Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Urban Jungle

pensamentos, divagações e tangas da selva urbana

pensamentos, divagações e tangas da selva urbana

Urban Jungle

02
Mar06

Eles são tudo!

Cereza

De facto as crianças são tudo! A Bonecarussa escreveu sobre elas.







Eles são tudo. E ponto final. E quando nós nos apercebemos disso, não há nada que nos impeça de querermos vê-los crescer, mesmo que estejam a dormir.

É nessa altura que eles são mais nossos, que não se dispersam nas brincadeiras, não querem ver televisão, não querem comer doces, não querem nada. A respiração deles enquanto dormem, silenciosa, é como um pedido, um chamamento, para ali ficarmos a amá-los, em silêncio também, de forma não perturbadora. E então, são tão nossos apertamos-lhe a mão, quentinha, eles mexem-se suavemente na cama, viram-se um pouco a acomodarem-se e ali estamos nós, como burros a olharem para um palácio, o mais lindo palácio do mundo e fomos nós que o fizemos e é nosso

Fazem-nos ter arrepios de medo e acordamos a meio da noite só para os vermos dormir e termos a certeza que estão bem.

E crescem. E nós sofremos a cada dia que passa por não termos visto a descoberta que fizeram ao perceberem que já se sabem calçar sozinhos ou quando produzem dezenas de riscos coloridos num papel e dizem com um ar triunfal, ufano e satisfeito Toma, és tu! E afinal até encontramos semelhanças nos riscos e em nós, e somos mesmos nós, tão lindos que somos aos olhos dos nossos filhos. E quando acontecem estas coisas, nós crescemos e ficamos com vontade de festejar não sabemos bem o quê, mas a nossa alegria interior é tão grande e eles são tão pequenos, tão desprotegidos, será que estamos a prestar-lhe a segurança que merecem e eles merecem tudo, demos-lhe vida e dávamos a vida por eles.

E continuam a crescer e cada dia que passa é um mundo e nós vamos percebendo que não vimos o mundo. E sentimo-nos perdidos entre vários mundos, com certezas absolutas do mais importante dos mundos: é ele. Mesmo que não reclame por nós, interiormente sentimos a sua falta e a falta que lhe fazemos e choramos por dentro e transformamos as lágrimas em prendas, quando o que eles queriam era passear de mão dada, era que os fossemos buscar à escola, para nos mostrarem aos amigos e provar que aquele pai e aquela mãe são efectivamente os mais bonitos pais e mães de todos os miúdos daquela escola e arredores, porque se para nós eles são o néctar da existência, para eles, nós somos os melhores e os maiores e eles fazem questão de mostrar isso mesmo aos amigos e de os fazer invejar aquela mãe e aquele pai, que é deles e de mais ninguém.

E continuam a crescer. E os dias passam e nós sentimos na pele o crescimento deles e surgem espaços vazios que só podem ser preenchidos com brincadeiras deles e palavras ainda mal aprendidas e beijos lambuzados de chocolate e imitações dos nossos gestos e quererem vestir a nossa roupa e exigirem que sejamos da idade deles para brincarmos também. E é tão bom não nos lembrarmos que estivemos o dia todo preocupados em não rasgar as meias, mas quando os vemos ao fim do dia, caímos de joelhos para aquele abraço, em que lhe queremos dar tudo e dizer que, se depender de nós, damos-lhe o mundo e roubamos a lua para que ele possa brincar com ela a noite toda.



Bonecarussa




redgirl-0640 copy.jpg


19 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2006
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2005
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2004
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D