Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Urban Jungle

pensamentos, divagações e tangas da selva urbana

pensamentos, divagações e tangas da selva urbana

Urban Jungle

12
Jul05

Jogos perversos...

Cereza

Este é um post muito especial para mim... Há muito que queria lançar aqui este teledisco... E por várias razões. Primeiro porque é uma musica intemporal, e o clip é de uma sensualidade sem limites!


wg17 copy.jpg


Realizado por Herb Ritts, um dos fotografos mais famosos dos Estados Unidos, foi este o clip que tornou Helena Christensen num ícone da moda e beleza...lançando-a rápidamente para o estrelato, tal como aconteceu com o cantor. Atenção que vai levar algum tempo a fazer o download, mas depois já o conseguem ver em optimas condições!


Curiosamente este post não foi criado da maneira habitual... Desta vez mostrei primeiro o video ao Maslow, e pedi para escrever o que lhe viesse á cabeça ao ouvir a música e ao ver as imagens... O maslow aceitou o desafio e aí temos mais um belo texto... é mera ficção, mas de uma maneira outra já aconteceu com todos nós, certo? Na minha opinião este será um dos trabalhos mais bonitos deste blog. Espero que gostem!


chris_wickedgame copy.jpg

Para ver o video wicked game


"Por momentos paro no tempo e, num flash back louco, recuo um ano e suspendo-me a recordar. A recordar-me de como tudo aconteceu.
Parece-me agora totalmente insano. Nunca pensei poder acontecer-me, como aconteceu, partir-me em dois ou três pedaços, só porque alguém resolveu poder brincar comigo como um gato caçador de ratos brinca com um ratinho, atirando-o ao ar, rolando-o pelo chão apenas pelo prazer perverso de o saber "perdido", controlado ... Mas dando-lhe algum espaço para ele poder pensar que pode escapar, para logo a seguir o prender, imóvel, quase asfixiado, entre as patas, mas sem o matar?


É verdade que os seus olhos são os mais bonitos do mundo. É verdade que o seu sorriso me fez, sempre, suster a respiração. É também, ainda, verdade que me arrepio quando penso nela, inteira... Brilhante, não é? Mas será que nunca vi antes uma mulher bela? Não, não é verdade. Eu vivi sempre, se não exactamente naquele momento, desde sempre tinha vivido, rodeado de mulheres tão belas quanto ela. Pelo contrário, muitas mulheres belas puderam dizer que viveram rodeadas de mim. E diziam-no, ainda hoje o dizem, como se tivessem provado a sua maior ambição.


Recordo-me bem que quando a conheci nem sequer lhe prestei muita atenção. Sim, é duma beleza esfuziante, mas não lhe prestei mais atenção do que o faria se não o fosse. Recordo que a minha mente estava pejada de ideias, ideias mais importantes do que a simples presença de algo belo. Reparo que me poderia ter preenchido uma qualquer dose mágica de beleza, a dose que necessito diariamente para me manter vivo, mas apenas isso. Poderia ser um quadro, uma música, uma mãe que segura a mão de um filho pela rua da baixa, ou ela!


Lembro-me bem que, de repente, sem eu nada ter feito para que isso acontecesse, me começou a inundar com a sua presença. Parecia ter uma habilidade especial para me encher inúmeros espaços. Quando olhava para qualquer lado, lá estava ela. Sorrindo, conversando, contando-me os seus dias, falando-me das suas músicas, sendo brilhante... Aparentemente, fazia-o apenas porque eu lhe fornecia o melhor dos espelhos para a sua experiência e para as suas experiências. Naturalmente côncavo, dando-lhe perspectiva, eu não desconfiei de nada.


Como se dos braços de um polvo se tratasse, envolveu-me completamente numa estratégia, acredito que involuntária e pueril, própria de quem conquista. Objectiva e inexorável! Hoje, intriga-me que isso tenha partido de alguém com um percurso tão pequeno, com um tempo de vida tão insuportavelmente curto. Onde foi ela buscar essa sabedoria? Essa forma de moldar completamente alguém como eu, à imagem do seu capricho, da sua vontade experimental, à imagem da sua curiosidade!


Insinua-se pela extrema sensualidade dos seus gestos até quando parece parar, suspensa, no meio de uma viagem pelo exotismo das suas preferências, num autocarro que parece ter sido colocado só para satisfazer a sua vontade de viajar. Insinua-se também pela forma como mitiga a grandiosidade das estátuas junto às quais se faz fotografar, como reduz a nada a multidão que, rodeando-a, pulula “inundantemente” banhos antigos que ela visita entre duas catedrais. Até se insinuou pela forma como me disse sempre que não!


Ela conseguiu transformar este jogo num jogo perverso.


Não me conformo por ter sido tão absolutamente fácil. Por me ter entregue tão infantilmente. Não me conformo porque a paixão me foi semeada tão racional e injustificadamente. Os seus gestos, foram gestos de quem conhece o feitiço dos seus actos. Gestos de quem sabe que pode ferir letal e definitivamente e sem qualquer admissão de defesa. Mortal! Comparo-a a uma predadora que se sacia pela incredulidade que vê estampada na expressão da sua vítima.


Tirou-me o rapazinho que me tinha devolvido. Matou-o.


Quando brincávamos aos “treze anos de idade” sabia que eu acabava sempre sem fôlego. Mas insistia sempre. Afastava-se um pouco, mostrava-se sempre um pouco mais, virava-se com um ar de quem tinha caminhado por pedras imemoriais, sem concorrência, divertida e cândida, mas mortífera na sua supremacia. Todos os seus caminhos resultaram na mais infame promessa. Consumi-me num amor sem retorno que me abriu uma ferida maior do que a alma, na alma. Matou-o, ao rapazinho que me tinha devolvido.


Hoje sou incapaz de amar. A herança que me deixou, como um vampiro, foi o legado da sua competência ...num “JOGO PERVERSO”!


Maslow


wg08 copy.jpg



Wicked Games
The world was on fire
No one could save me but you.
Strange what desire will make foolish people do
I never dreamed that I'd meet somebody like you
And I never dreamed that I'd lose somebody like you


No, I don't want to fall in love

[This love is only gonna break your heart]

No, I don't want to fall in love

[This love is only gonna break your heart]

With you

With you


What a wicked game you play

To make me feel this way

What a wicked thing to do

To let me dream of you

What a wicked thing to say

You never felt this way

What a wicked thing to do

To make me dream of you

v And I don't wanna fall in love

[This love is only gonna break your heart]

And I don't want to fall in love

[This love is only gonna break your heart]


World was on fire

No one could save me but you

Strange what desire will make foolish people do

I never dreamed that I'd love somebody like you

I never dreamed that I'd lose somebody like you..."



















59 comentários

Comentar post

Pág. 1/6

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2006
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2005
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2004
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D