo!!marta
</a>
(mailto:martax_30@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 30 de Janeiro de 2006 às 12:27
Constancinha, gostei :))***

mas o que eu quero mesmo...é que a semana passe depressaaaaaaaaa!
lololTex
</a>
(mailto:texazinha@iol.pt)


De Selvagem Anónimo a 30 de Janeiro de 2006 às 12:36
Oh Tex, que a semana passe depressa não que eu amanha vou visitar o meu Portugal!!! ... Constancinha, gostei muito. Por vezes acho que não são necessarias palavras, apenas aquele olhar que nos compreende quando o buscamos... Mas por vezes a ausência "daquela" palavra é tão forte! Os sururus das outras vozes nunca nos hao-de abandonar, mas se não tivermos dias em que dizemos "fode-me" e tudo o resto fica esquecido...vanessa
</a>
(mailto:mina_aeternus@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 30 de Janeiro de 2006 às 15:39
Se o teu amor fosse um lugar habitável por mim, construíamos uma casa num campo de alfazema e alecrim, com um muro branco rodeado de hortelã cheirosa. O cheiro do café inunda a casa tornando-a aconchegada e íntima. Passavas-me os dedos pela cara como se a quisesses decorar em cada momento. Não é só o obscuro animal que me corre nas veias que me faz querer-te. Quero sentir-me cheia de mansidão e ternura, apaziguada deste querer. Quero sentir-me abraçada e embalada, como se o teu corpo fosse um berço ou o ventre da minha mãe.
Aguardo sentada no patamar duma casa que não existe.
bonecarussa
</a>
(mailto:bonecarussa@hotmail.com)


De Selvagem Anónimo a 30 de Janeiro de 2006 às 16:53
A vida por vezes preganos partidas, e em vez de escolhermos somos escolhidos, talvez até nem fosse do nosso intresse, afinal estava mos retirados para um descanso da alma e reflecção, mas tudo acontece sem que nos aperceba mos bem da realidade..Claro como diz a blocas ninguem é de ninguem, mas afinal quem é de quem e porque?? Será que um dia pode mos dizer; "sim eu sou teu/tua e tu és minha/meu".. P-U-D-I-M
</a>
(mailto:luistefe@msn.com)


Ah... Comenta-me