Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Urban Jungle

pensamentos, divagações e tangas da selva urbana

pensamentos, divagações e tangas da selva urbana

Urban Jungle

26
Jun05

A brincar, a brincar...

Cereza
Falei com o "nosso" Fonz, para escrever mais um dos seus "imparáveis" textos... claro ficou logo empolgado, e em meia hora lá tratou de escrever um"tratado"... que a brincar, a brincar...
Mas vocês nem imaginam, é que ele ficou tal maneira empolgado, que de 5 em 5 minutos está a transcrever-me para o messenger parte dos texto.... grrrrr... mas valeu a pena!
Disse-me ele logo para fazer pub ao blog que tem agora (irra, é só concorrência)! Pediu-me para apresentar assim: "O Fonz como é maluco arranjou um blog para ele e aqui está mais um dos seus fascinantes poemas de casa de banho" Portanto pessoal toca a visitar o blog do nosso fedelho em: O Blog do meu amigo FONZ

codigobarras-Timflach copy.jpg


"Pois bem, como a maioria de vocês deve saber eu sou Estudante – Nesta parte surge um pouco a confusão entre o que é um Estudante e o que é um Aluno, do estilo, qual deles é que define quem vai às aulas e estuda e qual deles significa ir à faculdade passear os livros (Analogia: Trabalhador versus Empregado) - na área da Economia e Gestão, mais concretamente, frequento (ahah esta tem rasteira) o curso de Finanças. Isto torna-me além de português preocupado com o futuro, bem como um suposto leigo na matéria que percebe das cenas quando começam com o parlapié de “Ah e tal taxas de juro, coiso do défice, o camandro da inflação, obrigações com os gajos da União Europeia”.



Tal como todos os génios, além de momentos de investigação, também tenho os meus rasgos de criatividade em que parece que se liga o interruptor e surge logo qualquer ideia brilhante na minha cabeça. Contudo, fiquei assustado com os meus pensamentos – quem não ficaria ? LOL – mas mais à frente vão entender o que digo …



Nos últimos tempos, esta conversa do défice e governos tem sido constante. Recentemente, falei num outro dos efeitos que as Bebidas Alcoólicas podem ter sobre a Economia Nacional, agora num dos meus raros rasgos de genialidade surgiu-me uma teoria que eu fui aperfeiçoando e agora exponho perante vós.



Quero que saibam antes de mais que eu sou a favor de diversas Legalizações. Drogas, Aborto, Prostituição, Casamentos Homossexuais, etc … Porquê? Para aumentar as receitas do Estado. Não é disso que se queixam desde sei lá quando?? Passo a explicar:
A determinação de o preço de um produto vem além do seu custo de produção. Há que ter em conta vertentes como a oferta e a procura, custos comerciais, etc …



No caso das drogas, aborto e prostituição a verdade é que o preço também é determinado devido à margem de Risco dessa pratica. Uma vez que é ilegal, corre-se o risco de ser preso ou multado ou seja lá o que for ao recorrer a estes meios ilícitos. Por isso há que pagar o prémio de risco aos fornecedores (Clínicas, Dealers, Xulos, etc…)
O que fazer?:


1- Legalizar estas práticas para retirar a margem de risco que surge implícita no preço, tornando o bem/serviço mais barato;


2- Espetar-lhe com IVA (agora 21%) em cima para o Estado ter mais receitas.



Será assim tão difícil de ver?
1- Um aborto clandestino custa entre 300 a 400 euros mas se for legalizado, passa a uns 100 ou 200 euros. Acaba-se com a exploração maldosa por parte de pessoas que se aproveitam dos problemas das pessoas e o Estado ainda ganha com isso, uma vez que ainda arrecada uns 21 ou 42 euros em IVA por aborto praticado;


2- Prostituição – Epah por exemplo, o “beijinho” de uma senhora de rua custa por volta de 20 euros. Vamos supor que o preço se mantém apesar da liberalização, então o estado arrecada 4,2€ por “beijinho”. Se a senhora ( ou os “senhores”) tiverem uma noite activa, e conseguirem, sei lá, digamos 10 beijinhos, são 42€ para o Estado. Agora multipliquem pelo nº de dias de trabalho e pelo nº de profissionais do ramo em todo o país … Já para não falar que caso haja as casas próprias para a situação, deixa de se ver o degredo que se vê nas Ruas de Portugal…


3- DROGA – Pessoal, muita dela chega a custar 1000 vezes mais do que o seu real custo de produção (Ai como é que eu sei tanto sobre isto? :x). Além disso, a maioria das doses vem com farinhas, açucares, caldos Knorr e outras porcarias misturadas. À droga aplica os pressupostos do nº 1. Acaba-se com a exploração das pessoas que a vendem e se aproveitam de quem se perdeu pelas “ruas da amargura” … Mas mesmo assim, dado o tamanho do mercado, acho que o Estado é que devia ter o monopólio, tipo Portugal Telecom há uns anos. Toda a gente tinha de recorrer ao mesmo fornecedor…



Dá para terem uma ideia da minha teoria … Quando tiver disponibilidade, vou acrescentar alguns pontos que a tornem mais completa e fundamentada.



No início referi que isto me deixa assustado. Alguém já percebeu porquê? Bem, a verdade é que eu sou Estudante – sim, aqui está o dilema. Ainda estou a tirar o meu curso e nunca geri nenhuma grande empresa ou sequer uma pequena empresa, muito menos tive nas mãos o futuro de 10 milhões de habitantes…



MAS SERÁ ASSIM TÃO DIFÍCIL VER QUE EXISTEM FORMAS MAIS FACEIS DE ARRANJAR DINHEIRO PARA PONTES E ESTRADAS E SALÁRIOS E ESCOLAS E HOSPITAIS E EQUIPAMENTO PARA A POLICIAS E ESSAS CENAS IMPORTANTES, SEM SER EXPLORAR O COMUM DO ZÉ POVINHO???!?!?!?!



Eu tenho 21 anos e consigo …


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2006
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2005
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2004
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D