Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Urban Jungle

pensamentos, divagações e tangas da selva urbana

pensamentos, divagações e tangas da selva urbana

Urban Jungle

25
Fev06

Os sete pecados capitais II

Cereza

Este comentario do Abel ao artigo anterior (Os sete pecados mortais) é tão lindo que tive que publicar!




493800 copy.jpg



Se ao menos eu pudesse dominar tudo isso? Ai se eu fosse capaz… Todas essas ferramentas interferem com o nosso interior e depende da forma como as agarramos. Na maior parte das vezes magoamo-nos. Por isso, estou a falar do bem-estar de cada um, ou seja, da felicidade, que é a palavra que a maioria adopta.

Os chavões do texto emanam potencial que ofusca o brilho do nosso interior e a alegria de viver (acrescentaria a ética e o sentido de justiça). Assim, precisamos de “libertar o espírito de todas as toxinas que nos envenenam” (Ricard Matthieu) e abrir espaço ao estado de realização interior, relegando para último plano a satisfação dos desejos (ilimitados) materiais, isto é, resolvendo primeiro os conflitos íntimos (“fazendo as pazes com o próprio”), sabendo que “a maior parte das perturbações interiores nascem de emoções perturbadoras e podemos morrer. Por vezes a manifestação descontrolada (sob pressão) pode provocar doenças mortais. “Pode-se morrer de apoplexia num acesso de cólera ou consumirmo-nos literalmente de desejo obsessivo” (Ricard M.), certamente por não se estabelecer o diálogo interior.

O diálogo e identificação de alguns dos sete pecados que contribuem para o bem-estar: O “prazer é apenas a sombra da felicidade” (Provérbio hindu). Dois processos mentais diametralmente opostos não podem surgir em simultâneo (Budismo). O amor e o ódio – “Inverno do coração”, segundo Victor Hugo, podem estar presentes mas não o desejo de prejudicar alguém e, em simultâneo, fazer-lhe bem (talvez a eutanásia… talvez…).

O desejo e seu aliado, o prazer, são muito sedutores. A inveja e o ciúme (os piores) traduzem a impotência de impedir a felicidade ou o sucesso dos outros. O ciúme por vezes é violento e destrutivo.

O orgulho e a humildade, o ciúme e a confiança, a generosidade e a avareza, a tranquilidade e o nervosismo são estados incompatíveis como as faces da moeda. Uma delas é dor e sofrimento, a outra emoção de felicidade.

A preguiça entorpece os órgãos e paralisa o corpo. Exercício físico e actividades culturais são bons antídotos.

Avareza possessiva não faz amizades porque trabalhamos sem gozar, gastamos a vida obcecadamente sem pensar, criando riqueza para gastá-la no fim da vida com a doença ou morremos sem arranjarmos tempo para a agastar.

A boa gula, companheira dos sabores, ao vivermos para comer afasta a saúde porque não se come para sobreviver. Em jeito de conclusão, um poema delicioso: “As chamas ardentes da cólera enrugaram a onda do meu ser.

A densa obscuridade da ilusão cegou a minha inteligência.

A minha consciência afoga-se nas torrentes do desejo.

A montanha do orgulho precipitou-me nos mundos inferiores.

O vento áspero da inveja arrastou-me ao Samsara.

O demónio da crença no ego amarrou-me com firmeza.” (Rinpoché). Ricard, Matthieu (2005), Em defesa da Felicidade, Editora Pergaminho, Lda, Cascais.


Abel

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2006
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2005
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2004
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D