Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Urban Jungle

pensamentos, divagações e tangas da selva urbana

pensamentos, divagações e tangas da selva urbana

Urban Jungle

23
Fev05

"Só Deus tem os que mais ama."

Cereza

A música “She" de Elvis Costello foi escolhida pelo formasdolhar, para dedicar á filha Beatriz. Os filhos são a coisa mais importante na nossa vida. Não tenho mais palavras, fica o testemunho do meu querido Formas!



anjaminha-cor copy.jpg



”Resolvi escrever isto depois de ler os testemunhos da Marta e da Morgaine. E faço delas as minhas palavras no que toca ao sentimento de pena. Por favor, não tenham. Não é isso que procuro. Por favor, encarem isto como mais um testemunho e nada mais que isso.



Fui pai pela primeira vez, está quase a fazer 4 anos. Fui pai duma menina. Nasceu num dia marcante do ano, para mim, 21 de Março. Foi chamada Beatriz – aquela que traz a felicidade. E trouxe. Muita.
Era a razão para viver, trabalhar, esforçar-me e lutar para lhe dar o melhor que a vida pode dar, para além do amor meu e da mãe. Esse estava garantido.
Era a realização dum amor que leva, hoje, quase 15 anos de existência. Era o que queríamos e desejávamos. Era a nossa luz.
Tudo corria bem, andava nas nuvens. Tinha tudo. Era feliz, só que não me apercebia, nem sabia dar o valor à felicidade que tinha.



Isto porque no dia 29 de Outubro de 2001, como era usual, deixei a minha filha no infantário. Por volta, das 12H30 recebo uma chamada telefónica para ir ao infantário. Tinha-se passado qualquer coisa com a minha filha. Mas nada de grave, diziam eles. Venha com calma. Achei estranho o tom de voz.
Aquilo que eles apelidaram de nada de grave, era “só” o facto da minha filha ter feito uma aspiração de vómito. Levaram-na para o hospital, onde a conseguiram reanimar, pelo que dizem, após 20 minutos de paragem cardíaca e respiratória. Daí foi transferida para um hospital central, para os serviços de cuidados intensivos pediátricos. Esteve lá das 19H00 de dia 29 até às 12H00 do dia 30. Hora em que lhe tinham que mudar os cateteres que a prendiam à vida. Quando essa troca estava a ser realizada, não resistiu. Acabou por falecer.



A minha felicidade, os meus objectivos, a minha força, a minha vontade de viver e de lutar, tudo desapareceu no mesmo instante.
Começou aí a descida ao inferno, e acreditem que não estou a exagerar. A raiva, o ser incapaz de compreender a situação, o desespero, a revolta contra tudo e contra todos. O querer ser racional e não ser capaz de o ser. O procurar respostas para aquilo que não tem resposta. Valeu-me na altura o apoio de familiares e amigos. Estive escondido do mundo durante quase um mês. Não me sentia capaz de enfrentar ninguém, não me apetecia estar com ninguém, não queria ver nem ser visto.



Após essa fase mais intensa de luto, a racionalidade foi voltando aos poucos. Muitas vezes com ajuda de medicamentos e longas conversas, geralmente, com o meu pai. Aos poucos o readquirir de objectivos foi voltando, o primeiro dos quais não perder a minha relação com a minha mulher, ser capaz de manter o casamento. Depois vieram os outros, normais de qualquer pessoa.
Hoje, ainda não totalmente recuperado (acho que nunca vou ficar), sou pai de um rapaz, salvei (salvamos) o casamento e vivo uma vida aparentemente normal.
Como é óbvio continuo a ter os meus altos e baixos, principalmente quando se aproximam as datas criticas. Uma delas está a chegar, a outra há-de vir ainda.



Façam-me só um favor: SEJAM FELIZES.”
Formasdolhar



ceu-anjo copy.jpg



(Uns dias antes de me mandar este texto o Formasdolhar, mandou-me isto)



Ontem, estava deitado com o meu filho. Adormeceu. Era a personificação da tranquilidade e da segurança. Naquele momento só tinha uma única preocupação. Não largar a mão que me tinha dado para adormecer. Fiquei a contempla-lo mais de uma hora, até eu ser vencido pelo sono também.
Apesar de já o saber, o AMOR irracional e puro existe. Ontem foi só mais uma prova que tive.



sonho copy.jpg





Para a Beatriz:



Elvis Costello – She
“…She, who always seems so happy in a crowd
Whose eyes can be so private and so proud
No one's allowed to see them when they cry
She maybe the love that cannot hope to last
May come to me from shadows in the past
That I remember 'till the day I die…”


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2006
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2005
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2004
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D