Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Urban Jungle

pensamentos, divagações e tangas da selva urbana

pensamentos, divagações e tangas da selva urbana

Urban Jungle

20
Jun06

Apenas um momento...

Cereza


 

"...I’ve got no time to hear
About how much you care
Shut your mouth and come this way
....... 
So lay down on the bed
Cause now I’ve locked the door
And we don’t live out there no more
.....

Tonight’s the night I shed my wicked soul
I take it out on you and watch you lose control
Tonight’s the night I shed my
Tonight’s the night I shed my
Tonight’s the night I shed my wicked soul
My wicked soul..."
Entrei, não proferimos uma unica palavra tal como tinhamos combinado. Olhei-te e sorri, apenas porque me apeteceu.
Continuamos o planeado, encostaste-me brutalmente contra a parede fria e senti as tuas mãos agarrarem-me com toda a força do mundo. Indefesa deixei cair a mala, o blusão, e tudo o que trazia comigo...espalhou-se tudo pelo chão, como um trilho de pura e selvagem paixão.
 
As tuas mãos apertavam-me cada vez mais. Desabotoaste-me o colete, botão a botão com fúria, sem nunca desviar os teus olhos dos meus. Estavas sério e faminto de mim... nunca esquecerei a tua cara, aquele olhar intenso, a dizer-me “Dá-me, quero-te toda, aqui e agora. Dá-te e deixa-me usar e abusar!
 
Pensei: "Dou-me sim, incondicionalmente. Quero-te assim selvagem e sem regras."
 
Na penumbra do quarto tiraste-me de imediato o soutien preto.Era bonito? Não sabes, porque nem sequer olhaste para ele. As tuas mãos pareciam feitas de tempestade, apertavas-me os seios enquanto me beijavas descontrolado.
 
Pela primeira vez senti-me sem forças, a bater o queixo, mas mesmo assim agarrei-te com força pelo cabelo e devorei-te num beijo infinito. As minhas unhas escorregavam pelo teu corpo, queria marcar-te.
 
Gemi, gemi de prazer. Sabia que me gostavas de ouvir, e quanto mais o fazia, mais prazer tinha. Queria-te tanto naquele momento, mas tanto que não consigo quantificar. A luxúria tomava conta dos nossos corpos, e já ardiamos no inferno. "Não me importo" ,  pensei!
 
Num segundo empurraste–me para cima da cama com violencia, e o teu coração encostado ao meu batia descompassadamente. Os nossos corpos uniram-se num só. Sempre, sempre sem falar, tal como tinhamos fantasiado. Subitamente Ías dizer-me algo... fiz um gesto, como quem diz “shhh, não digas nada, toca-me, devora-me! Por favor devora-me e faz-me viver”
 
E assim fizeste, como se o mundo tivesse parado lá fora. Senti-te entrar em mim, senti-te em mim com sofreguidão. Continuei a gemer de prazer, de dor e prazer... uma dor tão boa, dor de paixão, dor de desejo, dor de estar a viver aquele momento tão intenso e carnal... O resto? O resto não importa! Importou aquele momento, porque a vida é feita de momentos assim.
    
 Saímos porta fora...
Adeus, até sempre!
Tridente
2/6/2006

 Comentário em Destaque:

De feiticeira a 20 de Junho de 2006 às 23:19

  Foi uma paixão e tanto, um momento que ninguém conseguiria esquecer. eu pelo menos não!só não gostei do fim, dizer adeus porque? Uma paixão assim não pode acabar com um até sempre.uma paixão intensa dificilmente se esquece, ou desaparece. como disse um comentador, fiquei arrepiada, e consegui ver-me ali naquela casa, naquele quarto. parabens. adorei o blog! vou voltar.

 

 

12 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2006
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2005
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2004
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D