Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Urban Jungle

pensamentos, divagações e tangas da selva urbana

pensamentos, divagações e tangas da selva urbana

Urban Jungle

12
Jun06

Está tudo maluco ou quê?

Cereza

Um amigo da Tex mandou-nos este texto engraçadissimo. Benvindo Jorge ao clube do UJ :)

      

 

Num determinado centro comercial apareceu uma loja com coisas que pareciam brinquedos nas montras e dentro tinha mesas, cadeiras, etc. tudo com visual infantil. Num canto vi produtos com ar de serem champôs ou cremes.
Tendo em conta o crescimento do número de sobrinhas e sobrinhos (por via directa e indirecta) e admitindo que seria mais um local para “tomar conta de” ou “entreter” a pequenada, resolvi entrar:
- “Então?!”, perguntei à senhora atrás do pequeno balcão amarelo vivo e que se distinguia das outras duas pelo seu ar de patroa, embora nenhuma delas estivesse activa, “qual é o negócio aqui?”


- “Cabeleireiro infantil” ripostou. ‘Say what?!’ pensei, enquanto olhava para os tais tubinhos e manuseava o cartão da loja: a arrogância da nossa interlocutora contrastava com a timidez do dito cartão que tinha o nome, morada e telefone do sítio e mais nada; ou seja, não explicitava a actividade!
Semi-refeito da surpresa, indaguei:
- “E é entre que idades…?”, “Não temos limites!” interrompeu.

 
Mmmm… mas eu, como tio favorito e responsável (normalmente estes dois conceitos não co-existem… a não ser que se pronuncie irresponsável) tinha que saber melhor o que é “infantil”.
Ora bem: os bebés, mesmo bebés, devem estar fora do conceito; as teenagers colocam-se elas mesmas fora porque já vão ao cabeleireiro das mães. E mesmo antes de serem teenagers – segundo a definição isto começa aos treze anos (thirteen) porque doze não se diz “twoteen” – mesmo antes dos treze, portanto, já estou a ver crianças de 9, 10 ou 11 anos a dizer às mães que aquela loja não é para elas que já são crescidas.
Sobraria assim um leque de idades muito fechado… mas isso é problema de quem montou o negócio.
Por falar nisso, os olhos detectaram instintivamente (… para economista) a tabela de preços: em tamanho A4 num suporte vertical em acrílico.


Dois títulos sugeriam que haveria dois departamentos diferentes; debaixo de cada título diversas linhas com actividades e respectivo preço.
A primeira metade da folha era Cabeleireiro – agora já não era surpresa – e tinha cortes, lavagens, etc. Como leigo nestas matérias lembro-me que, apesar de tudo, respeitei a imaginação necessária para inventar mais de dez linhas diferentes.
O segundo título dizia Depilação!
... umas linhas abaixo dizia “perna”.
... noutra linha dizia “virilha”!!


- “Isto… também é… prá clientela… INFANTIL?!” gaguejei, na esperança de ser logo insultado e esclarecido que as mães também teriam com que se ocupar enquanto as princesinhas tratavam do cabelo.
- “CLARO QUE É!” respondeu a empresária, com vontade de me insultar… mas por ter duvidado.

 

Está tudo maluco ou quê? E quem estiver, por favor, não me pergunte pelos preços… que eu não consegui ler mais.


Jorge Cardoso

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2006
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2005
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2004
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D